Cinco maneiras de você ajudar Raif AGORA

Imprimir
14 de janeiro de 2015 Liberdade de expressão Indivíduos em risco Tortura
#FreeRaif

Precisamos pressionar as autoridades da Arábia Saudita para impedir a flagelação e liberar o blogueiro Raif Badawi imediatamente.

Em maio de 2014, o governo da Arábia Saudita sentenciou Raif Badawi a 10 anos de prisão e 1.000 chicotadas. Ele foi condenado por insultar o Islã através dos textos postados em seu site, que foi criado para incentivar o debate público.

Na sexta-feira 9 de janeiro de 2015, Raif recebeu os primeiros 50 de 1.000 chicotadas dolorosas. Uma testemunha disse que “ele ficou em silêncio, mas você poderia dizer que ele estava com dor real”. Raif está para receber mais 50 chicotadas, provavelmente, toda sexta-feira, durante 19 semanas. Isso não pode continuar!

A Arábia Saudita condenou o ataque a Charlie Hebdo em Paris como “covarde”. No dia seguinte, eles açoitaram Raif Badawi por exercer o seu direito de liberdade de expressão. Precisamos expor essa hipocrisia. Precisamos constrangê-los agora.

1)  Marque a Arábia Saudita no Twitter

A Arábia Saudita é muito sensível sobre a sua imagem pública e prestígio internacional. Se temos como alvo funcionários públicos, eles poderiam ser forçados a responder e envergonhados publicamente pararem a flagelação. Aqui estão algumas contas de Twitter para tentar:

Ministério da Justiça: @MojKsa

Sociedade Nacional para os Direitos Humanos: @NSHRSA

Ministério dos Negócios Estrangeiros: @KSAMOFA

2) Convença seu governo a pressionar a Arábia Saudita

Seu governo deveria estar fazendo todo o possível para pressionar a Arábia Saudita a fazer a coisa certa. Tweet contas oficiais do seu governo (por exemplo, o Ministério dos Negócios Estrangeiros, ou a embaixada do país na Arábia Saudita) e peça-lhes para cobrar a Arábia Saudita que pare a flagelação de Raif e o liberte imediatamente. Aqui estão as contas do Twitter para algumas embaixadas de países em Arábia Saudita:

Brasil:  @BRAZEMBKSA

Reino Unido: @UKinSaudiArabia

Holanda: @NLinSaudiArabia

Suécia: @SwedeninKSA

EUA: @USEmbassyRiyadh

Alemanha: @GermanyinKSA

UE: @EUintheGCC

3) Entre em contato com a embaixada da Arábia Saudita em seu país

Pesquise online o telefone ou fax da embaixada da Arábia Saudita em seu país, e peça que Raif não seja açoitado novamente e que o libertem imediatamente. Sabemos que isso pode ser uma forma particularmente eficaz (e chata) de campanha. Você também pode twitar para eles, embora as únicas embaixadas da Arábia Saudita conhecidas por terem contas do Twitter são os EUA e Reino Unido ( @SaudiEmbassyUSA e @SaudiEmbassyUK ).

4) Ações em frente à embaixada da Arábia Saudita

Em todo o mundo, militantes começaram a organizar protestos em frente a embaixadas da Arábia Saudita. Entre em contato com o escritório da Anistia Internacional mais próximo para ver se alguma ação está prevista, ou agregue mais pessoas para organizar a sua própria manifestação.

5)  Tweet seu apoio para Raif e sua família

Por favor, envie sua mensagem de solidariedade à família de Raif, para que eles saibam que estamos de pé, e pressionando a Arábia Saudita para libertá-lo. Tweet para @raif_badawi (conta de Twitter oficial da Raif) e @miss9afi (esposa de Raif, Ensaf Haidar, que mora no Canadá com seus três filhos).

Nota: Seria ótimo se você pudesse incluir #FreeRaif e @AnistiaOnline sobre quaisquer tweets que você enviar.

Participe de uma Ação Urgente por Raif 

Saiba mais:

Confirmação da sentença de Raif pelo Supremo saudita: dia sombrio para a liberdade de expressão

Arábia Saudita retoma a flagelação de Raif Badawi nesta sexta-feira

Ativista punido com chicotadas publicamente na Arábia Saudita

14 de janeiro de 2015 Liberdade de expressão Indivíduos em risco Tortura

Mais Notícias

10 de outubro de 2019 | Política internacional Defensores de direitos humanos

Nota pública: As autoridades no Equador devem acabar imediatamente com a repressão às manifestações

As autoridades equatorianas devem pôr um fim imediato à pesada repressão de manifestações.

12 de setembro de 2019 | Defensores de direitos humanos Mulheres LGBTI Indivíduos em risco Terra Indígenas e populações tradicionais

Projeto Banana-Terra lança manual para jovens que querem mudar o mundo

Material tem exercícios sobre criação e implementação de projetos, segurança, comunicação e monitoramento de impacto

12 de setembro de 2019 | Memória, Verdade e Justiça Defensores de direitos humanos Mulheres LGBTI

18 meses sem Marielle: Anistia e familiares renovam cobrança por resposta às autoridades

Ofícios foram enviados ao governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, e ao procurador-geral de justiça do Estado, Dr. José Eduardo Gussen, após seis meses de reunião em que se comprometeram com caso
Carregar mais notícias