Venezuela: autoridades devem parar ataques armados contra a população

Imprimir
23 de fevereiro de 2019 Política internacional Conflitos

No marco da espera por ajuda internacional e, em respostas às denúncias de uso de força e ataques com armas de fogo – incluindo fuzis tipo AK – a manifestantes em Santa Elena de Uairén, estado de Bolívar e em outras localidades de Venezuela, que deixaram pelo menos duas pessoas mortas e outras 22 feridas, Erika Guevara Rosas, diretora da Anistia Internacional para América, declarou:

“Exigimos que Nicolás Maduro pare o uso da força contra as pessoas. As forças de segurança devem parar de usar fuzis de guerra e outras armas de fogo contra a população e os grupos armados pró-Nicolás Maduro devem parar de existir”.

“Os ataques armados contra a população são graves violações de direitos humanos e do direito internacional”.

.

Saiba mais

Venezuela: Fome, castigo e medo, a fórmula de repressão das autoridades sob comando de Nicolás Maduro

Venezuela: Autoridades devem libertar os jornalistas detidos por cobrir a crise atual

Venezuela: mais de 12 pessoas mortas em protestos

Relatório: Venezuela: Autoridades têm o dever de parar de criminalizar e matar jovens vivendo na pobreza

23 de fevereiro de 2019 Política internacional Conflitos

Mais Notícias

22 de maio de 2020 | Segurança pública Defensores de direitos humanos

NOTA: “Armas não salvam vidas e não são as respostas para necessidades urgentes neste momento de pandemia”, afirma Anistia Internacional

A Anistia Internacional repudia a ameaça de armar a população, proferida pelo Presidente da República Jair Bolsonaro durante reunião ministerial de 22 de abril de 2020.

19 de maio de 2020 | Segurança pública Violência policial

NOTA: Operações policiais durante pandemia da COVID-19

No meio de uma pandemia, quando os esforços deveriam estar voltados para garantir saúde e vida, o Estado do Rio se faz presente nas favelas levando violência e morte.

19 de maio de 2020 | Discriminação

Américas: direitos de profissionais de saúde na linha de frente da pandemia de COVID-19 ameaçados

O relatório instiga os países da região a priorizar e proteger os direitos dos profissionais de saúde durante e depois da pandemia.
Carregar mais notícias