Verdade ou ficção: o que você precisa saber sobre a caravana que atravessa o México a caminho dos EUA

Imprimir
26 de outubro de 2018 Conflitos Migrantes
Caravana de migrantes no México. (Foto: Anistia Internacional)

Verdade ou ficção: O que você precisa saber sobre a caravana que atravessa o México a caminho dos Estados Unidos

Ficção: Se México ou Estados Unidos não fizerem as pessoas voltarem ou não as detiverem, mais pessoas chegarão.

Verdade: Há poucas evidências indicando que ampliar as restrições nas fronteiras tem algum impacto sobre as pessoas saírem ou não de seu país.

Em muitos casos, estamos falando de pessoas que não têm escolha, exceto deixar seus países de origem, e de pessoas que continuarão tentando encontrar um lugar seguro para viver, a despeito das polícias do México, dos Estados Unidos ou de qualquer outro país que possa oferecer mais segurança do que o delas.

As condições que levam as pessoas a fugirem ou deixarem seus países incluem:

  • Violência;

  • Extorsão por parte de grupos criminosos organizados;

  • Falta de proteção por parte de seus governos;

  • Condições precárias de vida que elas precisam suportar.

O modo concreto de refrear o deslocamento de milhares de pessoas, contra sua vontade, é pedir a seus governos e àqueles que colaboram com eles, que encontrem formas de proteger os direitos humanos de sua população. No caso de Honduras, trata-se de um país com uma das mais altas taxas de homicídios da América Latina e do mundo. A taxa de homicídios é 800% mais alta do que a dos Estados Unidos.

A Anistia Internacional não se opõe a governos que usam os controles de fronteira, entretanto, estes devem estar de acordo com as leis e respeitar os direitos humanos, incluindo o direito de buscar asilo. Os severos controles de fronteira utilizados por uma série de governos estadunidenses ao longo dos últimos 30 anos têm se mostrado ineficientes para reduzir a migração e apenas condenam as pessoas a rotas mais precárias e perigosas que colocam vidas humanas em risco e alimentam redes de contrabando.

Ficção: As pessoas da caravana só querem ganhar dinheiro e tirar empregos de cidadãos dos países onde chegarem.

Verdade: Embora a pobreza seja uma questão importante e possa afetar a decisão das pessoas de deixarem Honduras e outros países, seus motivos para partir em geral são mais urgentes do que os simplesmente econômicos e envolvem decisões de vida ou morte.

Muitas das pessoas que deixaram Honduras recentemente estão procurando um lugar mais seguro onde viver. Isso porque sua vida pode estar em risco, pois ameaças de morte lhes foram feitas diretamente ou elas foram atacadas por dizerem “não” a grupos criminosos violentos que frequentemente extorquem lojistas, motoristas de ônibus e jornaleiros, ou recrutam crianças a força.

Honduras é um país que tem aproximadamente o tamanho do estado do Arizona (Estados Unidos). Quando a vida das pessoas está em risco, elas precisam encontrar uma forma de fugir, porque esses grupos violentos têm maneiras de encontrá-las, onde quer que estejam, em um país tão pequeno. A Anistia Internacional documentou muitos casos de indivíduos e famílias que enfrentaram ameaças e violência devido a seu grupo social específico e que precisam de proteção internacional.

Ficção: Membros da caravana representam uma ameaça à segurança no México ou nos Estados Unidos.

Verdade: Não há evidências que apontem que a chegada de famílias, caravanas, pessoas em busca de asilo ou refugiados tenha relação com o aumento das taxas de crimes, no México ou nos Estados Unidos.

Ao contrário, há vários estudos nos Estados Unidos que mostram que as áreas que receberam as maiores taxas de imigrantes e refugiados estão geralmente ligadas às mais baixas taxas de crimes no país. No caso do México, parece não haver nenhuma prova publicada que tenha relacionado a chegada de pessoas da América Central a qualquer mudança nas taxas de crimes no país.

Além disso, a caravana inclui centenas de crianças viajando com suas famílias. Não estamos falando de grupos poderosos ou ameaças à segurança, estamos falando de pessoas com necessidades reais: motoristas de ônibus, estudantes, adolescentes, lojistas, comerciantes de alimentos.

Ficção: Pessoas que esperam obter asilo ao chegarem à fronteira sul dos Estados Unidos não devem ter permissão de entrar.

Verdade: Isso simplesmente não é verdade. Pela lei estadunidense e pela lei internacional, qualquer pessoa que busque asilo em um porto de entrada dos Estados Unidos deve ser recebida, ter permissão para solicitar asilo e ser encaminhada a um funcionário responsável por asilos para a análise de seu pedido.

Mandar essas pessoas embora da fronteira significaria que as autoridades dos Estados Unidos estão violando a lei. Mandar as pessoas de volta para situações em que sua vida e segurança podem estar em risco não é apenas cruel, mas ilegal.

Enquanto a caravana continuar a atravessar o México, as autoridades mexicanas devem proteger as pessoas que estão fugindo do perigo e garantir os direitos de todos na caravana — isso inclui não colocar crianças em busca de asilo em detenções nem separar famílias. Quando a caravana chegar à fronteira dos Estados Unidos, as autoridades estadunidenses terão as mesmas obrigações.

Esta caravana não é uma ameaça à segurança — é um deslocamento de pessoas e famílias reais, com medos, esperanças e sonhos, e todas elas merecem proteção.

Você pode ajudar essas pessoas. Atue agora!

EUA e presidente Trump: parem de punir famílias que buscam asilo!

México: não permita que as pessoas em busca de refúgio retornem ao perigo

 

26 de outubro de 2018 Conflitos Migrantes

Mais Notícias

23 de agosto de 2019 | Terra Indígenas e populações tradicionais

Falhas do governo estão alimentando queimadas na Amazônia, diz Anistia Internacional

Situação coloca em risco direitos das pessoas a ambiente saudável e à saúde, além de ameaçar os territórios de populações indígenas.

7 de agosto de 2019 | Defensores de direitos humanos Indígenas e populações tradicionais

Anistia Internacional lança site que alerta sobre focos de tensão na Amazônia

Conteúdo divulgado é fruto de pesquisa realizada em abril de 2019. Foram entrevistados 23 indígenas, além de 13 pessoas com conhecimento sobre invasões de terras

29 de julho de 2019 | Memória, Verdade e Justiça

Nota sobre declaração do presidente Jair Bolsonaro sobre desaparecido pelo Regime Militar

O direito à memória, justiça, verdade e reparação das vitimas, sobreviventes e suas famílias deve ser defendido e promovido pelo Estado Brasileiro e seus representantes
Carregar mais notícias