No Dia Internacional das Vítimas de Desaparecimento Forçado, o caso Davi Fiúza segue sem respostas

Imprimir
30 de agosto de 2019 Memória, Verdade e Justiça Violência policial
davi-fiuza

 

Nesta sexta-feira, dia 30 de agosto, é Dia Internacional das Vítimas de Desaparecimento Forçado, um tipo de violação de direitos humanos que combina elementos de prisões ilegais, sequestros, assassinatos e ocultações de cadáveres.

No último mês, o Alto Comissariado das Nações Unidas enviou uma carta ao Estado brasileiro em que afirma que continuará cobrando esclarecimentos sobre as investigações que levaram ao sequestro e posterior desaparecimento forçado de Davi Fiúza, em 24 de outubro de 2014, em Salvador, na Bahia. O órgão seguirá com ação urgente e aberta em 2014 e deu um prazo que ia até o dia 26 de agosto para que o Estado brasileiro respondesse aos questionamentos enviados em carta no dia 26 de julho de 2019. Em 24 de outubro deste ano, completam-se cinco anos desde o desaparecimento forçado de Davi.

Torne-se um defensor da liberdade: apoie a Anistia Internacional.

Cobramos que o Estado Brasileiro responda publicamente à sociedade brasileira e dê reparações necessárias à família do jovem Davi Fiúza. Quando um desaparecimento forçado acontece, atinge a família, a comunidade e a sociedade democrática. Além disso, lamentamos que, dos 17 policiais indiciados pelo crime, a maior parte dos envolvidos não tenha sido  processada pelo Ministério Público. A falta de punição aos agentes do Estado que cometem crimes alimenta este ciclo de violência e impunidade em todo o país”, aponta a diretora-executiva da Anistia Internacional no Brasil, Jurema Werneck.

Um ponto que alerta e chama a atenção da Anistia Internacional é a transferência deste caso, em setembro de 2018, para a Justiça Militar, de acordo com a Lei 13.491, duramente criticada por nós desde o princípio por entendermos que ela fere os princípios de um julgamento justo, imparcial e independente. Neste caso, a transferência para a Justiça Militar foi feita poucos dias após o Ministério Público apresentar acusações formais contra sete policias militares envolvidos no caso” destaca Werneck.

Para Rute Silva Santos, Mãe de Davi Fiúza, “a omissão do Ministério Público é dolorosa, porque faz com que prossiga a violência do Estado cometida pela Polícia Militar que sequestrou, torturou e desapareceu com meu filho Davi. Os dez (policiais que não foram denunciados pelo MP) representam um perigo à sociedade, para outras famílias. O Estado deve a mim e a outras mães uma resposta: onde estão os corpos de nossos filhos que foram assassinados?”, conclui Rute Silva Santos.

30 de agosto de 2019 Memória, Verdade e Justiça Violência policial

Mais Notícias

12 de setembro de 2019 | Defensores de direitos humanos Mulheres LGBTI Indivíduos em risco Terra Indígenas e populações tradicionais

Projeto Banana-Terra lança manual para jovens que querem mudar o mundo

Material tem exercícios sobre criação e implementação de projetos, segurança, comunicação e monitoramento de impacto

12 de setembro de 2019 | Memória, Verdade e Justiça Defensores de direitos humanos Mulheres LGBTI

18 meses sem Marielle: Anistia Internacional e familiares da defensora renovam cobrança por resposta às autoridades

Ofícios foram enviados ao governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, e ao procurador-geral de justiça do Estado, Dr. José Eduardo Gussen

3 de setembro de 2019 | Defensores de direitos humanos

30 conquistas dos direitos humanos em 2019 que merecem comemoração

Graças a uma combinação de campanhas e pessoas poderosas, 2019 tem sido um ano de muitas conquistas para os direitos humanos!
Carregar mais notícias