Autoridades devem investigar o assassinato da defensora de direitos humanos Marielle Franco

Imprimir
15 de março de 2018 Segurança pública Defensores de direitos humanos
Foto: Luna Costa/ Mandato Marielle Franco

O assassinato de Marielle Franco, 38 anos, vereadora da cidade do Rio de Janeiro, defensora de direitos humanos conhecida por denunciar abusos policiais e execuções extrajudiciais, é um caso gravíssimo que deve ser imediatamente investigado, disse hoje a Anistia Internacional.

.

Marielle foi morta à tiros no bairro Estácio do Rio de Janeiro na noite desta quarta-feira, 14 de março. Seu motorista também foi morto e uma assessora de imprensa ficou ferida no ataque.

.

“O que aconteceu é um fato assustador e é mais um exemplo dos perigos que os defensores e defensoras dos direitos humanos enfrentam no Brasil. Como membro da Comissão Estadual de Direitos Humanos do Rio de Janeiro, Marielle trabalhou incansavelmente para defender os direitos das mulheres negras e jovens nas favelas e em outras comunidades marginalizadas “, disse Jurema Werneck, diretora executiva da Anistia Internacional Brasil.

“As autoridades brasileiras devem assegurar uma investigação rápida, minuciosa e imparcial sobre este trágico assassinato. O Estado deve proteger as testemunhas e os sobreviventes, identificar o motivo do assassinato de Marielle e levar os culpados à justiça. As autoridades não podem deixar que defensores e defensoras dos direitos humanos sejam mortos e seus assassinos fiquem impunes”.

.

Em 2016, Marielle foi eleita vereadora da cidade do Rio de Janeiro. Duas semanas atrás, foi nomeada relatora de uma comissão especial da cidade para monitorar a atual intervenção federal no Rio de Janeiro e a militarização da segurança pública.

15 de março de 2018 Segurança pública Defensores de direitos humanos

Mais Notícias

5 de julho de 2019

Vaga: Assistente de banco de dados

Anistia Internacional contrata assistente de banco de dados para integrar a equipe de Operações

3 de julho de 2019 | Defensores de direitos humanos Mulheres

‘Aruanas’: série apresenta trabalho de defensoras dos direitos humanos

Anistia Internacional é parceira da iniciativa. Para Jurema Werneck, diretora executiva da organização, produção contribui para desmistificar as pessoas que se dedicam a atuar pelo bem comum

26 de junho de 2019 | Segurança pública Indígenas e populações tradicionais Violência policial

Anistia Internacional alerta para riscos de ampliação do acesso a armas no país

Colocar mais armas em circulação é uma política ineficiente para a garantia da vida de todas pessoas que vivem no Brasil, como diversos estudos já apontaram e destacamos na ação Brasil Para Todo Mundo
Carregar mais notícias