Moçambique: Vídeo mostra assassinato de mulher nua e prova mais uma vez violações de direitos humanos pelas forças armadas estatais

Imprimir
17 de setembro de 2020 Segurança pública Mulheres Conflitos

A Anistia Internacional exige que as autoridades em Moçambique devem de imediato abrir uma investigação independente e imparcial à execução extrajudicial de uma mulher nua e indefesa em Mocímboa da Praia, na província de Cabo Delgado, em Moçambique, após o movimento verificar a autenticidade de uma gravação em vídeo do ataque, compartilhado nas redes sociais.

“Este vídeo macabro é outro exemplo repugnante das graves violações de direitos humanos e assassinatos bárbaros que estão ocorrendo em Cabo Delgado pelas mãos das forças de defesa e segurança moçambicanas,” comentou Deprose Muchena, Diretor Regional da Anistia Internacional para a África Oriental e Austral.

“Este incidente reflete as nossas recentes constatações de crimes bárbaros e violações de direitos humanos, à luz do direito internacional. E demonstra um padrão repetido e impiedoso de crimes cometidos pelas forças armadas de Moçambique.

“As forças armadas não têm a liberdade, nem o direito de cometer crimes e violações de direitos humanos, que vão contra o direito internacional, como o assassinato de civis, com a justificação de que estão combatendo grupos armados. As autoridades moçambicanas devem investigar estes crimes recentes e chocantes e assegurar que todos os suspeitos de responsabilidade criminal prestem contas em tribunais civis por meio de julgamentos justos.”

Mulher espancada e baleada 36 vezes

 Segundo análise do Crisis Evidence Lab (grupo de análise urgente de provas) da Anistia Internacional, uma mulher não identificada foi morta num local com as coordenadas exatas ou aproximadas de -11.518419, 40.021284, no meio da estrada R698, no exterior da subestação elétrica no lado oeste da cidade de Awasse, em Cabo Delgado.

A mulher tentava fugir para o norte, ao longo da estrada, quando foi interceptada por homens, aparentemente pertencentes às Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM), que a seguiam. Depois de espancarem ela com um pau, mataram-na com tiros e abandonaram o seu corpo nu em plena estrada. Quatro diferentes homens que estavam armados, dispararam contra ela no total 36 vezes com diversas espingardas Kalashnikov e uma metralhadora do tipo PKM.

Os soldados usavam a farda das FADM. Um soldado exibia o distintivo amarelo e preto no ombro esquerdo, tal como se pode ver na imagem anexa. A maior parte dos soldados usavam a farda completa, mas o homem com a metralhadora PKM usava uma camisa vermelha em vez da camisa de camuflado normal

Todos os soldados falam português no vídeo e referem-se a mulher como “Al-Shabaab”, um grupo armado local acusado de causar instabilidade na região, desde outubro de 2017. No início do vídeo, ouvem-se os militares a gritarem “Este é o Al-Shabaab” e no final concluem “Acabamos de matar o Al-Shabaab”. Uma fonte militar local, que falou com os investigadores da Anistia Internacional, apresentou uma justificativa bizarra para o assassinato: alegou que a mulher tinha enfeitiçado o exército moçambicano e que tinha se recusado a mostrar-lhes o esconderijo dos insurgentes.

O vídeo foi divulgado pela primeira vez nas redes sociais no dia 14 de setembro, mas foi compartilhado em celulares privados em 7 de setembro, dia em que foi provavelmente filmado, segundo as fontes da Anistia Internacional. Isto coincide com a “megaoperação” do governo para remover insurgentes de Awasse e Diaca, corroborando a presença de combatentes das FADM nestas cidades.

 

 

17 de setembro de 2020 Segurança pública Mulheres Conflitos

Mais Notícias

24 de outubro de 2020 | Memória, Verdade e Justiça Segurança pública

Seis anos depois, Caso Davi Fiuza segue sem respostas  

A Anistia Internacional acompanha o caso de Davi Fiuza, desde 2014. O jovem foi abordado por policiais à paisana, junto com policiais fardados, em Salvador e sua mãe nunca mais teve notícias suas.

23 de outubro de 2020 | Segurança pública Política internacional Conflitos Indivíduos em risco Violência policial

EUA: com eleições tensas se aproximando, polícia americana não tem protegido manifestantes contra violência.

Departamentos policiais de várias partes dos EUA não têm preservado o direito fundamental da população à liberdade de reunião pacífica.

21 de outubro de 2020 | Política internacional Defensores de direitos humanos Liberdade de expressão Mulheres Discriminação Indivíduos em risco Sistema prisional

Carta Aberta às participantes brasileiras do W20: Exijam a Libertação das Ativistas Sauditas encarceradas 

Conheça a Carta Aberta, assinada pela Anistia Internacional para levantar as sérias preocupações em relação à detenção em curso de mulheres ativistas defensoras dos direitos humanos na Arábia Saudita.
Carregar mais notícias