Honduras: falta de justiça no caso de Berta Cáceres envia alerta a ativistas

Imprimir
3 de março de 2017 Defensores de direitos humanos Indivíduos em risco
Berta Cáceres

A falta de uma investigação eficaz para encontrar os responsáveis por ordenar o brutal assassinato da ativista ambiental hondurenha Berta Cáceres envia uma mensagem aterrorizante às centenas de pessoas que se atrevem a falar contra os poderosos, disse a Anistia Internacional, no primeiro aniversário de morte da ativista (02/03).

O trágico assassinato de Berta ilustra o trágico estado dos direitos humanos em Honduras. A mensagem é clara: se o seu trabalho de direitos humanos perturba os que têm poder, você será morto“, afirmou Erika Guevara-Rosas, diretora de Américas da Anistia Internacional.

Berta Cáceres, líder e co-fundadora do Conselho de Organizações Populares e Indígenas de Honduras (COPINH), foi morta a tiros em 2 de março de 2016 em sua casa na cidade de La Esperanza, na província de Intibucá, oeste de Honduras. Durante anos, ela fez campanha contra a construção da barragem de Água Zarca por causa da ameaça que representava para o povo indígena Lenca.

A investigação pífia sobre o assassinato de Berta, que até agora não identificou os mandantes de seu assassinato, e a falta de um mecanismo eficaz para proteger as testemunhas e outros defensores de direitos humanos mostram o desinteresse das autoridades hondurenhas em garantir a justiça”, defendeu Erika.

Desde seu brutal assassinato, vários ativistas ambientais e de direitos humanos hondurenhos, incluindo outros da COPINH, foram assediados e ameaçados.

“Cada dia que passa sem justiça coloca os ativistas ambientalistas hondurenhos um passo mais perto de um fim trágico. Falhar em protegê-los é não proteger os recursos naturais de que todos dependem para sobreviver “, destacou a diretora.

Uma delegação da Anistia Internacional viajou a Honduras antes do primeiro aniversário do assassinato de Berta Cáceres para entregar mais de 80 mil ações tomadas por pessoas de todo o mundo.

Leia mais:
Única testemunha do assassinato de Berta Cáceres: “Era claro que ia morrer
Seis meses após o assassinato de Berta Cáceres, Honduras ainda é uma armadilha mortal para ativistas ambientais

3 de março de 2017 Defensores de direitos humanos Indivíduos em risco

Mais Notícias

15 de fevereiro de 2018 | Direitos sexuais e reprodutivos Mulheres

El Salvador: Teodora Vásquez, que deu à luz um bebê sem vida e passou 10 anos presa, é colocada em liberdade

Libertação de Teodora Vásquez deve abrir caminho para descriminalização do aborto no país.

9 de fevereiro de 2018 | Terra Indígenas e populações tradicionais

Decisão do STF sobre terras quilombolas é uma vitória histórica e deve ser comemorada, diz Anistia Internacional

Supremo Tribunal Federal considerou constitucional o decreto 4887/2003, que regulamenta reconhecimento, demarcação e titulação de terras quilombolas, e recusou tese do Marco Temporal.

8 de fevereiro de 2018 | Política internacional

Filipinas: investigação do TPI sobre assassinatos de pessoas suspeitas de envolvimento com drogas é um momento crucial para a justiça

Tribunal Penal Internacional vai investigar os assassinatos de pessoas suspeitas de envolvimento com drogas nas Filipinas.
Carregar mais notícias
Junte-se à Anistia

Faça parte desse movimento global.

Faça parte