Quarta e última parada, Espanha: diário de viagem #JovemNegroVivoPeloMundo

Bruno F. Duarte
Assistente de Novas Mídias

VER TODOS OS POSTS    

Na quinta-feira (19) à noite, desembarcamos em Barcelona para dar início ao tour pela Espanha. Esse foi o trecho mais longo da viagem: em uma semana passamos por cinco cidades: Barcelona, Zaragoza, Madri, Vigo e Salamanca.

Autoridades brasileiras e espanholas recebem as mães de meninos mortos pela polícia

Na terça (24), Ana Paula e Terezinha – acompanhadas de Renata Neder (Anistia Brasil) e Maria del Pozo (Anistia Espanha) – se reuniram com autoridades brasileiras e espanholas.

No Ministério de Relações Exteriores e Cooperação, a delegação da #JovemNegroVivoPeloMundo foi recebida por Enrique Yturriaga (Diretor Geral para Países do Mercosul) e Mario Crespo Ballesteros (Chefe de Área para a região da América do Sul). Na reunião, Ana Paula e Terezinha relataram os assassinatos de seus filhos nas mãos da polícia militar e descreveram a situação dramática de violência policial e impunidade que cerca esse tipo de caso. As representantes da Anistia Internacional expuseram o conteúdo do relatório Você matou meu filho e levantaram outras preocupações relativas ao tema da segurança pública, tais como a falta da regulamentação de armas menos letais no Brasil, a repressão policial aos protestos e as operações de segurança que serão implementadas durante as Olimpíadas. Outro ponto destacado na reunião foi a exportação de armas da Espanha para o Brasil. Os representantes do governo espanhol se sensibilizaram com o relato das mães e se comprometeram a levar adiante a mensagem da Anistia Internacional e as recomendações feitas para acabar com as execuções no país.

Reunião no Ministério das Relações Exteriores e Cooperação da Espanha.

Na Embaixada brasileira em Madri, nossa delegação foi recebida por César Sauer (Chefe do Setor de Cooperação) e Luiz Guilherme de Castro. Mais uma vez, Ana Paula e Terezinha deram seus relatos sobre o assassinato de seus filhos e sobre a violência policial no Rio de Janeiro e a Anistia Internacional apresentou dados do relatório, levantou preocupações relativas ao tema da segurança pública e destacou as medidas sugeridas para superar essas violações documentadas pela organização. Os representantes da embaixada expressaram sua solidariedade com as mães e sua indignação com esse grave quadro de violência por parte da polícia. Eles também se comprometeram a levar adiante a mensagem e as recomendações da Anistia Internacional.

Encontro na Embaixada brasileira na Espanha.

Jovens estudantes e universitários se emocionam e se mobilizam com #JovemNegroVivoPeloMundo

Para poder falar com mais pessoas e, assim, aumentar a mobilização, a delegação da #JovemNegroVivoPeloMundo se dividiu para visitar duas cidades diferentes: Vigo e Salamanca.

Renata Neder e Ana Paula foram para a cidade de Vigo onde participaram de um evento público na noite do dia 25 e visitaram duas escolas na manhã do dia 26. A primeira escola visitada foi o IES Pedro Floriani no povoado de Redondela. O grupo local de estudantes é coordenado por um professor de filosofia, o prof. Ramon, que organizou um debate com cerca de 60 alunos. Após a apresentação do relatório e o depoimento de Ana Paula, os alunos fizeram perguntas, tiraram fotos com a bandeira da campanha e se comprometeram a árticipar das próximas ações. A segunda escola visitada foi o IES Ribeira do Louro, no povoado de Porriños, onde cerca de 70 alunos lotaram o auditório local para ouvir o depoimento de Ana Paula. Os alunos ficaram tão impactados que, ao final, fizeram fila para que cada um pudesse dar um abraço solidário na mãe de Johnatha. Os alunos também fizeram um pequeno vídeo para marcar sua solidariedade à luta por justiça pela morte de Johnatha.

 

Eu e Terezinha partimos para Salamanca, onde encontramos um dos primeiros grupos de ativismo da Anistia Internacional no país. Logo na noite da quarta-feira (25), apresentei o relatório “Você Matou Meu filho” e Terezinha compartilhou sua história de luta em um evento público no Centro de Estudos Brasileiros da Universidade de Salamanca. Alunos e professores brasileiros na universidade marcaram presença no encontro. Na quinta-feira (26), participamos de um almoço colaborativo na sede do grupo de ativismo da cidade, formado por mais de trinta pessoas, de diferentes faixas etárias – de estudantes a professores aposentados. O grupo produz dois programas de rádio quinzenais, foca suas ações em pressão nas autoridades através de cartas e é uma das cidades prioritárias do programa de acolhimento de indivíduos em risco da Anistia Internacional na Espanha. A campanha Diga Não À Execução foi abraçada na cidade universitária.

