ONU: líderes mundiais devem decidir medidas para acabar com a detenção de crianças migrantes

Imprimir
5 de julho de 2018 Política internacional Migrantes
UN Photo/Andrea Brizzi

Com centenas de crianças traumatizadas e ainda presas em centros de detenção nos EUA, resultado da política de separação familiar do governo Trump, a Anistia Internacional está pedindo aos líderes mundiais que tomem medidas e se comprometam a acabar com a detenção da migração infantil no texto do Global Compact for Migration (GCM), que entra na fase final de negociações na próxima semana.

.

“As cenas terríveis nos EUA ilustraram por que um compromisso internacional para acabar com a detenção de crianças migrantes é tão necessário – essas negociações não poderiam ter chegado em um momento mais crucial”, disse Perseo Quiroz, Advogado Senior da Anistia Internacional.

“Muitos líderes mundiais expressaram sua indignação com o tratamento do governo Trump com as crianças cujos pais chegaram aos EUA irregularmente. Agora é a hora de canalizar essa indignação para uma ação concreta.

“Na ONU, na próxima semana, há uma oportunidade real para os estados mostrarem que estão seriamente empenhados em acabar com a detenção da migração infantil de uma vez por todas, forçando as proteções mais fortes possíveis para crianças que cruzam fronteiras”.

.

Líderes de 193 Estados membros da ONU se reunirão em Nova York na segunda-feira, 9 de julho, para chegar a um acordo sobre o texto final do GCM, que visa estabelecer uma agenda comum para gerenciar a migração e proteger os direitos humanos dos migrantes. Ao longo do processo de redação, a Anistia Internacional recomendou maneiras de garantir que o GCM proteja os direitos das crianças migrantes.

.

A Anistia Internacional se opõe a todas as detenções de crianças motivadas por questões migratórias, acompanhadas ou não acompanhadas, e recomenda que uma presunção seja estabelecida na lei contra a detenção de famílias e crianças por razões relacionadas à imigração.

.

Em setembro de 2016, a Assembleia Geral da ONU adotou a Declaração de Nova York para Refugiados e Migrantes e se comprometeu a desenvolver um pacto global para uma migração segura, ordeira e regular.

.

O rascunho atual do GCM se compromete a “usar a detenção da migração apenas como último recurso” e, no caso das crianças, “trabalhar para acabar com a prática da detenção de crianças no contexto da migração internacional”. A Anistia Internacional acredita que não há nenhuma circunstância na qual a detenção de crianças relacionadas à migração seja justificada, e está pedindo aos Estados que mudem a linguagem para refletir isso.

.

“Infelizmente, os EUA não estão sozinhos na detenção de crianças para fins de migração – países como Dinamarca, Austrália e Reino Unido têm práticas semelhantes”, disse Perseo Quiroz.

“Eventos recentes têm destacado as realidades brutais da detenção de crianças simplesmente porque seus pais estão se deslocando, e esperamos que isso obrigue outros governos a tomar medidas concretas para proteger todas as crianças deste tratamento cruel.”

.

Embora o GCM não seja juridicamente vinculativo, ele é politicamente vinculativo e estabelece as bases para a discussão sobre migração para os próximos anos.

.

Saiba mais

Entre em ação! Exija que os EUA e o presidente Trump parem de separar as famílias!

Política dos EUA de separar as crianças dos pais é tortura

5 de julho de 2018 Política internacional Migrantes

Mais Notícias

23 de agosto de 2019 | Terra Indígenas e populações tradicionais

Falhas do governo estão alimentando queimadas na Amazônia, diz Anistia Internacional

Situação coloca em risco direitos das pessoas a ambiente saudável e à saúde, além de ameaçar os territórios de populações indígenas.

7 de agosto de 2019 | Defensores de direitos humanos Indígenas e populações tradicionais

Anistia Internacional lança site que alerta sobre focos de tensão na Amazônia

Conteúdo divulgado é fruto de pesquisa realizada em abril de 2019. Foram entrevistados 23 indígenas, além de 13 pessoas com conhecimento sobre invasões de terras

29 de julho de 2019 | Memória, Verdade e Justiça

Nota sobre declaração do presidente Jair Bolsonaro sobre desaparecido pelo Regime Militar

O direito à memória, justiça, verdade e reparação das vitimas, sobreviventes e suas famílias deve ser defendido e promovido pelo Estado Brasileiro e seus representantes
Carregar mais notícias