Tanzânia: 10 homens detidos em Zanzibar acusados de serem gays

Imprimir
8 de novembro de 2018 LGBTI
Bandeira do Orgulho LGBTI | Amnesty International

Dez homens foram presos por suspeita de serem gays na ilha de Zanzibar, na Tanzânia, depois que a polícia recebeu uma denúncia sobre um casamento entre pessoas do mesmo sexo, revelou a Anistia Internacional.

.

As prisões ocorreram depois que um proeminente político da Tanzânia pediu, na semana passada, que a população denunciasse nomes de pessoas homossexuais à polícia – comentários posteriormente desautorizados pelo governo.

.

“Este é um golpe chocante após a garantia do governo da Tanzânia de que ninguém seria perseguido ou preso por conta de sua orientação sexual ou identidade de gênero”, disse Seif Magango, diretor adjunto da Anistia Internacional para a África Oriental, o Chifre africano e os Grandes Lagos.

“Este ataque aterrador ao povo da Tanzânia por simplesmente exercer seus direitos humanos mostra o perigo da retórica inflamatória e discriminatória nos mais altos níveis de governo.

“Agora tememos que esses homens possam ser submetidos a exames anais forçados – método escolhido pelo governo para ‘provar’ a atividade sexual entre homens. Isso não deve acontecer, esses homens devem ser libertados imediatamente”.

.

Os 10 homens foram presos quando a polícia invadiu uma festa em Pongwe Beach, Zanzibar, na noite de sábado (3 de novembro). Seis outros que também estavam no evento fugiram.

.

Os 10 estão sendo mantidos na delegacia de Chakwal, em Unguja, apesar de nenhuma acusação ter sido feita contra eles.

.

A Anistia Internacional comprovou que os homens foram presos por supostamente conduzirem um casamento gay, com a polícia dizendo que encontraram os homens sentados aos pares “dois a dois”.

.

“É incompreensível que o simples ato de sentar em um par possa ganhar proporções criminosas. Apesar de ter prendido esses homens há três dias, a polícia não tem motivos para apresentar acusações contra eles no tribunal”, disse Seif Magongo.

.

Contexto

Em 29 de outubro, o governador local de Dar es Salaam, Paul Makonda, anunciou planos para formar uma força-tarefa do governo para caçar pessoas supostamente lésbicas, gays, bissexuais, transgêneros ou intersexuais (LGBTI), com previsão de início do seu ‘trabalho’ no dia 5 de novembro.

.

No domingo, 4 de novembro, o governo da Tanzânia, através de seu Ministério das Relações Exteriores, se distanciou das afirmações de Makonda, dizendo que estas não passavam de uma “opinião pessoal”.

.

Entre em ação!
.

As redes sociais estão sendo utilizadas para a perseguição de pessoas LGBT na Tanzânia. Vamos utilizá-las para mostrar solidariedade!

Use o Twitter, Instagram e Instagram Stories para demonstrar seu apoio:

1. Mude sua localização para Tanzânia
2. Escreva uma mensagem de solidariedade como “I stand with people in Tanzania”
3. Use a hashtag #LoveNotHate 

8 de novembro de 2018 LGBTI

Mais Notícias

13 de fevereiro de 2019 | Segurança pública Defensores de direitos humanos Mulheres LGBTI

Onze meses após assassinato de Marielle Franco, há mais dúvidas que certezas e muitas perguntas ainda sem resposta

Anistia Internacional afirma que as investigações devem chegar à verdade e identificar corretamente todos os envolvidos no assassinato de Marielle Franco

6 de fevereiro de 2019 | Política internacional Conflitos

Iêmen: Emirados Árabes munem milícias com armas ocidentais

A Anistia Internacional apela a todos os Estados para que deixem de fornecer armas a todas as partes no conflito no Iêmen

5 de fevereiro de 2019 | Desenvolvimento Política internacional Legislação

Catar: Autoridades devem intensificar esforços para honrar promessas de direitos trabalhistas antes da Copa do Mundo de 2022

Faltando menos de quatro anos para a Copa do Mundo de 2022, autoridades do Catar correm o risco de não cumprir a promessa de combater a exploração de milhares de trabalhadores migrantes
Carregar mais notícias