Filipinas: investigação do TPI sobre assassinatos de pessoas suspeitas de envolvimento com drogas é um momento crucial para a justiça

Imprimir
8 de fevereiro de 2018 Política internacional
© AFP/Getty Images

Respondendo às notícias de hoje de que o promotor do Tribunal Penal Internacional (TPI) abrirá um exame preliminar sobre a “guerra às drogas” nas Filipinas, James Gomez, diretor da Anistia Internacional na região do Sudeste Asiático e do Pacífico disse:

.

“O anúncio de hoje marca um momento crucial para a justiça nas Filipinas e oferece esperança às vítimas das atrocidades cometidas na chamada “guerra às drogas” do governo.

 .

“Os crimes cometidos desde que o presidente Duterte assumiu o cargo atingem o limite de crimes contra a humanidade. Infelizmente, as autoridades filipinas mostraram-se relutantes e incapazes de levar os autores dos crimes à justiça e a verdadeira esperança para as vítimas agora está com o Tribunal Penal Internacional.

.

“Este anúncio é um aviso aos líderes de todo o mundo de que aqueles que ordenam ou incitam crimes contra a humanidade, incluindo assassinato, não poderão sair impunes e serão objeto de investigação sob o direito internacional”.

 .

Contexto

No dia 8 de fevereiro de 2018, Fatou Bensouda, procurador do Tribunal Penal Internacional, anunciou que o TPI está iniciando uma investigação preliminar sobre a situação nas Filipinas.

.

Em janeiro de 2017, e novamente em dezembro de 2017, a Anistia Internacional recomendou que, a menos que as autoridades das Filipinas tomassem as medidas essenciais para acabar com os assassinatos relacionados a “guerra às drogas”, o Tribunal Penal Internacional deveria abrir um exame preliminar sobre os crimes.

.

A organização pediu o fim imediato das execuções extrajudiciais e o fim da incitação e do encorajamento de tais assassinatos por altos funcionários, inclusive pelo próprio presidente. A Anistia Internacional também aconselhou as autoridades a lançar uma investigação imparcial e eficiente sobre todos os suspeitos de assassinatos ilegais. No entanto, as autoridades filipinas até o momento pouco atenderam a essas recomendações.

.

Saiba mais

Filipinas: o ano sangrento e sem lei de Duterte no poder

Relatório Filipinas: A guerra assassina da Polícia contra os pobres

8 de fevereiro de 2018 Política internacional

Mais Notícias

14 de novembro de 2018 | Defensores de direitos humanos

Após oito meses, investigação sobre o assassinato de Marielle Franco parece um labirinto de caminhos inexplorados

Organização denuncia a falta de respostas razoáveis por parte das autoridades públicas frente à gravidade do caso e das informações já divulgadas relacionadas ao assassinato

13 de novembro de 2018 | Política internacional Defensores de direitos humanos

Aung San Suu Kyi perde a mais alta premiação da Anistia Internacional

Aung San Suu Kyi foi nomeada Embaixadora de Consciência da Anistia Internacional em 2009, em reconhecimento à sua luta pacífica e não violenta pela democracia e pelos direitos humanos.

12 de novembro de 2018 | Defensores de direitos humanos Mulheres

Teodora Vásquez, de El Salvador, ganha prêmio internacional em direitos humanos

"O que me motiva é libertar outras mulheres presas. O Per Anger Prize é um símbolo da luta pelos direitos das mulheres", disse Teodora
Carregar mais notícias