Faça a diferença na vida de milhões de pessoas

México: Onde estão os estudantes de Guerrero?

Após terem sido atacados pela polícia, 43 estudantes desapareceram. Não deixe que este seja mais um caso de impunidade! Exija o fim dos desaparecimentos forçados no México.

Hong Kong: Diga não à violência policial!

Milhares de manifestantes pacíficos têm feito protestos sentados no centro de Hong Kong pedindo eleições diretas. Diga não ao uso de força por policiais contra manifestantes pacíficos.

Pelas mulheres e meninas de El Salvador

Entre em ação pela descriminalização do aborto em El Salvador, onde a prática é proibida em qualquer circunstância, mesmo em casos de estupro e de risco de vida da mãe.

Mais Ações
Seja um Defensor
da Liberdade

Sua contribuição é fundamental para a continuidade do nosso trabalho.

Doe agora
Junte-se à Anistia

Faça parte desse movimento global.

Faça parte

Assine a Newsletter

Fique por dentro das notícias da Anistia Internacional Brasil.

Obrigado por se cadastrar, em breve você receberá mais informações da Anistia Internacional Brasil.

Notícias

16.10

Uganda: Legislação discriminatória alimenta abusos e repressão

A legislação repressiva e discriminatória, promulgada ao longo dos últimos 18 meses em Uganda, levou a um aumento na repressão estatal, violência e homofobia.

15.10

Hong Kong: Policiais devem ser levados à justiça por ataque a manifestante

A agressão de Ken Tsang ocorreu na madrugada de 15/10 enquanto a polícia tentava tirar manifestantes pró-democracia que ocupavam uma rua.

13.10

Haiti: A verdade não pode morrer com Jean Claude Duvalier

Durante a presidência de Duvalier, entre 1971 e 1986, prisões e centros de tortura custaram a vida de centenas de vítimas. Mesmo com o falecimento do ex-presidente, a justiça não pode ser esquecida.

Mais notícias

Blog

20.10

Iguala: Uma tragédia anunciada e evitável

O desaparecimento dos estudantes da escola de Ayotzinapa, na cidade de Iguala, chama a atenção para a crise da segurança pública no México. Mais de 22.000 pessoas estão desaparecidas no país.

06.10

Vidas suspensas

Natalia Prilutskaya, da Anistia Internacional, se reúne com Sasha, cujo noivo foi preso na Rússia após os protestos de 2012, quando milhares se manifestaram contra o resultado da eleição presidencial.

Mais Posts

VOZES PELOS
DIREITOS HUMANOS

“Meu pai, Fela Kuti, foi libertado da prisão em 1986, depois que a Anistia Internacional passou a considerá-lo um prisioneiro de consciência.”

Femi Kuti