Filipinas: investigação do TPI sobre assassinatos de pessoas suspeitas de envolvimento com drogas é um momento crucial para a justiça

Imprimir
8 de fevereiro de 2018 Política internacional
© AFP/Getty Images

Respondendo às notícias de hoje de que o promotor do Tribunal Penal Internacional (TPI) abrirá um exame preliminar sobre a “guerra às drogas” nas Filipinas, James Gomez, diretor da Anistia Internacional na região do Sudeste Asiático e do Pacífico disse:

.

“O anúncio de hoje marca um momento crucial para a justiça nas Filipinas e oferece esperança às vítimas das atrocidades cometidas na chamada “guerra às drogas” do governo.

 .

“Os crimes cometidos desde que o presidente Duterte assumiu o cargo atingem o limite de crimes contra a humanidade. Infelizmente, as autoridades filipinas mostraram-se relutantes e incapazes de levar os autores dos crimes à justiça e a verdadeira esperança para as vítimas agora está com o Tribunal Penal Internacional.

.

“Este anúncio é um aviso aos líderes de todo o mundo de que aqueles que ordenam ou incitam crimes contra a humanidade, incluindo assassinato, não poderão sair impunes e serão objeto de investigação sob o direito internacional”.

 .

Contexto

No dia 8 de fevereiro de 2018, Fatou Bensouda, procurador do Tribunal Penal Internacional, anunciou que o TPI está iniciando uma investigação preliminar sobre a situação nas Filipinas.

.

Em janeiro de 2017, e novamente em dezembro de 2017, a Anistia Internacional recomendou que, a menos que as autoridades das Filipinas tomassem as medidas essenciais para acabar com os assassinatos relacionados a “guerra às drogas”, o Tribunal Penal Internacional deveria abrir um exame preliminar sobre os crimes.

.

A organização pediu o fim imediato das execuções extrajudiciais e o fim da incitação e do encorajamento de tais assassinatos por altos funcionários, inclusive pelo próprio presidente. A Anistia Internacional também aconselhou as autoridades a lançar uma investigação imparcial e eficiente sobre todos os suspeitos de assassinatos ilegais. No entanto, as autoridades filipinas até o momento pouco atenderam a essas recomendações.

.

Saiba mais

Filipinas: o ano sangrento e sem lei de Duterte no poder

Relatório Filipinas: A guerra assassina da Polícia contra os pobres

8 de fevereiro de 2018 Política internacional

Mais Notícias

20 de agosto de 2018 | Segurança pública

Padrão de atuação das forças de segurança no estado do Rio de Janeiro deve ser repensado com urgência

Nota da Anistia Internacional sobre as operações policiais que ocorreram no Rio de Janeiro

17 de agosto de 2018 | Política internacional Defensores de direitos humanos

Presidente do Conselho da Anistia Internacional na Turquia é libertado e espera que a justiça prevaleça para todas as vítimas de processos políticos

Espero que minha prisão não tenha sido em vão e que a conscientização gerada em todo o mundo ajude outras pessoas a enfrentar julgamentos justos na Turquia.

16 de agosto de 2018 | ___

Maior, mais ousado e inclusivo: a visão de Kumi Naidoo sobre direitos humanos

Primeiro secretário-geral sul-africano da Anistia Internacional expõe visão sobre os rumos do movimento direto de Joanesburgo.
Carregar mais notícias