Autoridades devem investigar o assassinato da defensora de direitos humanos Marielle Franco

Imprimir
15 de março de 2018 Segurança pública Defensores de direitos humanos

O assassinato de Marielle Franco, 38 anos, vereadora da cidade do Rio de Janeiro, defensora de direitos humanos conhecida por denunciar abusos policiais e execuções extrajudiciais, é um caso gravíssimo que deve ser imediatamente investigado, disse hoje a Anistia Internacional.

.

Marielle foi morta à tiros no bairro Estácio do Rio de Janeiro na noite desta quarta-feira, 14 de março. Seu motorista também foi morto e uma assessora de imprensa ficou ferida no ataque.

.

“O que aconteceu é um fato assustador e é mais um exemplo dos perigos que os defensores e defensoras dos direitos humanos enfrentam no Brasil. Como membro da Comissão Estadual de Direitos Humanos do Rio de Janeiro, Marielle trabalhou incansavelmente para defender os direitos das mulheres negras e jovens nas favelas e em outras comunidades marginalizadas “, disse Jurema Werneck, diretora executiva da Anistia Internacional Brasil.

“As autoridades brasileiras devem assegurar uma investigação rápida, minuciosa e imparcial sobre este trágico assassinato. O Estado deve proteger as testemunhas e os sobreviventes, identificar o motivo do assassinato de Marielle e levar os culpados à justiça. As autoridades não podem deixar que defensores e defensoras dos direitos humanos sejam mortos e seus assassinos fiquem impunes”.

.

Em 2016, Marielle foi eleita vereadora da cidade do Rio de Janeiro. Duas semanas atrás, foi nomeada relatora de uma comissão especial da cidade para monitorar a atual intervenção federal no Rio de Janeiro e a militarização da segurança pública.

15 de março de 2018 Segurança pública Defensores de direitos humanos

Mais Notícias

22 de maio de 2020 | Segurança pública Defensores de direitos humanos

NOTA: “Armas não salvam vidas e não são as respostas para necessidades urgentes neste momento de pandemia”, afirma Anistia Internacional

A Anistia Internacional repudia a ameaça de armar a população, proferida pelo Presidente da República Jair Bolsonaro durante reunião ministerial de 22 de abril de 2020.

19 de maio de 2020 | Segurança pública Violência policial

NOTA: Operações policiais durante pandemia da COVID-19

No meio de uma pandemia, quando os esforços deveriam estar voltados para garantir saúde e vida, o Estado do Rio se faz presente nas favelas levando violência e morte.

19 de maio de 2020 | Discriminação

Américas: direitos de profissionais de saúde na linha de frente da pandemia de COVID-19 ameaçados

O relatório instiga os países da região a priorizar e proteger os direitos dos profissionais de saúde durante e depois da pandemia.
Carregar mais notícias