Síria: Bloqueio da investigação de ataque químico em Douma deve acabar imediatamente

Imprimir
16 de abril de 2018 Política internacional Migrantes
Foto: HASAN MOHAMED/AFP/Getty Images

Respondendo à notícia de que os inspetores da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ) ainda não receberam acesso das autoridades sírias em Douma, onde 75 pessoas foram mortas na semana passada depois de um suposto ataque de armas químicas por forças do governo, Sherine Tadros, chefe do escritório da Anistia Internacional na ONU, em Nova York, disse:

.

“A equipe da OPAQ deve ter acesso total e irrestrito à Douma sem demora. A investigação é crucial para descobrir as circunstâncias exatas por trás das terríveis imagens que uniram o mundo em horror neste mês. Todos os dias que os investigadores passam sem acesso, torna-se mais difícil para eles coletar e analisar evidências vitais.

.

“O uso de armas químicas contra civis é proibido pelo direito internacional e pela Convenção sobre Armas Químicas, da qual a Síria faz parte. Atacar deliberadamente civis com essa arma ilegal é um crime de guerra.

.

“O trabalho da OPAQ é imperativo para estabelecer se um ataque químico ocorreu em Douma, mas não é suficiente para garantir a segurança das vítimas e evitar a repetição de tais crimes. Para este fim, o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, deve criar um mecanismo independente para atribuir a responsabilidade por ataques químicos na Síria, como recentemente solicitado por mais de 40 ONGs internacionais e sírias. ”

.

Contexto

A Anistia Internacional se uniu a outros 46 grupos de direitos humanos e humanitários para pedir que a ONU estabelecesse uma investigação para identificar os responsáveis pelo uso de armas químicas na Síria.

.

Saiba mais

AÇÃO URGENTE: Fim imediato dos bombardeios em Ghouta na Síria

Danos a civis na Síria devem ser minimizados

Síria: Catástrofe humanitária em Ghouta Oriental

16 de abril de 2018 Política internacional Migrantes

Mais Notícias

24 de setembro de 2018 | Política internacional

México: Quatro anos de investigações fracassadas, Estado deve garantir a verdade e a justiça para os 43 estudantes de Ayotzinapa

Nos últimos quatro anos, o registro oficial de pessoas desaparecidas no México passou de 22 mil para 37 mil.

21 de setembro de 2018 | Política internacional

México: Tribunal Federal confirma decisão de criar comissão especial de investigação para o caso Ayotzinapa

A comissão especial de inquérito é uma esperança para as famílias dos estudantes

20 de setembro de 2018 | Defensores de direitos humanos

Seis meses sem resposta: arte urbana por Marielle Franco nos muros do Brasil e Portugal

No Brasil, ativistas de diversos estados criaram painéis em homenagem a Marielle e, em Portugal, festival de arte urbana dedicará um mural à brasileira.
Carregar mais notícias