Sete perguntas sobre os refugiados e migrantes que estão morrendo no Mediterrâneo

Anistia Internacional

VER TODOS OS POSTS    

Com a morte por afogamento de aproximadamente 1.700 refugiados e migrantes somente este ano (2015), uma emergência humanitária está se expandindo no Mediterrâneo. Enquanto os líderes da União Europeia determinam como abordá-la, analisaremos por que isso está ocorrendo e o que podemos fazer para ajudar.

1. Por que tantas pessoas estão se afogando no Mediterrâneo?

Durante este ano, um número sem precedentes de refugiados e migrantes está tentando chegar à Europa em embarcações superlotadas e perigosas, controladas por traficantes de pessoas.

Quando seus barcos viram ou apresentam problemas, nem sempre há ajuda por perto. No final de 2014, a Itália e a UE decidiram pôr fim à Mare Nostrum, a operação humanitária da marinha italiana que resgatou mais de 166.000 pessoas em apenas um ano.

A UE substituiu esta operação por outra muito menor denominada Triton, que patrulha principalmente as fronteiras perto da terra firme, em vez de salvar vidas em mar aberto. Além disso, conta com barcos menores e menos aviões, helicópteros e pessoal.

Como consequência, a busca e salvamento das pessoas depende novamente, em sua maior parte, das guardas-costeiras e dos navios comerciais.

2. Por que as pessoas viajam na rota migratória mais fatal do mundo?

A Europa se converteu em uma fortaleza quase impenetrável, e os refugiados têm enormes dificuldades de chegar sem riscos e legalmente a um país da UE.

Muitas pessoas fogem do conflito, da violência e da perseguição. Para elas, pagar milhares de dólares a um traficante para atravessar o mar em uma barca frágil é quase a única opção que lhes resta.

Tomar esta decisão diz muito sobre as circunstâncias das quais fogem. Jean é um dos 88 sobreviventes de um barco resgatado perto de Malta, em janeiro. Cerca de 35 de seus companheiros morreram de hipotermia e desidratação. Jean nos contou que havia fugido da Costa do Marfim quando sua família o ameaçou porque não quis submeter sua filha à mutilação genital feminina.

Quando chegou à Líbia, “os traficantes estavam armados. Alguns de nós tínhamos medo e não queríamos ir, mas ninguém pôde voltar atrás. Não nos deram mapas, nada. Só disseram: ‘siga reto até adiante e estará na Itália’”.

Não fazer o suficiente para ajudar agora mesmo é desumano e indefensável, equivalente a içar a ponte levadiça enquanto crianças, homens e mulheres morrem fora de nossas muralhas.

3. De onde exatamente vêm todas essas pessoas?

Muitas, incluindo famílias com crianças pequenas, fugiram de países arrasados pela guerra, como Síria, Afeganistão, Sudão e Iraque. Outras foram perseguidas por suas opiniões políticas, torturadas e, inclusive, ameaçadas de morte se ficassem [em seus países].

Em 2014, as pessoas procedentes da Síria e Eritréia representavam quase a metade das aproximadamente 170.000 pessoas que chegaram à Itália de barco. Mas há mais que chegam da África Subsaariana fugindo das penúrias e pobreza.

4. Por que a Europa deveria ajudar?

Os governos europeus enfrentam um tremendo dilema de vida ou morte. Não fazer o suficiente para ajudar agora mesmo é desumano e indefensável, equivalente a içar a ponte levadiça enquanto crianças, homens e mulheres morrem fora de nossas muralhas.

Pedir asilo é um direito humano, uma parte essencial dos acordos internacionais sobre refugiados que quase todos os governos assinaram depois da II Guerra Mundial.

Mas os governos europeus estão colocando enormes obstáculos para as pessoas que suportaram tanta coisa. Por exemplo, ofereceram um total de apenas 40.137 lugares de reassentamento para refugiados sírios, 30.000 deles somente na Alemanha. Em compensação, somente cinco países vizinhos da Síria acolheram 3.9 milhões de refugiados.

5. O que a UE pode fazer agora mesmo para impedir estas mortes?

Todos os países europeus necessitam trabalhar juntos urgentemente para lançar uma operação humanitária de salvamento de pessoas no mar. Isso significa compartilhar o custo de barcos, aviões, helicópteros e pessoal suficientes para resgatar as pessoas que cruzam o Mediterrâneo a partir de agora.

Enquanto se organiza esta operação, devem dar à Itália e Malta suficiente apoio econômico e logístico para redobrar o trabalho de busca e salvamento que suas guardas costeiras realizam.

6. O que deveria ocorrer em longo prazo?

As pessoas não deixarão de fugir da guerra, da perseguição e da pobreza. Quando a UE estabelecer sua nova agenda sobre migração em maio, terá que oferecer-lhes vias para pedir asilo na Europa sem riscos e legalmente, sem pôr a vida em risco.

Além disso, os governos da UE devem dar a mais refugiados a oportunidade de mudar de vida e reassentá-los em seus países.

7. O que eu posso fazer para ajudar?

Assine a petição aos governos da UE, em inglês, e divulgue amplamente entre seus conhecidos. Acesse o site, clique em Sign e preencha seus dados: nome, sobrenome, e-mail e país.

Juntos podemos demonstrar que não toleramos que o Mediterrâneo se converta em um cemitério.

Saiba mais

A resposta da Europa, “uma operação para livrar a cara, não para salvar vidas”

Refugiados e migrantes no Mediterrâneo: Anistia Internacional propõe “Plano de Ação”

Quatro filhas perdidas em um naufrágio no Mediterrâneo

Anistia Internacional

VER TODOS OS POSTS    
Imprimir

Mais Posts

27 de agosto de 2019 Veronica Vasquez Tags: , , , ,

O protagonismo das mulheres na defesa do meio ambiente!

Somos muitas lutando em diferentes contextos, realidades e frentes por justiça para todas e todos.

28 de junho de 2019 Anistia Internacional

O levantar da bandeira LGBTQI em Angola

Neste 28 de junho, ativista enumera avanços, como criminalização da discriminação, e desafios, como a inserção no mercado de trabalho, desta pauta no país

27 de junho de 2019 Anistia Internacional Tags: , ,

Direitos humanos são sobre pessoas, não sobre coisas

Confira o relato sobre aprendizados e experiências de jovens que participaram do V Encontro Nacional para Ativistas da Anistia Internacional Brasil
Ver todos os posts
Resultados

Conheça alguns dos casos de sucesso que foram trabalhados pela Anistia Internacional.

Saiba mais