EUA: Chelsea Manning finalmente livre após cruéis provações

Imprimir
17 de maio de 2017 LGBTI Sistema prisional
CHELSEA LIBERTADA!
  • A Anistia Internacional pede investigação sobre vazamentos relativos a “crimes de guerra” e maior proteção a denunciantes.
  • “Parece-me que a transparência no governo é um pré-requisito fundamental para garantir e proteger a liberdade e a dignidade de todas as pessoas.” – Chelsea Manning

 

A liberação hoje de Chelsea Manning de uma prisão militar norte-americana finalmente põe fim ao seu castigo por expor informações classificadas, inclusive de possíveis crimes de guerra cometidos por militares dos EUA, disse a Anistia Internacional.

“Hoje é o dia pelo qual milhares de ativistas da Anistia Internacional em todo o país e em todo o mundo têm feito campanhas pelo tempo do sofrimento cruel de Chelsea Manning”, disse Margaret Huang, diretora executiva da Anistia Internacional dos EUA.

“O tratamento dado a Chelsea é sobretudo revoltante, já que ninguém foi responsabilizado pelos supostos crimes que ela trouxe à luz. Enquanto celebramos a sua liberdade, continuaremos a pedir uma investigação independente quanto as potenciais violações dos direitos humanos que ela expôs e para que se criem proteções para garantir que os denunciantes como Chelsea nunca mais sejam submetidos a um tratamento tão terrível “.

A Anistia Internacional tem feito campanha pela libertação de Chelsea Manning desde 2013, quando foi condenada a 35 anos de prisão. Seu tempo de prisão foi muito mais longo do que para militares condenados por homicídio, estupro e crimes de guerra.

Além disso, a denunciante do Exército dos EUA ficou presa durante 11 meses em condições de detenção de pré-julgamento que o Relator Especial da ONU sobre Tortura considerou como tratamento cruel, desumano e degradante. Ela foi posta em prisão solitária como penalização por uma tentativa de suicídio, e lhe foi negado tratamento adequado relacionado à sua identidade de gênero durante seu encarceramento.

Seu caso fez parte da campanha anual da Anistia Internacional, Escreva por Direitos, em 2014. Em todo o mundo, quase um quarto de milhão de ações foram tomadas pedindo sua libertação.

Em uma carta à Anistia Internacional na época, Chelsea Manning disse:

“Apoio o trabalho que vocês fazem para proteger pessoas às quais são negadas justiça, liberdade, verdade e dignidade. Parece-me que a transparência no governo é um pré-requisito fundamental para assegurar e proteger a liberdade e a dignidade de todas as pessoas “.

Depois de anos de campanha da Anistia Internacional e outros, o ex-presidente Barack Obama comutou a pena de Manning antes de deixar o cargo, em janeiro de 2017.

Esta semana a Anistia Internacional lançou uma nova campanha global, “Coragem”, com o objetivo de destacar os corajosos ativistas e denunciantes em todo o mundo que muitas vezes se colocam em grave risco por contestar violações de direitos humanos.

“O tratamento vingativo dado a Chelsea Manning, pelas autoridades norte-americanas, depois que ela expôs prováveis irregularidades militares, é um triste reflexo dos extremos a que chegam os que estão no poder para impedir que os outros se manifestem”, disse Margaret Huang.

“A libertação de Chelsea mostra, mais uma vez, que o poder do povo pode triunfar sobre a injustiça – uma mensagem inspiradora para os inúmeros ativistas corajosos que defendem os direitos humanos em todo o mundo e que estão no centro de nossa nova campanha global, “Coragem”.

….

Saiba mais:

EUA: Comutação de pena para Chelsea Manning, um demorado passo positivo para os direitos humanos

Castigo a Chelsea Manning por tentativa de suicídio é cruel e desumano

“Eu vou me manter forte por causa de vocês!”, Chelsea Manning

Chelsea Manning: “Por que não se calar vale a pena”

17 de maio de 2017 LGBTI Sistema prisional

Mais Notícias

26 de novembro de 2019 | Segurança pública Defensores de direitos humanos Indivíduos em risco

Anistia Interacional recebe com preocupação notícia de prisão de brigadistas em Alter do Chão (PA)

Prisões acontecem no mesmo dia em que organização lança relatório que mostra a relação entre as queimadas na floresta e a pecuária

26 de novembro de 2019 | Defensores de direitos humanos Conflitos Terra Indígenas e populações tradicionais

Bolsonaro se nega a receber a Anistia Internacional e lideranças indígenas que exigem a proteção da Amazônia e dos povos tradicionais

Ato em protesto foi realizado na frente do Palácio do Planalto e contou com o lançamento de um relatório inédito sobre desmatamento da Amazônia e pecuária ilegal

14 de novembro de 2019

Vaga: Coordenador(a) de Recursos Humanos e Administração

A Anistia Internacional está buscando uma nova pessoa para integrar a equipe de operações como Coordenador(a) de Recursos Humanos e Administração.
Carregar mais notícias