As autoridades peruanas devem abster-se de usar força excessiva em resposta às manifestações que se espalham por todo o país e garantir os direitos de protesto pacífico e liberdade de expressão. É o que afirma a Anistia Internacional, depois de confirmar pelo menos duas mortes e dezenas de feridos. 

 

Romário Quispe Garfias, de 18 anos, e um adolescente de 15 foram assassinados em Andahuaylas, no contexto de uma crise política que vem gerando protestos em diferentes áreas do país desde 7 de dezembro, enquanto a mídia informava que mais duas pessoas morreram em protestos na segunda-feira, 12 de dezembro. Dezenas de pessoas, incluindo civis e policiais, também foram feridas por armas de fogo e objetos contundentes. 

 Além disso, a Associação Nacional de Jornalistas do Peru registrou ataques a 21 jornalistas em Lima, Apurímac, Huaura, Arequipa e Puno durante a cobertura dos protestos entre os dias 7 e 11 de dezembro. As agressões vão desde o uso excessivo da força por parte da Polícia Nacional a manifestantes cometendo agressões, insultos e tentativas de apreender dos jornalistas os seus equipamentos de trabalho. 

 

“A repressão do Estado contra os manifestantes está apenas aprofundando a crise no Peru. As autoridades devem pôr fim ao uso excessivo da força contra as manifestações e garantir o direito à manifestação pacífica, utilizando os meios legais e proporcionais necessários ao restabelecimento da segurança cidadã. Além disso, para evitar a escalada da violência, exigimos que as autoridades busquem o diálogo e coloquem os direitos humanos no centro de sua resposta à crise”, disse Erika Guevara-Rosas, diretora das Américas da Anistia Internacional.  

 

A Anistia Internacional verificou imagens de policiais disparando bombas de gás lacrimogêneo à queima-roupa diretamente contra os corpos dos manifestantes na Plaza San Martin, em Lima. A força não deve ser utilizada, exceto quando estritamente necessária, de forma proporcional e para um fim legítimo, devendo então estar sujeita a um processo de responsabilização. Em situações de violência, as forças de segurança devem individualizar a resposta aos responsáveis ​​por gerar perturbações ou pôr em perigo a vida e integridade de terceiros. 

 A Anistia Internacional lembra às autoridades que um protesto não perde seu caráter pacífico por causa de atos esporádicos ou comportamento ilícito de indivíduos. Portanto, o respeito, garantia e proteção dos direitos humanos daqueles que se manifestam pacificamente não devem ser diminuídos. As forças de segurança do Estado também devem priorizar a resolução pacífica da situação e evitar o uso da força de forma contrária aos padrões internacionais. 

As autoridades peruanas devem investigar prontamente, de forma completa, independente e imparcial todas as alegações de violações de direitos humanos no contexto da atual crise. A Anistia Internacional está particularmente preocupada com o fato de que a Lei de Proteção Policial (No. 3110), em vigor desde março de 2020, deixa em aberto a possibilidade de o uso excessivo da força pela Polícia Nacional ficar impune, em violação das obrigações do Peru sob o direito internacional . 

 A Anistia Internacional reitera seu apelo ao respeito irrestrito aos direitos humanos e para que as autoridades disponham de todos os recursos disponíveis para resolver este conflito por meio do diálogo, ouvindo todas as vozes e interrompendo a repressão para evitar mais mortes e violações dos direitos humanos. 

 As autoridades também devem utilizar todos os recursos disponíveis para proteger a vida e a integridade de todos os feridos, garantindo-lhes atendimento médico imediato, oportuno e adequado. Da mesma forma, devem prestar o apoio necessário às famílias dos falecidos. 

 

“Os direitos humanos de todas as pessoas devem estar acima de qualquer interesse político. A solução para esta crise não pode passar por mais violência. As autoridades devem colocar a proteção da população acima de qualquer interesse político”, disse Marina Navarro, diretora executiva da Anistia Internacional Peru. 

Mais Publicações