Multiplicando e somando vozes à campanha

A seção da Anistia Internacional na Espanha é uma das maiores em todo o mundo! Eles tem quase 100 grupos locais que atuam em diversas cidades e, quando adotam uma campanha para divulgar no pais, suas ações tem enorme impacto. Por isso, manter os grupos locais informados sobre a campanha Jovem Negro Vivo e sobre o tema da violência policial no Brasil é muito importante para que eles levem as ações de mobilização adiante. Uma das tarefas da passagem pela Espanha foi se reunir com os grupos locais em reuniões menores e em eventos públicos para descrever esta dura realidade do Rio de Janeiro e compartilhar os planos para 2016. Ver o trabalho dos grupos locais da Anistia na Espanha foi inspirador! Eles são voluntários que dedicam seu tempo para mobilizar as pessoas em defesa de direitos humanos em todo o mundo. Ver o que eles fazem – assim ao vivo e a cores – foi muito inspirador!

Na porta do escritório da Anistia Internacional tem um cartaz que diz “O mundo pode mudar. Mas ele não muda sozinho.” E o trabalho dos grupos locais dá vida a esse sentimento de solidariedade e união em defesa de direitos humanos!

Grupo de ativistas da Anistia Internacional em Madri

Um encontro marcado pela dor e pela solidariedade

Em Madrid, Ana Paula e Terezinha conheceram Alfamir, uma mãe colombiana que conhece bem a dor de perder um filho. Alfamir Castillo tem 51 anos e é de Pradera, Valle del Cauca, na Colômbia. Seu filho Davey foi executado pelo exército colombiano em 07 de fevereiro de 2008 junto com outro jovem. Alfamir não se calou e, desde então, luta por justiça pela morte de seu filho. Por esta luta, já sofreu inúmeras ameaças de morte e teve que deixar seu país. Hoje, mora na Espanha enquanto espera o julgamento de generais envolvidos no crime. O caso de Davey é um dos muitos conhecidos como “falsos positivos” na Colômbia. Um escândalo enolvendo o exército colombiano na execução de jovens em nome da guerra às drogas.

Durante este encontro emocionante, as três mulheres compartilharam histórias de dor, de luta e, principalmente, de solidariedade. Cada uma delas sabe que a luta por justiça pela morte de seus filhos é também uma luta para que isto nunca mais se repita. “A morte do meu filho é uma experiência que me faz cada dia mais forte. A minha luta é para que nenhuma outra mãe passe pelo que eu passei.”, disse Alfamir.

Ana Paula e Terezinha encontram Alfemir, que luta por justiça para o assassinato de seu filho pelo exército colombiano.

Imprensa espanhola noticia luta das mães brasileiras em busca por justiça

A passagem pela Espanha foi marcada por uma ampla cobertura da imprensa. Em Barcelona, Ana Paula e Terezinha foram entrevistadas pela TV3 Catalunha, o jornal La Vanguardia e o jornal Ara. Em Madri, a delegação deu entrevistas para diversos veículos como a TVE – uma das maiores emissoras do país, as rádios RNE e SER. O site El diário já publicou reportagem sobre a campanha e a luta de Ana Paula e Terezinha.

Jornal Atlântico Diário

Próxima parada: Rio de Janeiro, Brasil

A primeira viagem da #JovemNegroVivoPeloMundo chegou ao fim. Em 17 dias, visitamos 4 países, 12 cidades, centenas de pessoas assistiram nossas palestras e debates, demos dezenas de entrevistas e nos reunimos com diversas autoridades. Nem conseguimos ainda contar os quilômetros percorridos… Mas se a viagem chegou ao fim, é importante lembrar que a luta por justiça continua. Continue acompanhando o trabalho da Anistia Internacional com as campanhas Jovem Negro Vivo e Diga Não À Execução e veja como você pode apoiar e participar dessa grande mobilização contra a violência policial e em defesa da vida.

Saiba mais

Terceira parada: Suíça

Segunda parada: Inglaterra

Primeira parada:  Holanda

Artigo: Meu filho não é só mais um por Ana Paula Oliveira e Terezinha de Jesus

 

Bruno F. Duarte
Assistente de Novas Mídias

VER TODOS OS POSTS    
Imprimir

Mais Posts

13 de outubro de 2017 Stefan Simanowitz

Eu sinto falta de música, dos meus amigos, meu trabalho e, claro, meus gatos

O cineasta Jean Cocteau disse uma vez que amava gatos porque amava sua casa e "pouco a pouco, gatos tornam-se sua alma visível". Ídil Eser entende bem esse sentimento. Conheça os gatos de Idil

6 de outubro de 2017 Renata de Souza http://novasmidias

Governos criminalizam pessoas em situação de rua para desviar atenção de seus próprios erros

Pessoas em situação de rua em todo o mundo têm uma coisa em comum: seus direitos humanos estão sendo violados

13 de setembro de 2017 Salil Shetty

Ídil, diretora da Anistia Internacional Turquia: “Meu tempo na prisão me deixou ainda mais comprometida”

Salil Shetty encontra diretora da Anistia Internacional Turquia durante detenção na unidade penal de Silivri.
Ver todos os posts
Resultados

Conheça alguns dos casos de sucesso que foram trabalhados pela Anistia Internacional.

Saiba mais