Nicarágua: ataque ao CENIDH é um golpe aos direitos humanos

Imprimir
13 de dezembro de 2018 Política internacional Liberdade de expressão
Vilma Núñez, presidenta do Cenidh. Foto: Anistia Internacional Espanha

Em resposta ao decreto da Assembleia Nacional da Nicarágua, que cancelou hoje o registro legal do Centro Nicaraguense de Direitos Humanos (CENIDH), Erika Guevara Rosas, diretora regional da Anistia Internacional para as Américas, declarou:

.

“Atacar o Centro Nicaraguense de Direitos Humanos (CENIDH) e cancelar seu registro legal é mais uma manobra repressiva do presidente Daniel Ortega para tentar encobrir as graves violações de direitos humanos que seu governo cometeu. Aqueles que denunciam as atrocidades cometidas por seu governo estão sendo punidos na Nicarágua. O presidente Ortega está errado se acredita que será capaz de evitar a justiça tentando silenciar o CENIDH. ”

“É extremamente alarmante que organizações com a trajetória e legitimidade do CENIDH estejam sendo perseguidas. Ao cancelar seu registro, o governo deixa o povo da Nicarágua indefeso, impedindo que as organizações representem vítimas ou que lutem por suas demandas por justiça e prestação de contas. Hoje é um dia muito triste para a defesa dos direitos humanos na região”, concluiu.

.

Saiba mais 

Nicarágua: autoridades intensificam estratégia de repressão

AÇÃO URGENTE: Onda de detenções de estudantes e ativistas na Nicarágua

Nicarágua: é urgente que o Governo acabe com repressão

 

13 de dezembro de 2018 Política internacional Liberdade de expressão

Mais Notícias

16 de janeiro de 2019 | Direitos sexuais e reprodutivos Política internacional LGBTI

Rússia: Autoridades da Chechênia retomam repressão homofóbica

A Rede LGBT da Rússia recebeu relatos sobre novos sequestros de pessoas gays e lésbicas na Chechênia

15 de janeiro de 2019 | ___

Vaga: Coordenação de Campanhas e Comunicação na Anistia Internacional

A Anistia Internacional está procurando uma pessoa para se juntar a nossa equipe de Campanhas e Comunicação

14 de janeiro de 2019 | Defensores de direitos humanos

Autoridades estaduais recém empossadas no Rio de Janeiro devem assumir publicamente compromisso com caso Marielle Franco

O ano de 2018 terminou sem que o estado do Rio de Janeiro, sob intervenção federal na área de segurança pública, tenha conseguido solucionar o caso de Marielle Franco.
Carregar mais notícias