Venezuela: Autoridades têm o dever de parar de criminalizar e matar jovens vivendo na pobreza

Imprimir
20 de setembro de 2018 Segurança pública Política internacional Violência policial
A Anistia Internacional denuncia mais de 8 mil execuções extrajudiciais na Venezuela. Foto Carlos  Ramírez

O estado venezuelano está usando força letal com a intenção de matar as pessoas mais vulneráveis e socialmente excluídas do país. Está violando seus direitos e tratando-as como criminosas por causa das circunstâncias em que vivem, quando deveria implementar políticas de controle preventivo contra o crime que se alinhem com os padrões internacionais de direitos humanos, disse a Anistia Internacional em um relatório publicado hoje.

“O governo do presidente Maduro deveria garantir o direito à vida, em vez de tirar a vida dos jovens do país. Todos os jovens vivendo na pobreza deveriam ter oportunidades iguais para o futuro e não viver com o medo de que a polícia ou os militares os vejam como inimigos que devem ser erradicados”, disse Erika Guevara-Rosas, diretora de Américas da Anistia Internacional.

O relatório “Isso não é jeito de viver: A segurança pública e o direito à vida na Venezuela” evidencia a responsabilidade do Estado venezuelano por violações do direito à vida e à integridade física de milhares de pessoas. O Estado está não apenas deixando de garantir a vida e a segurança da população no contexto de níveis alarmantes de insegurança, mas também implementando medidas repressivas usando métodos militares, supostamente para combater o crime. O resultado até agora foi de mais de 8.200 execuções extrajudiciais entre 2015 e junho de 2017.

No ano passado, pelo menos 95% das vítimas de homicídio – tanto no contexto do crime como nas mãos das forças de segurança – eram homens jovens com idades entre 12 e 44 anos que vivem nos bairros mais pobres do país. Quase 90% dos homicídios registrados são cometidos com armas de fogo nas áreas urbanas e nas áreas rurais onde há altos níveis de atividade ilícita, como a mineração ilegal.

Em 2016, a Venezuela registrou a taxa de homicídios mais alta de sua história, com mais de 21.700 pessoas perdendo a vida devido à insegurança do país. Levando em conta que cada pessoa morta por armas de fogo sobrevive em média a três ou quatro outras vítimas da mesma violência, a Anistia Internacional estima que entre 65 e 87 mil pessoas foram vítimas de violência somente naquele ano.

Em 2017, o governo venezuelano forneceu números imprecisos em uma imagem de PowerPoint divulgada em um tweet sem dados abertos ou confiáveis ​​que omitiam completamente as mortes cometidas pelas forças de segurança, o que colocaria a taxa de homicídios em 62 por 100 mil habitantes. Números de organizações não-governamentais dizem que esse número chega a 89 por 100 mil habitantes.

A Anistia Internacional observou que, apesar da implementação de pelo menos 17 planos de segurança nos últimos 17 anos, o Estado não cumpriu suas obrigações para prevenir a violência armada e suas consequências. O Estado também falhou em seu dever de investigar e punir violações de direitos humanos e de prover reparações às vítimas. Em vez disso, as autoridades declararam publicamente que matar pessoas no contexto de operações de segurança é uma prática bem-sucedida, apesar do fato de isso constituir um claro recesso em relação às garantias dos direitos humanos, bem como uma brecha na lei em relação ao procedimento policial.

A Venezuela vive uma séria crise de direitos humanos há vários anos. A Anistia Internacional expôs consistentemente graves violações dos direitos à saúde e à alimentação; a prática persistente de detenções arbitrárias politicamente motivadas; tortura e outros tratamentos cruéis, desumanos ou degradantes; e o uso de tribunais militares para julgar civis, entre outras violações de direitos civis e políticos.

Uma das consequências mais notáveis dessas violações em massa dos direitos humanos e da falta de segurança pública tem sido o aumento dramático no número de pessoas que fogem para outros países, principalmente nas Américas. A ONU estima que 2,3 milhões de pessoas deixaram a Venezuela desde 2014.

“A Venezuela está passando por uma das piores crises de direitos humanos de sua história. A lista de crimes sob as leis internacionais contra a população está crescendo. É alarmante que, em vez de aplicar políticas públicas eficientes para proteger as pessoas e reduzir os níveis de insegurança, as autoridades venezuelanas estejam usando a linguagem da guerra para tentar legitimar o uso de força excessiva por parte de policiais e oficiais militares e, em muitos casos, uso de força letal com intenção de matar”, disse Erika Guevara-Rosas.

“O governo deve lançar urgentemente um programa nacional para reduzir os homicídios e implementar efetivamente um modelo de policiamento que inclua diretrizes sobre o uso proporcional e diferenciado de força e armas de fogo, que cumpra plenamente com as normas e padrões internacionais de direitos humanos.”

A Anistia Internacional conclama o Estado venezuelano a implementar um plano de segurança pública que respeite o direito a um julgamento com todas as garantias do devido processo legal e, especialmente, a eliminação de atrasos e falhas processuais no sistema de justiça criminal venezuelano. As autoridades devem reduzir os altos níveis de impunidade nos casos de violações de direitos humanos e homicídios, e garantir que os familiares das vítimas obtenham uma reparação justa, incluindo compensação adequada, apoio psicossocial e garantias de não repetição.

Baixe o relatório em inglês ou espanhol AQUI.

Saiba mais

Venezuela: governos da América Latina e Caribe devem oferecer proteção aos que fogem do país

20 de setembro de 2018 Segurança pública Política internacional Violência policial

Mais Notícias

13 de fevereiro de 2019 | Segurança pública Defensores de direitos humanos Mulheres LGBTI

Onze meses após assassinato de Marielle Franco, há mais dúvidas que certezas e muitas perguntas ainda sem resposta

Anistia Internacional afirma que as investigações devem chegar à verdade e identificar corretamente todos os envolvidos no assassinato de Marielle Franco

6 de fevereiro de 2019 | Política internacional Conflitos

Iêmen: Emirados Árabes munem milícias com armas ocidentais

A Anistia Internacional apela a todos os Estados para que deixem de fornecer armas a todas as partes no conflito no Iêmen

5 de fevereiro de 2019 | Desenvolvimento Política internacional Legislação

Catar: Autoridades devem intensificar esforços para honrar promessas de direitos trabalhistas antes da Copa do Mundo de 2022

Faltando menos de quatro anos para a Copa do Mundo de 2022, autoridades do Catar correm o risco de não cumprir a promessa de combater a exploração de milhares de trabalhadores migrantes
Carregar mais notícias