Nota Pública: menção à Anistia Internacional na novela A regra do jogo

Imprimir
22 de setembro de 2015
Acao pela liberdade do blogueiro Raif Bdawi Oslo

A Anistia Internacional manifesta total repúdio ao uso do nome da organização de maneira indevida no capítulo da novela A regra do jogo exibido nesta segunda-feira (21). Ao entrar em um presídio de segurança máxima, o protagonista da novela, Romero Romulo, interpretado por Alexandre Nero, se apresenta como advogado de direitos humanos que estaria a serviço da Anistia Internacional. O uso indevido do nome da Anistia Internacional e a representação equivocada do trabalho de defensores de direitos humanos na novela tem sido explorado de forma irresponsável e contribuído para criminalizar o mesmo.

A Anistia Internacional é uma organização respeitada, com 54 anos de história, que conta com mais de 7 milhões de apoiadores que se mobilizam em defesa dos direitos humanos para todos e todas. Vencedora do Premio Nobel da Paz (1977) e presente em mais de 150 países, tem 95% dos seus custos financiados por doações individuais, o que permite total independencia de governos, partidos, interesses econômicos, políticos e religiosos.

No início de agosto desse ano, a Anistia Internacional publicou o relatório “’Você matou meu filho’: Homicídios cometidos pela Polícia Militar na cidade do Rio de Janeiro”, denunciando casos de execuções extrajudiciais na favela de Acari e outras comunidades fluminenses. Desde então, vem pressionando as autoridades estaduais a adotarem medidas urgentes para garantir investigação dos casos e justiça para as famílias das vítimas, além de medidas estruturais para adequar o uso de força letal pela polícia.

No Brasil, a atuação da organização tem sido pautada pelo debate amplo sobre os altos índices de homicídios entre os jovens negros moradores de periferia, que respondem por 77% dos cerca de 30 mil jovens assassinados todos os anos no país.

Embora se trate de uma obra de ficção, a novela Regras do Jogo, ao usar o nome da Anistia Internacional – uma organização referência e atuante no país, presta um desserviço à consolidação de uma cultura de direitos humanos na sociedade brasileira.

“Nos causou surpresa e indignação a maneira irresponsável que a TV Globo usou o nome da Anistia Internacional, organização presente em mais de 150 países e que há 54 anos luta pelos direitos humanos, para reforçar um estereótipo equivocado sobre o trabalho dos defensores de direitos humanos no Brasil. A Anistia Internacional representa mais de 7 milhões de apoiadores que se mobilizam por mudanças e combatem violações de direitos em todo o mundo. A ficção, quando se propõe a retratar a realidade, precisa ser mais cuidadosa e capaz de avaliar as consequências nesse momento do país de associar levianamente o tema dos direitos humanos a iniciativas criminosas”, disse Atila Roque, diretor executivo da Anistia Internacional Brasil.

22 de setembro de 2015
  • Flavio Lenz

    Compartilho e apoio totalmente a posição de Anistia Internacional, por todos os motivos já expostos na nota, que fazem parte do perfil de uma organização ousada e corajosa, que recentemente, mesmo diante de fortes pressões, adotou resolução que defende a total descriminalização da
    prostituição, como forma há muito evidenciada de proteger trabalhadorxs do sexo de violações de direitos.

    Flavio Lenz, secretário-executivo Davida – Prostituição, Direitos Civis, Saúde

  • Vinicius Follmann

    Parabéns pela nota, a emissora deveria ter um controle rigoroso quanto a isso.
    Isso cabe um processo judicial, embora não creio que seja esse o objetivo da Anistia ao emitir a nota, mas acho justo um retrato por parte da emissora.

  • Pingback: Abertura do Seminário A Prostituição: uma abordagem desde os Direitos Humanos – Perspectivas e Diálogos urgentes | Diálogos pela Liberdade

Mais Notícias

17 de abril de 2018 | Desenvolvimento Política internacional

Cuba: Mudança de liderança deve anunciar uma nova era para os direitos humanos

A agenda de direitos humanos da Anistia Internacional para Cuba destaca os desafios urgentes e antigos de direitos humanos que o novo governo deve priorizar.

16 de abril de 2018 | Política internacional Migrantes

Síria: Bloqueio da investigação de ataque químico em Douma deve acabar imediatamente

Atacar deliberadamente civis com essa arma ilegal é um crime de guerra.

16 de abril de 2018

Chacina do Borel: 15 anos depois, ninguém foi responsabilizado

Em 16 de abril de 2003, quatro jovens foram executados à queima roupa por policiais do 6º Batalhão da Polícia Militar na favela do Borel, zona norte do Rio de Janeiro....
Carregar mais notícias