Kumi Naidoo comenta discurso de Bolsonaro em Davos: “a comunidade internacional deve estar atenta”

Imprimir
22 de janeiro de 2019 Política internacional

Declaração de Kumi Naidoo, Secretário Geral da Anistia Internacional, em reação ao discurso do presidente Jair Bolsonaro em Davos, na terça-feira 22 de janeiro de 2019:

.

Como afirmou hoje em Davos o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, de fato precisamos uns dos outros e o Brasil certamente precisa do apoio do mundo neste momento. Isso porque o povo brasileiro provavelmente enfrentará um futuro com mais repressão e menos direitos caso o presidente Bolsonaro consiga implementar a sua agenda anti-direitos humanos sem ser desafiado.

A comunidade internacional deve estar atenta a como o governo do presidente Bolsonaro trata as pessoas mais marginalizados e vulneráveis no Brasil para saber se é verdade o que ele diz sobre entregar paz e prosperidade para a nação.

Como já vimos, o compromisso proferido pelo presidente com o multilateralismo é contraditório com a sua determinação para a retirada do Brasil do Pacto Global para Migração da ONU e a ameaça de retirar o país do Acordo de Paris.

A promessa do presidente Bolsonaro às elites globais de priorizar garantir sua segurança ao visitar o país é especialmente irônica: um dos primeiros passos que ele deu foi afrouxar o controle de armas, embora o Brasil tenha uma das taxas mais altas de violência armada do mundo.

Se Bolsonaro quer que o mundo acredite em seu compromisso em tornar o Brasil um lugar seguro e acolhedor, ele pode começar garantindo que os assassinos de Marielle Franco sejam levados à justiça.

.

Saiba mais

Kumi Naidoo: Se não lutarmos por tudo, não teremos nada

Brasil: discurso anti-direitos não pode se tornar política governamental

22 de janeiro de 2019 Política internacional

Mais Notícias

30 de julho de 2020 | Defensores de direitos humanos Pena de morte

Magai Matiop Ngong deixa corredor da morte

O Supremo Tribunal do Sudão do Sul retirou na quarta-feira, 29 de julho, Magai Matiop Ngong do corredor da morte, depois de ter sua pena de morte anulada no dia 14 de julho.

27 de julho de 2020 | Memória, Verdade e Justiça Tortura

Anistia Internacional exige o fim de investigações sigilosas contra críticos do governo federal

Exigimos o fim de toda e qualquer investigação secreta e ilegal contra opositores do governo federal, como a que foi noticiada recentemente.

25 de julho de 2020 | Terra Indígenas e populações tradicionais

Empresa critica uso de suas auditorias pela JBS na Amazônia

Empresa contratada pela JBS para auditar sua cadeia de fornecimento entre 2017 e 2019, criticou a empresa por ter declarado falsamente que operações na amazônia não causam desmatamento .
Carregar mais notícias