Sete coisas que você provavelmente não sabe sobre migrantes

Kristin Hulaas Sunde
Produtora de conteúdo global da Anistia Internacional

VER TODOS OS POSTS    

1. Qual é a diferença entre uma pessoa migrante e uma pessoa refugiada ou solicitante de asilo?

A pessoa refugiada teve concedida a permissão para viver em outro país porque o governo de seu país não pode ou não está disposto a protegê-la contra abusos contra os direitos humanos. Solicitante de asilo é alguém que pediu para permanecer em outro país pelos mesmos motivos, mas que não foi reconhecido como refugiado.

Muitas pessoas – incluindo a maioria das que tentam hoje em dia para chegar à Europa em frágeis embarcações – não são migrantes, mas refugiados que se viram obrigados a abandonar suas casas por bombas e perseguições, e que têm direito de obter proteção em outros países conforme o direito internacional. No entanto, como ficou demonstrado recentemente em vários trágicos acontecimentos, pode ser quase impossível cruzar as fronteiras de forma segura e legal para alcançar um local onde possam solicitar asilo.

2 . Qual a diferença entre ‘imigrante’ e ‘migrante’?

Todos os imigrantes são migrantes, mas nem todos os migrantes são imigrantes. E para complicar as coisas há também o ‘emigrante’. Funciona assim: Um migrante se move dentro de seu próprio país, ou de um país para o outro, frequentemente em busca de trabalho ou para se reunir com familiares devido à pobreza e a crise. Se uma pessoa da Itália fosse viver na Espanha, seria emigrante na Itália e imigrante na Espanha. Pode receber o nome de “migrante internacional” se tem nacionalidade estrangeira ou nasceu em outro país. As palavras “imigrantes” e “migrantes” são frequentemente empregadas de forma intercambiável e tendem a confundir-se com o termo “solicitante de asilo” (veja acima)

3. Quantos migrantes há no mundo?

Em 2013, 232 milhões de pessoas viviam fora do país onde nasceram e 700 milhões haviam migrado dentro de seus respectivos países. As rotas migratórias mais importantes do mundo são: do México para os Estados Unidos (12.2 milhões até a data), da Ucrânia para a Federação Russa (3.7 milhões) e vice-versa (3,6 milhões) e da Alemanha aos Estados Unidos (1.3 milhões). 36 por cento das pessoas migrantes do mundo se movem entre países do sul global e 35 por centro de países do sul para países do norte . Os migrantes de países do Norte são os mais felizes do mundo, segundo recente pesquisa de âmbito mundial.

4. Quantos há onde eu vivo?
A maioria das pessoas migrantes internacionais vive na Europa (72 milhões), seguida pela Ásia (71 milhões) e América do Norte (53 milhões). É muito provável que se subestime o número de migrantes que vivem em um país determinado: uma pesquisa realizada em 14 países revelou que muitas pessoas pensam que os imigrantes representam uma proporção da população muito maior do que realmente constituem. Na Itália, por exemplo, as pessoas que responderam à pesquisa calculavam que 30 em cada 100 eram imigrantes. O verdadeiro número? Sete.

5. As pessoas migrantes são boas ou más para a economia global?

O Banco Mundial afirma que a migração internacional é boa porque os trabalhadores podem se transladar para lugares onde são mais produtivos. E o dinheiro que as pessoas migrantes enviam a países em desenvolvimento (as chamadas “remessas”) representam o triplo da quantidade que os governos destinam a ajuda para o desenvolvimento (calcula-se que 404.000 milhões de dólares norte-americanos em 2013). Se forem incluídas as remessas que os migrantes enviam a países de rendas altas, a cifra atinge 542.000 milhões de dólares.

6. O que a Anistia Internacional tem a dizer sobre as pessoas migrantes?

Os políticos e meios de comunicação utilizam frequentemente as pessoas migrantes como bodes expiatórios, catalogando-as como “imigrantes ilegais”, “intrusos” – e até “invasores” _ que se aproveitam da generosidade dos países de acolhida. Isso cria a impressão de que os migrantes não têm nenhum direito, e promove o racismo e a discriminação. Queremos dissipar estes mitos centrando a atenção nas coisas positivas que os migrantes aportam, como aptidões, recursos e diversidade. Atualmente, estamos pressionando as autoridades para que reconheçam que muitas pessoas chamadas erroneamente de ‘migrantes’ são, na verdade, refugiados com direito à proteção, e para que enfrentem a crise de refugiados sem precedentes que o mundo atravessa oferecendo-lhes formas seguras e legais de solicitar asilo.

Entre em ação: A Anistia Internacional está com pesquisadores em campo em diversas partes do mundo para documentar a crise, denunciar violações e pressionar governos por respostas. Este trabalho só é possível graças ao apoio de pessoas como você. Doe agora.

7. Nomes de alguns migrantes famosos?

Há, literalmente, milhões, de modo que só podemos dar alguns exemplos: Didier Drogba, jogador de futebol da primeira liga radicado no Reino Unido (da Costa do Marfim), a atriz norte-americana Mila Kunis (Ucrânia), Naja Vallaud-Belkacem (Marrocos), primeira mulher que ocupa o cargo de ministra da Educação na França. E um dos migrantes mais famosos do mundo neste momento? Poderia ser nada menos que o papa Francisco (Argentina).

Saiba mais

Europa tem de fazer mudanças drásticas para dar a resposta necessária à crise de refugiados

É hora de a Europa acabar com a vergonhosa crise de refugiados

A Anistia Internacional tem pesquisadores em campo para documentar a crise de refugiados, denunciar violações e pressionar as autoridades por uma resposta efetiva. Apoie este trabalho. Doe agora!

Kristin Hulaas Sunde
Produtora de conteúdo global da Anistia Internacional

VER TODOS OS POSTS    
Imprimir

Mais Posts

31 de agosto de 2020 Anistia Internacional

A farsa sobre a polícia não poder entrar nas favelas

É falsa a informação de que a polícia não vem protegendo a população carioca por causa da decisão judicial da ADPF 635. Os números revelam: as mortes reduziram em 73%.

9 de agosto de 2020 Anistia Internacional Tags: ,

100 mil vidas não podem ser em vão!

Popularmente conhecido como o mês do desgosto, agosto de 2020 ficará para sempre na memória do Brasil. A história nos lembrará que nele, atingimos a triste e angustiante marca de 100 mil vidas perdida

2 de agosto de 2020 Anistia Internacional Tags: , ,

Proibição de ações policiais teria poupado a vida de João Pedro

É importante refletir sobre quantas vidas poderiam ter sido preservadas se esta medida de suspensão das incursões policiais estivesse em vigor desde o início da pandemia da COVID-19, em março.
Ver todos os posts
Resultados

Conheça alguns dos casos de sucesso que foram trabalhados pela Anistia Internacional.

Saiba mais