Nota sobre declaração do presidente Jair Bolsonaro sobre desaparecido pelo Regime Militar

Imprimir
29 de julho de 2019 Memória, Verdade e Justiça
nota-publica-ai1

Sobre a declaração do presidente Jair Bolsonaro feita nesta segunda-feira, 29 de julho, sobre um dos desaparecidos políticos durante o período do Regime Militar, Fernando Augusto de Santa Cruz Oliveira, pai do presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Felipe Santa Cruz, a Diretora Executiva da Anistia Internacional, Jurema Werneck disse:

“É terrível que o filho de um desaparecido pelo Regime Militar tenha que ouvir do presidente do Brasil, que deveria ser o defensor máximo do respeito e da justiça no país, declarações tão duras. O Brasil deve assumir sua responsabilidade, e adotar todas as medidas necessárias para que casos como esses sejam levados à justiça. O direito à memória, justiça, verdade e reparação das vitimas, sobreviventes e suas famílias deve ser defendido e promovido pelo Estado Brasileiro e seus representantes”.

“Defendemos a revogação da Lei de Anistia de 1979, eliminando os dispositivos que impedem a investigação e a sanção de graves violações de direitos humanos, a investigação e responsabilização dos crimes contra a humanidade cometidos por agentes do Estado durante o regime militar”, conclui Jurema Werneck, Diretora Executiva da Anistia Internacional no Brasil.

29 de julho de 2019 Memória, Verdade e Justiça

Mais Notícias

23 de agosto de 2019 | Terra Indígenas e populações tradicionais

Falhas do governo estão alimentando queimadas na Amazônia, diz Anistia Internacional

Situação coloca em risco direitos das pessoas a ambiente saudável e à saúde, além de ameaçar os territórios de populações indígenas.

7 de agosto de 2019 | Defensores de direitos humanos Indígenas e populações tradicionais

Anistia Internacional lança site que alerta sobre focos de tensão na Amazônia

Conteúdo divulgado é fruto de pesquisa realizada em abril de 2019. Foram entrevistados 23 indígenas, além de 13 pessoas com conhecimento sobre invasões de terras

29 de julho de 2019 | Segurança pública Sistema prisional

Anistia Internacional: Massacre em presídio no Pará reflete sistema carcerário superlotado e modelo de segurança pública esgotado

57 pessoas morreram em situação de privação de liberdade, sob a jurisprudência do Estado Brasileiro que deveria reeducá-las e dar-lhes novas oportunidades na sociedade
Carregar mais notícias