São Paulo: Anistia Internacional condena repressão a manifestações pacíficas e uso excessivo da força contra estudantes

Imprimir
4 de dezembro de 2015 Liberdade de expressão Violência policial

A Anistia Internacional condena a crescente repressão às manifestações pacíficas e o uso excessivo da força pela polícia militar contra estudantes secundaristas que ocupam escolas em São Paulo mobilizados contra a reorganização proposta pelo governo do Estado. Denúncias de agressões e invasões nas escolas ocupadas, imagens e relatos de violência física, uso de bombas de efeito moral e gás lacrimogênio e prisões de manifestantes nos atos de rua mostram que o governo não está dialogando com os movimentos.

“Chama a atenção o fato de que os protestos são pacíficos e mesmo assim a polícia tem agido com truculência contra jovens, meninos e meninas menores de idade, repetindo táticas ostensivas adotadas na repressão aos protestos em 2013 e 2014, e denunciadas na época pela Anistia Internacional “, observa Atila Roque, diretor executivo da organização. Para a Anistia Internacional, a polícia não deve usar armas menos letais contra a mobilização promovida pelos estudantes.

“Novamente, é o direito ao protesto pacífico que se encontra ameaçado; novamente, o Estado tem preferido enviar a PM para mediar demandas sociais. É inaceitável, uma violação clara do direito à manifestação pacífica que coloca em risco a integridade desses jovens”.

De acordo com dados do movimento, a mobilização dos estudantes, iniciada há cerca de um mês, tem hoje pelo menos 191 escolas ocupadas no Estado de São Paulo para questionar reorganização proposta pelo governo do Estado, que pretende fechar 94 unidades. A principal crítica de estudantes, pais e professores ao plano é a falta de consulta pública sobre as mudanças. Todos afirmam que não houve diálogo e que foram informados sobre a reorganização pela imprensa.

Ontem, dia 3 de dezembro, o Ministério Público Estadual e a Defensoria Pública do Estado de São Paulo entraram com Ação Civil Pública pedindo a suspensão da proposta de reorganização do ensino, cujo decreto foi publicado no Diário Oficial na última terça-feira.

“Em meio às discussões sobre a Lei Antiterrorismo, que pode ampliar penas e tipificar manifestações pacíficas como ameaça à segurança nacional, a mobilização dos estudantes e manifestantes em São Paulo deve ser um chamado à razão: não existe pleno exercício da democracia sem o direito à liberdade de expressão e manifestação pacífica”, completa Roque.

Saiba mais

Relatório: “Eles usam uma estratégia de medo”: Proteção do direito ao protesto no Brasil

Guia de boas práticas: policiamento de manifestações

4 de dezembro de 2015 Liberdade de expressão Violência policial

Mais Notícias

30 de julho de 2020 | Defensores de direitos humanos Pena de morte

Magai Matiop Ngong deixa corredor da morte

O Supremo Tribunal do Sudão do Sul retirou na quarta-feira, 29 de julho, Magai Matiop Ngong do corredor da morte, depois de ter sua pena de morte anulada no dia 14 de julho.

27 de julho de 2020 | Memória, Verdade e Justiça Tortura

Anistia Internacional exige o fim de investigações sigilosas contra críticos do governo federal

Exigimos o fim de toda e qualquer investigação secreta e ilegal contra opositores do governo federal, como a que foi noticiada recentemente.

25 de julho de 2020 | Terra Indígenas e populações tradicionais

Empresa critica uso de suas auditorias pela JBS na Amazônia

Empresa contratada pela JBS para auditar sua cadeia de fornecimento entre 2017 e 2019, criticou a empresa por ter declarado falsamente que operações na amazônia não causam desmatamento .
Carregar mais notícias