Nota Pública: menção à Anistia Internacional na novela A regra do jogo

Imprimir
22 de setembro de 2015
Acao pela liberdade do blogueiro Raif Bdawi Oslo

A Anistia Internacional manifesta total repúdio ao uso do nome da organização de maneira indevida no capítulo da novela A regra do jogo exibido nesta segunda-feira (21). Ao entrar em um presídio de segurança máxima, o protagonista da novela, Romero Romulo, interpretado por Alexandre Nero, se apresenta como advogado de direitos humanos que estaria a serviço da Anistia Internacional. O uso indevido do nome da Anistia Internacional e a representação equivocada do trabalho de defensores de direitos humanos na novela tem sido explorado de forma irresponsável e contribuído para criminalizar o mesmo.

A Anistia Internacional é uma organização respeitada, com 54 anos de história, que conta com mais de 7 milhões de apoiadores que se mobilizam em defesa dos direitos humanos para todos e todas. Vencedora do Premio Nobel da Paz (1977) e presente em mais de 150 países, tem 95% dos seus custos financiados por doações individuais, o que permite total independencia de governos, partidos, interesses econômicos, políticos e religiosos.

No início de agosto desse ano, a Anistia Internacional publicou o relatório “’Você matou meu filho’: Homicídios cometidos pela Polícia Militar na cidade do Rio de Janeiro”, denunciando casos de execuções extrajudiciais na favela de Acari e outras comunidades fluminenses. Desde então, vem pressionando as autoridades estaduais a adotarem medidas urgentes para garantir investigação dos casos e justiça para as famílias das vítimas, além de medidas estruturais para adequar o uso de força letal pela polícia.

No Brasil, a atuação da organização tem sido pautada pelo debate amplo sobre os altos índices de homicídios entre os jovens negros moradores de periferia, que respondem por 77% dos cerca de 30 mil jovens assassinados todos os anos no país.

Embora se trate de uma obra de ficção, a novela Regras do Jogo, ao usar o nome da Anistia Internacional – uma organização referência e atuante no país, presta um desserviço à consolidação de uma cultura de direitos humanos na sociedade brasileira.

“Nos causou surpresa e indignação a maneira irresponsável que a TV Globo usou o nome da Anistia Internacional, organização presente em mais de 150 países e que há 54 anos luta pelos direitos humanos, para reforçar um estereótipo equivocado sobre o trabalho dos defensores de direitos humanos no Brasil. A Anistia Internacional representa mais de 7 milhões de apoiadores que se mobilizam por mudanças e combatem violações de direitos em todo o mundo. A ficção, quando se propõe a retratar a realidade, precisa ser mais cuidadosa e capaz de avaliar as consequências nesse momento do país de associar levianamente o tema dos direitos humanos a iniciativas criminosas”, disse Atila Roque, diretor executivo da Anistia Internacional Brasil.

22 de setembro de 2015
  • Flavio Lenz

    Compartilho e apoio totalmente a posição de Anistia Internacional, por todos os motivos já expostos na nota, que fazem parte do perfil de uma organização ousada e corajosa, que recentemente, mesmo diante de fortes pressões, adotou resolução que defende a total descriminalização da
    prostituição, como forma há muito evidenciada de proteger trabalhadorxs do sexo de violações de direitos.

    Flavio Lenz, secretário-executivo Davida – Prostituição, Direitos Civis, Saúde

  • Vinicius Follmann

    Parabéns pela nota, a emissora deveria ter um controle rigoroso quanto a isso.
    Isso cabe um processo judicial, embora não creio que seja esse o objetivo da Anistia ao emitir a nota, mas acho justo um retrato por parte da emissora.

  • Pingback: Abertura do Seminário A Prostituição: uma abordagem desde os Direitos Humanos – Perspectivas e Diálogos urgentes | Diálogos pela Liberdade

Mais Notícias

20 de agosto de 2018 | Segurança pública

Padrão de atuação das forças de segurança no estado do Rio de Janeiro deve ser repensado com urgência

Nota da Anistia Internacional sobre as operações policiais que ocorreram no Rio de Janeiro

17 de agosto de 2018 | Política internacional Defensores de direitos humanos

Presidente do Conselho da Anistia Internacional na Turquia é libertado e espera que a justiça prevaleça para todas as vítimas de processos políticos

Espero que minha prisão não tenha sido em vão e que a conscientização gerada em todo o mundo ajude outras pessoas a enfrentar julgamentos justos na Turquia.

16 de agosto de 2018 | ___

Maior, mais ousado e inclusivo: a visão de Kumi Naidoo sobre direitos humanos

Primeiro secretário-geral sul-africano da Anistia Internacional expõe visão sobre os rumos do movimento direto de Joanesburgo.
Carregar mais notícias