EUA: Trump e sua administração devem respeitar os direitos humanos

Imprimir
20 de janeiro de 2017 Defensores de direitos humanos Discriminação

Enquanto Donald Trump se prepara para tomar posse como 45º Presidente dos Estados Unidos, a Anistia Internacional pressiona seu mandato para proteger direitos humanos nos Estados Unidos da América (EUA) e no exterior.

“Como presidente, Donald Trump deve abandonar a retórica de ódio que perpassa sua campanha e se comprometer a proteger direitos humanos para todos”, disse Margaret Huang, diretora executiva da Anistia Internacional USA.

A Anistia Internacional pede à Trump, em particular, que proteja as pessoas afetadas por conflitos armados e crises e garanta a proteção aos defensores de direitos humanos.

“Estamos no meio de uma crise humanitária global. Há mais pessoas fugindo da violência e de conflitos do que em qualquer outro momento desde a Segunda Guerra Mundial “, disse Huang. “Os Estados Unidos acolheram há muito tempo aqueles que buscam refúgio; na verdade, é um país que tem sido amplamente fundado e construído por imigrantes e pessoas refugiadas”.

“Os Estados Unidos também devem se comprometer a proteger e celebrar aqueles que defendem os direitos humanos no país e no exterior. Ataques contra manifestantes pacíficos, prisioneiros de consciência, jornalistas, dissidentes e minorias não podem ser tolerados. Ninguém deve perder sua segurança por defender pacificamente os direitos humanos ou discordar das políticas do governo”, disse Huang.

A Anistia Internacional já expressou preocupação com as propostas de campanha de Trump – incluindo a criação de um registro de pessoas muçulmanas e a proibição de refugiados muçulmanos – e ataques retóricos contra mulheres, pessoas negras, pessoas com deficiência, LGBTIs, ativistas, jornalistas e críticos. A organização também pediu ao presidente eleito para repudiar publicamente o uso da tortura e fechar o centro de detenção em Guantánamo.

“Para o Presidente Trump, dizemos: a cada dia no cargo, cada escolha feita vai definir o seu legado. Você pode escolher deixar o mundo um lugar melhor ou fazer dele um lugar em que o ódio, o medo e a discriminação se tornam mais fortes. Nós apelamos para que o ódio seja condenado e os direitos humanos sejam protegidos”, disse Huang.

……

Saiba mais:

Superando barreiras – a defesa dos direitos humanos universais na era Trump

 

20 de janeiro de 2017 Defensores de direitos humanos Discriminação

Mais Notícias

16 de março de 2020 | Desenvolvimento

Anistia Internacional Brasil adota medidas de prevenção à Covid-19

Equipe atuará no país em esquema de trabalho remoto, para evitar que funcionários e funcionárias transitem pelo Rio de Janeiro, expondo-se a riscos

9 de março de 2020

Marielle, mulher como inúmeras brasileiras!

Dona de um carisma único, a filha, irmã, mãe, ativista e vereadora viveu em sua vida pública com a mesma coerência da cidadã, moradora e cria da Maré.

27 de fevereiro de 2020 | Direitos sexuais e reprodutivos Política internacional Defensores de direitos humanos Liberdade de expressão Mulheres LGBTI Conflitos Discriminação Terra Indígenas e populações tradicionais Remoções forçadas Violência policial Migrantes

Da retórica à prática: 2019 foi um ano marcado por retrocessos para os direitos humanos no Brasil, mostra relatório

Documento traz também análise sobre a situação na região das Américas e aponta preocupações com direito ao protesto e direitos de migrantes, refugiados e candidatos a asilo
Carregar mais notícias