A própria experiência de aborto de Justyna Wydrzyńska, sem apoio ou acesso a informações confiáveis, deu-lhe força e motivação para ajudar outras pessoas a tomar decisões informadas sobre suas vidas reprodutivas. Justyna foi cofundadora do Abortion Dream Team, um coletivo de ativistas que faz campanha contra o estigma do aborto e oferece conselhos sobre o acesso ao aborto seguro na Polônia, onde as leis de aborto estão entre as mais restritivas da Europa.

Em fevereiro de 2020, Justyna foi colocada em contato com Ania (nome fictício). Ania estava em um relacionamento abusivo, grávida e desesperada, dizendo que preferia morrer a continuar com a gravidez. Justyna, ela mesma sobrevivente de um relacionamento violento, sabia que tinha que ajudar. Ela enviou a Ania suas próprias pílulas abortivas pelo correio, mas o parceiro de Ania interceptou o pacote e contatou a polícia, que confiscou as pílulas.

Em novembro de 2021, o promotor público apresentou acusações contra Justyna por “ajudar em um aborto”. Em março de 2023, ela foi considerada culpada e condenada a oito meses de serviço comunitário. Seus advogados entraram com recurso.

A condenação de Justyna abre um precedente perigoso. Sem o apoio e as informações confiáveis que ela e outros ativistas fornecem, pessoas como Ania estariam sozinhas e sem acesso ao aborto seguro.

Demonstrando sua coragem apesar da hostilidade que enfrenta, Justyna diz: “Fui movida pela vontade de ajudar quando ninguém mais queria ou podia ajudar. Para mim, ajudar Ania era uma coisa óbvia, decente e honesta a se fazer”.

Exija que a condenação seja revogada.

Apoie Justyna em sua busca por Justiça! Assine a petição e exija que a condenação injusta seja revogada. Basta preencher o formulário ao lado.

Assinaturas Atuais