Nota pública: Anistia Internacional lamenta aprovação de projeto de lei 2016/15 que tipifica crime de terrorismo no Brasil

Imprimir
25 de fevereiro de 2016
"Ativistas também foram alvos de grupos armados não-estatais." | © i-stock

A Anistia Internacional lamenta profundamente a aprovação no dia do ontem (24/02) do projeto de lei 2016/15 que tipifica o crime de terrorismo e vê com preocupação as consequências da aprovação desta lei para a garantia do direito à manifestação e as ações dos movimentos sociais em geral.

O projeto de lei aprovado é demasiadamente amplo, vago e não cumpre o requisito básico de qualquer lei penal de ser específica em sua tipificação, estando sujeito a uma interpretação subjetiva por parte do sistema de justiça. O PL também aborda crimes que já são tipificados pela lei penal brasileira, o que indica que não haveria necessidade de um novo projeto de lei. O mais grave é que dá margem para uma maior criminalização de manifestantes e movimentos sociais.

A ressalva que visa proteger movimentos sociais, sindicatos e manifestações não é garantia de que a lei antiterrorismo não será usada contra esses grupos. “Na atual conjuntura brasileira em que leis totalmente inadequadas ao contexto de protestos (como a Lei de Segurança Nacional e a Lei 12.850/2013 sobre organizações criminosas) foram usadas na tentativa de criminalizar manifestantes em protestos desde 2013, é muito grave a aprovação de um projeto de lei “antiterror” que poderá aprofundar ainda mais o contexto de criminalização do protesto em geral”, explica Atila Roque, Diretor Executivo da Anistia Internacional.

A organização documentou alguns desses casos nos documentos Eles usam uma estratégia de medo e Balanço geral dos protestos na Copa 2014. A Anistia Internacional destaca ainda que a aprovação do PL 2016/15 transforma o que foi apontado como risco de grave retrocesso no relatório global O Estado dos Direitos Humanos no Mundo 2015/16, lançado em 23/02, em uma triste realidade. O projeto de lei aprovado e que segue agora para sanção presidencial deveria ser integralmente rejeitado pela Presidência.

25 de fevereiro de 2016

Mais Notícias

26 de novembro de 2019 | Segurança pública Defensores de direitos humanos Indivíduos em risco

Anistia Interacional recebe com preocupação notícia de prisão de brigadistas em Alter do Chão (PA)

Prisões acontecem no mesmo dia em que organização lança relatório que mostra a relação entre as queimadas na floresta e a pecuária

26 de novembro de 2019 | Defensores de direitos humanos Conflitos Terra Indígenas e populações tradicionais

Bolsonaro se nega a receber a Anistia Internacional e lideranças indígenas que exigem a proteção da Amazônia e dos povos tradicionais

Ato em protesto foi realizado na frente do Palácio do Planalto e contou com o lançamento de um relatório inédito sobre desmatamento da Amazônia e pecuária ilegal

14 de novembro de 2019

Vaga: Coordenador(a) de Recursos Humanos e Administração

A Anistia Internacional está buscando uma nova pessoa para integrar a equipe de operações como Coordenador(a) de Recursos Humanos e Administração.
Carregar mais notícias