Polícia Civil conclui inquérito sobre desaparecimento forçado de Davi Fiuza indiciando 23 policiais

Imprimir
28 de abril de 2016 Segurança pública Violência policial
Mão de Davi Fiuza segura camiseta com a imagem do filho

Cerca de um ano e seis meses depois do desaparecimento de Davi Fiuza em Salvador, Bahia, o Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) encerrou as investigações sobre o caso e concluiu pelo indiciamento de 23 policiais pelo homicídio de Davi, além de ocultação de cadáver e formação de quadrilha.

“A conclusão da investigação, embora muito importante, é apenas um passo para que haja justiça pelo desaparecimento e morte de Davi Fiuza. Agora, o Ministério Público deve exercer o seu papel e os acusados devem ir a julgamento. A Anistia Internacional continuará cobrando das autoridades relevantes que atuem de forma célere e imparcial para que o caso seja levado à justiça. O envolvimento de policiais militares que deveriam ser agentes promotores e garantidores da segurança pública em casos de homicídios e desaparecimentos forçados é muito grave”, ressalta Atila Roque, diretor executivo da Anistia Internacional Brasil.

No dia 24 de outubro de 2014, Davi Fiuza, que há época tinha dezesseis anos, desapareceu no bairro de São Cristóvão, Salvador. Até então havia fortes indícios de que, durante uma operação policial, PMs o teriam amarrado, encapuzado e colocado no porta-malas de um automóvel descaracterizado. Seu corpo ainda não foi encontrado.

Logo após o desaparecimento de Davi, a campanha Reaja ou será Morto, Reaja ou será Morta trouxe o caso para conhecimento da Anistia Internacional que passou a acompanhar seus dedobramentos em parceria com este movimento local. A Anistia Internacional lançou uma Ação Urgente (Index: AMR 19/014/2014) sobre o caso, a fim de pedir sua investigação e a proteção da família de Davi, que vinha recebendo ameaças. O caso também foi enviado ao CED, o Comitê sobre Desaparecimentos Forçados da ONU, que está cobrando do Estado Brasileiro explicações a respeito do desaparecimento forçado de Davi. A Anistia Internacional envia as atualizações sobre o caso ao referido Comitê.

Os dados sobre homicídios e desaparecimentos forçados com o envolvimento de policiais e agentes do estado não são padronizados nacionalmente, fator que dificulta a construção de um panorama geral sobre este tipo de ocorrência no país. Entretanto, as pesquisas existentes indicam que a participação de policiais nestes crimes são frequentes no país.

Saiba mais

Anistia Internacional faz mobilização por investigação de caso de desaparecimento na Bahia

Assassinatos cometidos pela polícia no Brasil: ‘Eu paguei a bala que matou meu neto’

28 de abril de 2016 Segurança pública Violência policial

Mais Notícias

22 de maio de 2020 | Segurança pública Defensores de direitos humanos

NOTA: “Armas não salvam vidas e não são as respostas para necessidades urgentes neste momento de pandemia”, afirma Anistia Internacional

A Anistia Internacional repudia a ameaça de armar a população, proferida pelo Presidente da República Jair Bolsonaro durante reunião ministerial de 22 de abril de 2020.

19 de maio de 2020 | Segurança pública Violência policial

NOTA: Operações policiais durante pandemia da COVID-19

No meio de uma pandemia, quando os esforços deveriam estar voltados para garantir saúde e vida, o Estado do Rio se faz presente nas favelas levando violência e morte.

19 de maio de 2020 | Discriminação

Américas: direitos de profissionais de saúde na linha de frente da pandemia de COVID-19 ameaçados

O relatório instiga os países da região a priorizar e proteger os direitos dos profissionais de saúde durante e depois da pandemia.
Carregar mais notícias