Nota Pública: Decreto sobre Mecanismo Nacional de Prevenção e Combate à Tortura amplia riscos de institucionalização da tortura no país, afirma Anistia Internacional

Imprimir
13 de junho de 2019 Tortura
nota-publica-ai1

Diante do Decreto 9.831, editado na última terça-feira, 11 de junho, pelo presidente Jair Bolsonaro, que exonerou os 11 membros do Mecanismo Nacional de Prevenção e Combate à Tortura (MNPCT), dedicado ao monitoramento da situação nos presídios e sistema socioeducativo, extinguiu a remuneração para estes cargos, revogou o artigo que garantia o perfil diversificado em relação a gênero, etnia e religião dos membros do MNPCT e condicionou a nomeação à autorização direta da Presidência, a Anistia Internacional afirma:

>> Apoie a Anistia Internacional, seja um Defensor da Liberdade

“Acompanhamos as condições cruéis e desumanas em que se encontra o sistema carcerário brasileiro. Temos a terceira maior população carcerária do mundo, com mais de 790 mil presos, sendo que cerca de um terço são presos provisórios. Todos os anos, acompanhamos denúncias de torturas e outras violações dos direitos básicos da população que está sob proteção do Estado. Sem a atuação do MNPCT, estes abusos e violações estariam longe do conhecimento da sociedade e de organismos internacionais”.

“Este decreto representa um duro ataque à proteção dos direitos humanos de brasileiros e brasileiras que estão em privação de liberdade e enfrentam péssimas condições de saúde e higiene, torturas, falta de acesso ao direito à ampla defesa; além dos casos de massacres em presídios em todo o país, que acompanhamos e lamentamos ano após ano. Ao olharmos os números da população carcerária no Brasil, vemos que a maioria dos presos no país é de jovens negros e pobres”.

“Para a Anistia Internacional esta é mais uma medida em que o Governo Federal quer transformar sua retórica anti-direitos humanos em políticas públicas, com desdobramentos concretos que violam os direitos de pessoas que já se encontram em situação de vulnerabilidade. O fim da obrigatoriedade da diversidade dos seus membros e a perda de autonomia do MNPCT, ao estabelecer o trabalho voluntário dos peritos, representam uma mudança de direção do Estado brasileiro que, nos últimos anos, demonstrou sua preocupação em impedir e prevenir a tortura em inúmeros atos no âmbito do direito internacional dos direitos humanos. A Anistia Internacional recomenda a edição de novo Decreto que dê todas as condições para a continuidade e a ampliação dos esforços de combate e prevenção à tortura no país”.

Saiba mais

Oito temas de direitos humanos para ficar de olho em 2019

Discurso da administração de Bolsonaro contra direitos humanos começa a se concretizar em medidas nos primeiros meses de governo

Veja o vídeo Brasil para todo mundo

13 de junho de 2019 Tortura

Mais Notícias

5 de julho de 2019

Vaga: Assistente de banco de dados

Anistia Internacional contrata assistente de banco de dados para integrar a equipe de Operações

3 de julho de 2019 | Defensores de direitos humanos Mulheres

‘Aruanas’: série apresenta trabalho de defensoras dos direitos humanos

Anistia Internacional é parceira da iniciativa. Para Jurema Werneck, diretora executiva da organização, produção contribui para desmistificar as pessoas que se dedicam a atuar pelo bem comum

26 de junho de 2019 | Segurança pública Indígenas e populações tradicionais Violência policial

Anistia Internacional alerta para riscos de ampliação do acesso a armas no país

Colocar mais armas em circulação é uma política ineficiente para a garantia da vida de todas pessoas que vivem no Brasil, como diversos estudos já apontaram e destacamos na ação Brasil Para Todo Mundo
Carregar mais notícias