Empresa critica uso de suas auditorias pela JBS na Amazônia

Imprimir
25 de julho de 2020 Terra Indígenas e populações tradicionais

ANISTIA INTERNACIONAL
BOLETIM EXTRA
24 de julho de 2020

 

Uma empresa de auditoria que monitorou a cadeia de fornecimento da JBS, líder mundial do setor de carne bovina, criticou a empresa por ter declarado falsamente que suas operações na região amazônica brasileira não envolvem desmatamento, revelou a Anistia Internacional hoje.

Em correspondência com a Anistia Internacional, a empresa de auditoria independente norueguesa DNV GL Business Assurance, contratada pela JBS para auditar sua cadeia de fornecimento entre 2017 e 2019, confirmou que nunca auditou os fornecedores indiretos da JBS no Brasil e observou que “o relatório de avaliação emitido pela DNV GL não pode ser usado como evidência de boas práticas em toda a cadeia de fornecimento”.

“A empresa de auditoria DNV GL essencialmente criticou a JBS por utilizar suas auditorias para encobrir o fato de a JBS não ter monitorado toda sua cadeia de fornecimento”, disse Richard Pearshouse, diretor de Crises e Meio Ambiente na Anistia Internacional.

“Mais uma vez, isso vem destacar que a JBS monitora apenas as fazendas finais das quais compra gado bovino, não as fazendas onde esse gado foi criado anteriormente. Como revelou nossa pesquisa, em vários casos, em 2019, esse gado bovino incluiu gado criado em fazendas ilegais que ocupam áreas protegidas da floresta amazônica que foram desmatadas.

“A Anistia Internacional reitera seu chamado à JBS para adotar imediatamente um sistema efetivo de monitoramento de toda sua cadeia de fornecimento, inclusive de seus fornecedores indiretos, para garantir que sua carne bovina seja de fato livre de desmatamento, e que isso possa ser certificado”.

A correspondência da DNV GL destaca: “Os fornecedores indiretos não foram examinados pela DNV GL e declarados isentos de desmatamento. A JBS não possuía sistemas implementados para rastrear a cadeia de fornecimento indireta; logo, os fornecedores indiretos não foram avaliados durante a auditoria. O Compromisso Público da Pecuária abrange a cadeia de fornecimento indireta, mas a JBS não havia implementado sistemas para atender a esse requisito.”

 

Contexto

Em 15 de julho, a Anistia Internacional divulgou o relatório Da Floresta à Fazenda – Gado criado ilegalmente na Amazônia brasileira encontrado na cadeia de fornecimento da JBS . Baseado em extensa pesquisa de campo, análise de dados governamentais e análise de imagens de satélite, o relatório revela como gado bovino criado ilegalmente em três áreas protegidas no estado de Rondônia, norte do Brasil, entrou na cadeia de fornecimento da JBS, em 2019.

Horas após a publicação do relatório, o Ministério Público Federal, em Rondônia, anunciou que vai abrir uma investigação sobre as descobertas da Anistia Internacional em relação à JBS.

Antes de publicar seu relatório, a Anistia Internacional buscou informações específicas da JBS sobre se a empresa havia processado gado bovino de fazendas situadas nas três áreas protegidas. A empresa respondeu: “Não compramos gado de qualquer fazenda envolvida na pecuária ilegal em áreas protegidas” e disse que adota “abordagem inequívoca de desmatamento zero em toda sua cadeia de fornecimento”.

A JBS também declarou: “Auditorias independentes realizadas nos últimos seis anos pelas empresas de auditoria DNV-GL e BDO, líderes globais, revelam que mais de 99,9% das aquisições de gado bovino feitas pela JBS de fazendas localizadas na área amazônica atendem aos critérios socioambientais da empresa. Isso inclui critérios de desmatamento zero”.

A JBS não respondeu a uma pergunta sobre o monitoramento de fornecedores indiretos, observando em lugar disso que “a rastreabilidade de toda a cadeia de fornecimento da carne bovina é um desafio de toda a indústria e uma tarefa complexa”.

A Anistia Internacional não encontrou qualquer evidência que indicasse envolvimento direto da JBS em abusos de direitos humanos nos três locais investigados. Contudo, em todas as três áreas, recentes apropriações ilegais de terras levaram a uma perda de terras tradicionais, que sob a lei brasileira são protegidas. Os direitos dos povos indígenas às suas terras são protegidos sob a lei internacional de direitos humanos. A pecuária bovina comercial é proibida por lei nos três locais.

25 de julho de 2020 Terra Indígenas e populações tradicionais

Mais Notícias

24 de setembro de 2020 | Liberdade de expressão Terra Indígenas e populações tradicionais

Ataques à APIB devem unir sociedade e instituições em defesa dos povos indígenas, aponta Anistia Internacional

Anistia Internacional repudia ataques à Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB) e aos povos indígenas por parte do governo federal e chama sociedade e instituições em defesa deles.

24 de setembro de 2020 | Segurança pública Desenvolvimento Defensores de direitos humanos Mulheres LGBTI Indivíduos em risco Legislação Moradia Indígenas e populações tradicionais

Anistia Internacional promove audiência online: Desafios da Covid-19 e os impactos nos Direitos Humanos

A Audiência Online visa exigir medidas inclusivas e urgentes para as populações vulneráveis após seis meses de Covid-19. Com presenças de organizações da campanha #NossasVidasImportam e autoridades.

21 de setembro de 2020 | Memória, Verdade e Justiça Segurança pública Violência policial

Caso Ágatha Félix: Anistia Internacional exige política de segurança pública baseada em inteligência e treinamento 

1 ano após a morte da menina Ágatha, de 8 anos, a Anistia Internacional exige a adoção de uma segurança pública baseada na inteligência e treinamento, pautada na proteção e preservação das vidas.
Carregar mais notícias