Professor brasileiro detido e torturado pela ditadura militar foi primeira Ação Urgente da Anistia Internacional

Imprimir
5 de setembro de 2012 Memória, Verdade e Justiça

Na noite de 15 fevereiro de 1973, militares armados invadiram a casa do o professor de história Luiz Basílio Rossi e, sem explicações, o prenderam.

Mesmo após sua prisão, a casa de Rossi encontrava-se fortemente vigiada por agentes da repressão. Maria José Rossi, sua esposa, relatou anos depois: “Não podíamos sair de casa, nem mesmo para a rua, então eu tive que escrever uma nota para um vizinho sem que a polícia visse. A nota foi entregue pela janela para a filha do vizinho, que depois a entregou para um padre, e que por sua vez, passou para o Bispo de Lins. Eventualmente, a nota chegou à sede da Anistia Internacional em Londres.”

Após consultar várias organizações de apoio, a Anistia Internacional emitiu a sua primeira Ação Urgente em março daquele ano, pedindo que seus membros escrevessem imediatamente às autoridades brasileiras para pedir a liberação do professor Rossi.

A Ação Urgente para salvar o professor Rossi das garras da ditadura, marcou nascimento da Rede de Ação Urgente da Anistia. Uma Ação Urgente é uma mobilização imediata e continua existindo até hoje como ferramenta de pressão e mudança. Atualmente, a rede de Ação Urgente conta com mais de 150 mil membros e emite mais de 400 ações por ano.

Após as cartas de apelo começarem a chegar em São Paulo, a esposa do professor Rossi recebeu um telegrama pedindo que se apresentasse à polícia militar de São Paulo, afim de “identificar corpo de seu marido.”

Quando Maria José Rossi chegou ao DOPS, viu que seu marido estava vivo (embora tivesse sido torturado) e viu também uma pilha de cartas dos apoiadores da Anistia Internacional provenientes do mundo todo.  O delegado de polícia disse a ela: “Seu marido deve ser mais importante do que pensei, pois nós recebemos essas cartas dos quatro cantos do planeta.”

Anos mais tarde, Maria José disse também: “Na minha opinião, a intervenção da Anistia Internacional foi fundamental para salvar o Luiz de mais torturas ou de algo ainda pior. Tenho a impressão de que o diretor do DOPS e outras autoridades sofreram grande pressão da Anistia Internacional”.

5 de setembro de 2012 Memória, Verdade e Justiça

Mais Notícias

22 de maio de 2020 | Segurança pública Defensores de direitos humanos

NOTA: “Armas não salvam vidas e não são as respostas para necessidades urgentes neste momento de pandemia”, afirma Anistia Internacional

A Anistia Internacional repudia a ameaça de armar a população, proferida pelo Presidente da República Jair Bolsonaro durante reunião ministerial de 22 de abril de 2020.

19 de maio de 2020 | Segurança pública Violência policial

NOTA: Operações policiais durante pandemia da COVID-19

No meio de uma pandemia, quando os esforços deveriam estar voltados para garantir saúde e vida, o Estado do Rio se faz presente nas favelas levando violência e morte.

19 de maio de 2020 | Discriminação

Américas: direitos de profissionais de saúde na linha de frente da pandemia de COVID-19 ameaçados

O relatório instiga os países da região a priorizar e proteger os direitos dos profissionais de saúde durante e depois da pandemia.
Carregar mais notícias