Nota Pública: Anistia Internacional pede investigação urgente de morte em Manguinhos

Imprimir
8 de setembro de 2015 Segurança pública
Vela em preto 1170 x 780

A Anistia Internacional recebeu informações sobre a morte de um menino de 13 anos, hoje (8), durante operação policial conjunta realizada pelas Polícias Civil e Militar na favela de Manguinhos, zona norte do Rio de Janeiro. Ele jogava bola com outras crianças quando começaram os disparos, próximo da hora do almoço. Todos correram, mas ele acabou atingido e morreu na hora.

“Mais uma vez uma criança é morta, resultado dessa lógica de guerra que marca a política de segurança pública no Brasil e vitima majoritariamente jovens negros das periferias das cidades”, destaca Atila Roque, diretor executivo da Anistia Internacional Brasil.

Há relatos de que policiais tentaram alterar a cena do crime, levando o corpo para o caveirão, mas foram impedidos por moradores. A Divisão de Homicídios está responsável pela investigação e já fez a perícia do local do crime.

A Anistia Internacional pede que o caso seja investigado de forma célere e os responsáveis sejam levados à justiça. A organização condena o uso da força e de armas de fogo de forma desnecessária e irresponsável por parte das polícias, que continuam resultando em mortes, e defende a incorporação dos principios básicos para uso da força e arma de fogo da ONU na legislação nacional e estadual. Esta recomendação está no relatório “Você matou meu filho: Homicídios cometidos pela Polícia Militar na cidade do Rio de Janeiro”, lançado em agosto.

Saiba mais

Anistia Internacional lança novo guia para limitar o uso excessivo da força pela polícia

Prática de execuções extrajudiciais pela polícia do Rio de Janeiro é reconhecida por autoridades

Atue agora! Pelo fim das execuções extrajudiciais no Rio de Janeiro: Diga não à execução!

8 de setembro de 2015 Segurança pública

Mais Notícias

21 de fevereiro de 2017 | Política internacional

Américas: Políticas de ódio causam revés histórico nos direitos humanos

A desigualdade e a impunidade são os principais obstáculos para o pleno gozo dos direitos humanos nas Américas

21 de fevereiro de 2017 | Segurança pública Política internacional

‘Política da demonização’ gera divisão e medo

O relatório, O Estado dos Direitos Humanos no Mundo, apresenta a análise mais abrangente do estado dos direitos humanos em todo o globo, incluindo 159 países.

21 de fevereiro de 2017 | Terra Violência policial

“Nenhuma crise pode ser justificativa para perda de direitos”, afima a Anistia Internacional em novo relatório

O capítulo brasileiro do relatório destaca graves violações no que diz respeito ao direito à vida: a violência no campo e na cidade, que afeta prioritariamente jovens negros e lideranças rurais.
Carregar mais notícias