Parlamento norueguês finalmente adota lei sobre o reconhecimento legal de gênero

Imprimir
7 de junho de 2016 Direitos sexuais e reprodutivos LGBTI
John Jeanette Solstad Remø

Segunda-feira (6) foi um dia histórico! O Parlamento norueguês finalmente adotou a lei sobre o reconhecimento legal de gênero que dará a pessoas transgênero acesso ao reconhecimento legal de gênero através de um procedimento rápido, acessível e transparente. A lei agora permite que os indivíduos auto-determinem seu sexo e acaba com o legado vergonhoso da Noruega de requisitos obrigatórios discriminatórios que violam uma série de direitos humanos.

O Parlamento não efetuou quaisquer alterações à legislação proposta pelo Ministério da Saúde e Assistência, o que significa que este será um grande avanço para os direitos trans na Noruega, apesar de algumas questões pendentes, como o limite de idade que foi também referidos no Anistia Internacional de comunicado de imprensa lançado em março.

Na Noruega, pessoas transgênero tiveram seu reconhecimento de gênero negado devido a múltiplos requerimentos que violavam direitos humanos, como o direito à integridade corporal, o direito à privacidade e vida em família, e o direito ao mais alto nível de saúde. A prática até agora era datada dos anos 70 e submetia as pessoas a uma série de requisitos discriminatórios, como o acompanhamento e obtenção de um diagnóstico psiquiátrico e a esterilização irreversível.

A Anistia Internacional mostrou como esses processos são degradantes e violam os direitos humanos. Em fevereiro de 2014, a Anistia Internacional publicou um relatório sobre a falta de direitos para pessoas transgênero na Europa. A Noruega foi criticada por exigir a esterilização irreversível para que haja o reconhecimento legal de gênero.

 

Sucesso para John Jeanette

A Anistia fez uma campanha extensiva, com mais de 16 mil assinaturas pelo caso da norueguesa John Jeanette Solstad Remø, uma mulher trans de 65 anos que não obteve reconhecimento legal do seu gênero devido a sua recusa em compactuar com os requerimentos abusivos. Como consequência, seus documentos se referem a ela como do gênero “Masculino”, o que é humilhante e resulta em questionamentos em sua rotina diária. Para John Jeanette, ser reconhecida como uma mulher significaria ser vista como a pessoa que ela realmente é. Era inaceitável que ela fosse constantemente referida como homem em instituições públicas e no dia a dia.

Vamos continuar a acompanhar e pressionar para que os direitos trans sejam respeitados.

AI Norway and John Jeannette Solstad Remo delivering signatures to Norwegian Minister of Health - February 2015

 

Saiba mais

Relatório: O Estado decide quem eu sou

Avanço histórico para os direitos de pessoas transgênero na Noruega

Noruega: Identificação de gênero legal será acessível e fácil

Maratona de Cartas 2014: Entrega de assinaturas por John Jeanette

“Honestamente, meus olhos ficam cheios de lágrimas de emoção todos os dias.”

7 de junho de 2016 Direitos sexuais e reprodutivos LGBTI

Mais Notícias

12 de dezembro de 2017 | Migrantes

Governos europeus são cúmplices de abusos horríveis a pessoas refugiadas e migrantes na Líbia

“Os governos europeus mostraram quais são as suas verdadeiras prioridades: o fechamento da rota na zona central do mar Mediterrâneo, com escasso respeito pelo sofrimento causado”

12 de dezembro de 2017 | Política internacional Conflitos Migrantes

Conselho de Segurança da ONU: hora de agir de fato pela resolução da crise dos Rohingya em Myanmar

O Japão deve usar a presidência do Conselho de Segurança das Nações Unidas para acabar com três meses e meio de impasse diante de crimes contra a humanidade contra o povo Rohingya, em Myanmar.

12 de dezembro de 2017 | ___

Vaga para Coordenador/a do Diálogo Direto em São Paulo

A Anistia Internacional está procurando um@ profissional para se juntar a nossa equipe de captação de recursos!
Carregar mais notícias