Mais de 150 defensoras e defensores de direitos humanos se reúnem para liderar a mudança e combater a repressão, o racismo e a discriminação

Imprimir
30 de outubro de 2018 Política internacional Defensores de direitos humanos Liberdade de expressão
Anielle Franco participa da Cúpula Mundial de Defensores de Direitos Humanos em Paris

Marcando o 20º aniversário da Declaração da ONU sobre Defensores de Direitos Humanos e o 70º aniversário da Declaração Universal de Direitos Humanos, mais de 150 defensores de direitos humanos de todo o mundo estão se reunindo em Paris para planejar os próximos 20 anos de promoção dos direitos humanos. e a luta pela mudança contra a repressão, o racismo e a discriminação.

.

A Cúpula Mundial de Defensores de Direitos Humanos 2018 ocorre em uma época em que, diariamente, um defensor de direitos humanos é morto, quando a criminalização e a difamação se tornaram riscos-padrão e quando os governos continuam a não cumprir seus compromissos assumidos em 1998 para respeitar e proteger os DDHs.

.

Em todo o mundo, pessoas comuns estão falando com paixão por justiça e igualdade em suas vidas cotidianas. Essas defensoras e defensores de direitos humanos são professores, operários, jornalistas ou advogados; são mães e pais, irmãs e irmãos. São pessoas movidas por sua crença profunda de que as pessoas em todos os lugares devem poder desfrutar e exercer seus direitos e representam um desafio para os autoritários, funcionários corruptos e aqueles que tiram vantagem da proteção dos recursos naturais e dos direitos comunitários à terra.

.

“Governos, empresas e outras figuras poderosas estão assediando, espionando, prendendo, torturando e até mesmo matando defensores de direitos humanos – apenas por defender os direitos fundamentais de suas comunidades”, disse Andrew Anderson, diretor executivo da Front Line Defenders, em nome da organização durante a convenção dos organizadores Cúpula Mundial dos Defensores dos Direitos Humanos.

“A segurança dos defensores que são afetados pela desigualdade, exclusão e formas cruzadas de discriminação é ainda mais prejudicada todos os dias por causa do trabalho que fazem”, disse Cindy Clark, ativista feminista e co-diretora da AWID, também em nome da organização. grupo convocador.

.

A Cúpula Mundial de Defensores dos Direitos Humanos 2018 (29-31 de Outubro) reunirá um grupo diversificado de mais de 150 defensores dos direitos humanos que estão na linha da frente da luta pela justiça, liberdade e igualdade. Os defensores de direitos humanos na cúpula desenvolverão estratégias para os obstáculos e desafios que enfrentam em sua luta diária contra a repressão, o racismo, a discriminação, os assassinatos e os desaparecimentos forçados. Eles trabalharão para apresentar um Plano de Ação para as principais partes interessadas – incluindo governos, corporações, instituições financeiras internacionais, doadores e outros – para garantir o respeito e a segurança dos defensores de direitos humanos.

.

Entre eles está o jornalista Matthew Caruana Galizia, ganhador do Prêmio Pulitzer, que pede justiça depois que sua mãe, Daphne Caruana Galizia, foi assassinada há um ano em Malta; Anielle Franco, que está corajosamente fazendo campanha em nome de sua irmã, Marielle Franco, uma ativista brasileira e vereadora eleita que foi morta a tiros em seu carro há sete meses; e Hina Jilani, advogada de direitos humanos e fundadora da Comissão de Direitos Humanos do Paquistão, que está trabalhando para garantir um sistema legal livre de corrupção no Paquistão.

.

Vinte anos atrás, a primeira Cúpula de Defensores de Direitos Humanos foi realizada no Palais de Chaillot, em Paris. Naquele ano, os governos adotaram o que ficou conhecido como a Declaração sobre Defensores de Direitos Humanos para reconhecer o papel fundamental de defensoras e defensores de direitos humanos. Estados comprometidos em reconhecer e proteger todos aqueles que defendem os direitos humanos – sejam eles quem forem e onde quer que estejam. No entanto, 20 anos depois, apesar do progresso em algumas áreas, muitos governos continuam aquém de seus compromissos. Em 2017, pelo menos 312 defensores de direitos humanos foram assassinados, o dobro do que em 2015, quase todos com impunidade para os perpetradores.

.

Michel Forst, Relator Especial da ONU sobre a situação dos defensores dos direitos humanos, observou: “A Cúpula é uma oportunidade chave para os defensores de direitos humanos em todo o mundo, enfrentando o aumento de ataques, para se reunirem e discutirem os próximos passos em seus próprios termos.”.

.

A Cúpula será transmitida ao vivo e os jornalistas poderão ser credenciados para participar e entrevistar os defensores e as defensoras de direitos humanos.

Saiba mais

Acompanhe ao vivo 

O que são Direitos Humanos

30 de outubro de 2018 Política internacional Defensores de direitos humanos Liberdade de expressão

Mais Notícias

13 de fevereiro de 2019 | Segurança pública Defensores de direitos humanos Mulheres LGBTI

Onze meses após assassinato de Marielle Franco, há mais dúvidas que certezas e muitas perguntas ainda sem resposta

Anistia Internacional afirma que as investigações devem chegar à verdade e identificar corretamente todos os envolvidos no assassinato de Marielle Franco

6 de fevereiro de 2019 | Política internacional Conflitos

Iêmen: Emirados Árabes munem milícias com armas ocidentais

A Anistia Internacional apela a todos os Estados para que deixem de fornecer armas a todas as partes no conflito no Iêmen

5 de fevereiro de 2019 | Desenvolvimento Política internacional Legislação

Catar: Autoridades devem intensificar esforços para honrar promessas de direitos trabalhistas antes da Copa do Mundo de 2022

Faltando menos de quatro anos para a Copa do Mundo de 2022, autoridades do Catar correm o risco de não cumprir a promessa de combater a exploração de milhares de trabalhadores migrantes
Carregar mais notícias