“Você matou meu filho!”

Campanha: Jovem Negro Vivo & Diga não à execução
Região: Américas
País: Brasil
Polícia Militar no Vidigal, 2011

“Você matou meu filho!”: Homicídios cometidos pela Polícia Militar na cidade do Rio de Janeiro

 

Execuções extrajudiciais cometidas por policiais são frequentes no Brasil. No contexto da chamada “guerra às drogas”, a Polícia Militar tem usado a força letal de forma desnecessária e excessiva, provocando milhares de mortes ao longo da última década. As autoridades utilizam com frequência os termos “auto de resistência” ou “homicídio decorrente de intervenção policial” (usados nos registros de mortes provocadas por policiais em serviço e justificadas com base na legítima defesa) como uma “cortina de fumaça” para encobrir execuções extrajudiciais promovidas pelos policiais.

Este relatório se baseia em uma série de casos de homicídios praticados por policiais militares nos anos de 2014 e 2015 na cidade do Rio de Janeiro, em particular na favela de Acari. A Anistia Internacional realizou entrevistas com vítimas e familiares, testemunhas, defensores de direitos humanos, representantes de organizações da sociedade civil, especialistas em segurança pública e autoridades locais, e coletou detalhes sobre as cenas dos crimes, registros de ocorrência, atestados de óbito, relatos de especialistas e inquéritos policiais. Através deste material, a Anistia Internacional verificou a existência de fortes indícios de execuções extrajudiciais e um padrão de uso desnecessário e desproporcional da força pela Polícia Militar.

Atue agora: Chega de homicídios pela Polícia Militar no Rio de Janeiro! Diga não à execução.

*Leia o relatório em português, ou em inglês.

MAIS RELATÓRIOS

A qualquer custo: A catástrofe civil na região ocidental de Mossul, Iraque

O novo relatório da Anistia Internacional revela como a guerra entre a coalizão liderada pelos EUA, forças iraquianas e o Estado Islâmico gera catástrofe civil na região ocidental de Mossul.

Diante do Muro: a violação dos direitos dos requerentes de refúgio nos EUA e no México

Este relatório examina o impacto catastrófico de uma série de novas diretrizes e práticas em andamento que acabam por recusar requerentes de refúgio na fronteira entre os Estados Unidos e México.

Silêncio através de força: detenções arbitrárias por motivos políticos na Venezuela

A Anistia Internacional observou medidas arbitrárias do Estado venezuelano que visam obstruir a liberdade de expressão, associação e participação política.
Mais publicações
Informes Anuais

A cada ano, um resumo do estado dos direitos humanos em centenas de países.

Saiba mais
Frentes de atuação

Descubra nossas formas de atuação e junte-se a nós na defesa dos direitos humanos!

Saiba mais