Justiça para Maicon

Imprimir
15 de abril de 2016 Segurança pública Violência policial

A morte do menino Maicon de Souza Silva completa 20 anos neste 15 de abril de 2016, sem que ninguém tenha sido responsabilizado. Ele foi morto enquanto brincava na porta de casa em Acari e foi atingido por um tiro de arma de fogo disparada por um policial militar. Apesar da incansável luta por justiça encabeçada por seu pai, José Luiz Faria da Silva, o crime prescreve hoje, após duas décadas.

A seletividade de casos como os de Maicon, resultante de operações policiais em favelas e periferias não é exceção. De acordo com levantamento no relatório “Você matou meu filho: homicídios cometidos pela polícia militar na cidade do Rio de Janeiro”, de todos os processos abertos em 2011 para apurar mortes causadas pela polícia durante operações no Rio de Janeiro, mais de 80% ainda estavam em aberto no primeiro semestre de 2015.

No ano passado, foram mais de 600 pessoas mortas por policiais em serviço no estado do Rio de Janeiro. Não há informações consolidadas sobre a apuração destes casos.

As organizações Anistia Internacional, Justiça Global e Projeto Legal acompanham o caso de Maicon e somam forças para apelar às autoridades pela interrupção do prazo de prescrição e responsabilização do crime, cuja autoria é conhecida.

Órgãos como a Procuradoria do Estado, a Auditoria Militar, o Ministério Público, o Tribunal de Justiça e a Polícia Civil receberam em 2016 pedidos sobre o andamento do caso com base na Lei de Acesso à Informação devido à iminência de prescrição, mas até o momento não houve respostas.

O caso também tramita na Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), na esperança de que esta nova denúncia possa resultar na responsabilização do Brasil em âmbito internacional.

Enquanto isso, as três organizações se somam à família em uma vigília às portas do Ministério Público nos dias 14 e 15 de abril, com o pedido de que os órgãos competentes, autoridades e sociedade se comprometam com o fim da impunidade para o caso do Maicon e para todos os crimes cometidos por agentes do Estado e com a efetivação de uma política de segurança pública que respeite a vida e os direitos humanos.

………

Maicon

Maicon, assassinado pela polícia militar, aos 2 anos de idade, em Acari.

 

O caso do assassinato do menino Maicon consta no relatório “Você Matou Meu Filho”, lançado pela Anistia Internacional em 2015. Este relatório se baseia em uma série de casos de homicídios praticados por policiais militares nos anos de 2014 e 2015 na cidade do Rio de Janeiro, em particular na favela de Acari. 

logo conjuntas

15 de abril de 2016 Segurança pública Violência policial

Mais Notícias

22 de maio de 2020 | Segurança pública Defensores de direitos humanos

NOTA: “Armas não salvam vidas e não são as respostas para necessidades urgentes neste momento de pandemia”, afirma Anistia Internacional

A Anistia Internacional repudia a ameaça de armar a população, proferida pelo Presidente da República Jair Bolsonaro durante reunião ministerial de 22 de abril de 2020.

19 de maio de 2020 | Segurança pública Violência policial

NOTA: Operações policiais durante pandemia da COVID-19

No meio de uma pandemia, quando os esforços deveriam estar voltados para garantir saúde e vida, o Estado do Rio se faz presente nas favelas levando violência e morte.

19 de maio de 2020 | Discriminação

Américas: direitos de profissionais de saúde na linha de frente da pandemia de COVID-19 ameaçados

O relatório instiga os países da região a priorizar e proteger os direitos dos profissionais de saúde durante e depois da pandemia.
Carregar mais notícias