Aborto legal na Argentina: saiba como apoiar as mulheres na luta pela descriminalização do aborto

Anistia Internacional

VER TODOS OS POSTS    

Tags: , ,

No dia 8 de agosto, o Senado da Argentina vai realizar uma votação decisiva para a descriminalização do aborto. Reunimos aqui tudo o que você precisa saber sobre a votação e como você pode apoiar as mulheres argentinas que estão exigindo o direito sobre seus corpos.

Menos de um mês depois da votação histórica da Irlanda para descriminalizar o aborto, as ruas da Argentina foram tomadas por milhares de pessoas protestando e pedindo que o Congresso do país aprovasse uma lei que possibilite o aborto legal e seguro.

.

Mulheres e meninas acamparam do lado de fora enquanto a Câmara dos Deputados debatia durante a noite a possibilidade de permitir o aborto em até 14 semanas. Finalmente, na manhã do dia 14 de junho, o projeto de lei passou por pouco – um resultado que seria impensável há um ano.

.

Em um país onde o aborto foi severamente proibido desde 1921, o debate nacional em torno do tema abalou o silêncio sobre uma questão que, por muito tempo, tem sido vista como tabu. Agora, no dia 8 de agosto, o Senado dará o voto decisivo para que este projeto se torne lei. E a votação está disputada.

.

Por que o acesso ao aborto seguro importa?

O acesso ao aborto seguro é um direito humano. No entanto, na Argentina, o aborto continua sendo ilegal e limitado apenas quando a vida ou a saúde da pessoa grávida está em perigo ou quando a gravidez é resultado de estupro.

.

No entanto, na prática, muitas grávidas são impedidas de realizar o procedimento e são forçadas a procurar alternativas e métodos inseguros. Estima-se que 500 mil abortos ocorrem todos os anos na Argentina, representando cerca de 40% de todas as gestações.

.

O aborto inseguro é a causa número um de mortes maternas no país nos últimos 30 anos – um fato ainda mais chocante, dada modernidade do sistema de saúde da argentino.

.

Nos últimos 60 anos, mais de 30 países mudaram suas leis para permitir um maior e melhor acesso ao aborto, reconhecendo o papel vital que o acesso ao aborto seguro desempenha na proteção da vida e saúde de grávidas. A Argentina pode se juntar a essa lista de países se, no dia 8 de agosto, os senadores decidirem aprovar a lei.

.

O debate nacional na Argentina também é um farol de esperança para o resto da América Latina, onde atualmente somente Cuba, Uruguai e Cidade do México legalizaram o aborto.

.

Mulheres e meninas da região expressaram solidariedade às mulheres na Argentina, com sinais de que a campanha está se espalhando: no final de julho, milhares de pessoas tomaram as ruas de Santiago, no Chile, usando os mesmos lenços verdes que foram o símbolo do ativismo na Argentina, e, como os vizinhos, exigiram uma revisão das leis do aborto.

.

Como isso foi possível?

Muitos creditam a votação nacional sobre o aborto ao movimento vibrante e potente liderado por mulheres e meninas na Argentina nos últimos três anos. O movimento, conhecido como Ni Una Menos (Nem Um Menos), foi uma resposta às terríveis taxas de assassinatos de mulheres e meninas na Argentina.

.

Muitas das mulheres envolvidas nas reuniões do #NiUnaMenos rapidamente perceberam como a proibição de longos anos do aborto estava contribuindo para a morte de tantas mulheres e meninas. Agora, cada vez mais pessoas estão falando sobre o aborto e compartilhando suas histórias e experiências.

.

A “onda verde”, assim chamada por causa dos lenços verdes e roupas que as ativistas escolheram usar, criou um ótimo momento para que as defensoras e defensores de direitos reprodutivos atuassem. O poder da organização coletiva das mulheres tornou-se óbvio quando o Presidente Macri fez o anúncio sem precedentes em março de que não vetaria a decisão sobre o projeto de lei sobre o aborto, mesmo que ele se opusesse.

.

Agora, o projeto enfrenta seu maior desafio: a Argentina verá a “onda verde” voltar às ruas para manter a pressão e pedir que seus legisladores finalmente permitam um aborto legal e seguro para todas. Milhões de vidas de mulheres dependem dessa decisão.

.

Como você pode apoiar as mulheres da Argentina na luta pela descriminalização do aborto?

Mostre seu apoio às mulheres e meninas da Argentina!

Atue já! Assine a petição que pede que os Senadores escutem as mulheres e apoiem o aborto legal e seguro! 

Tweet usando a hashtag #AbortoLegalYa #NiUnaMenos

Eu apoio a legalização do aborto na Argentina! Saiba tudo sobre a luta pela legalização do aborto na Argentina #AbortoLegalYa #NiUnaMenos

O acesso ao aborto seguro é um direito humano, mas em muitos países é ilegal ou limitado. A Argentina está perto de mudar isso. Apoie essa mobilização! #NiUnaMenos #AbortoLegalYa

O aborto inseguro é a causa número um de mortes maternas na Argentina nos últimos 30 anos. #NiUnaMenos #AbortoLegalYa

Nos últimos 60 anos, mais de 30 países mudaram suas leis para permitir um maior e melhor acesso ao aborto. A Argentina pode ser o próximo. Apoie essa mobilização! #NiUnaMenos #AbortoLegalYa

Anistia Internacional

VER TODOS OS POSTS    
Imprimir

Mais Posts

6 de fevereiro de 2020 Anistia Internacional

Promova o debate sobre direitos humanos com nossos guias de educação

A Anistia Internacional preparou 4 guias para aqueles e aquelas que desejem promover atividades educativas baseadas em direitos humanos. São os cadernos didáticos da campanha Escreva por Direitos!

14 de novembro de 2019 Anistia Internacional Tags: , ,

A única saída possível: justiça para Marielle!

Diante de todas as notícias das últimas semanas, acredito que eu e você compartilhamos do mesmo sentimento: a sensação de angústia de estarmos dentro de um labirinto de notícias sobre o caso Marielle.

5 de novembro de 2019 Anistia Internacional Tags: , , ,

Povos indígenas e tradicionais da Amazônia

Para nós, povos indígenas da Amazônia, a floresta é nosso berço de origem e de civilização, e nossa condição de existência, física, cultural e espiritual.
Ver todos os posts
Resultados

Conheça alguns dos casos de sucesso que foram trabalhados pela Anistia Internacional.

Saiba mais