Dia das vítimas de desaparecimento forçado: governos no mundo todo insistem na prática

Imprimir
30 de agosto de 2016 Liberdade de expressão Indivíduos em risco
Foto: Vincent Tremeau

Governos do mundo inteiro continuam recorrendo aos desaparecimentos forçados para se manterem no poder e silenciar a oposição, alerta a Anistia Internacional neste 30 de agosto, Dia Internacional das Vítimas de Desaparecimentos Forçados.

“A Anistia Internacional trabalha centenas de casos de desaparecimentos forçados em todas as regiões do mundo. Hoje, nossos milhões de apoiadores voltam a pressionar os governos que lançam mão dos desaparecimentos forçados para que ponham fim a esta tática cruel de uma vez por todas”, afirma Salil Shetty, secretário-geral da organização de direitos humanos.

Estes são alguns dos casos destacados pela Anistia Internacional este ano:

Oriente Médio e Norte de África – Síria e Egito

Dezenas de milhares de pessoas desapareceram por ação do Governo da Síria desde o início da crise no país em 2011. O advogado de direitos humanos Khalil Ma’touq foi detido pelas forças de segurança sírias em outubro de 2012 em Damasco e o seu paradeiro continua desconhecido ao fim de quase quatro anos. Da mesma forma, desde outubro do ano passado que não se sabe onde se encontra o engenheiro de software e ativista pela liberdade de expressão Bassel Khartabil, o qual foi detido inicialmente em março de 2012 e posteriormente transferido para uma prisão na capital da Síria.

No Egito, o Ministério do Interior tem usado os desaparecimentos forçados como tática política para esmagar todas as formas de dissidência pacífica. Desde o princípio de 2015, centenas de egípcios – incluindo crianças – desapareceram às mãos das forças do Estado. E a Procuradoria-geral do país tem sido cúmplice nestas violações de direitos humanos, falhando repetidamente na obrigação de construir casos judiciais visando os responsáveis. Aser Mohamed, de 14 anos, esteve 34 dias desaparecido, período durante o qual foi torturado, em 2016. E o paradeiro de Islam Khalil, raptado de casa em maio de 2015, foi mantido em segredo pelas autoridades ao longo de 122 dias. Ambos estão a ser julgados com base em “confissões” que lhes foram extraídas sob tortura – caso sejam condenados, Khalil pode enfrentar a pena de morte e Aser uma sentença de 15 anos de prisão.

Américas – México

O relatório Un trato de indolencia: la respuesta del Estado frente a la desaparición de personas en México (Tratados com insensibilidade: a resposta do Estado aos desaparecimentos no México), publicado pela Anistia Internacional em janeiro de 2016, documenta que existem mais de 27 mil pessoas cujos paradeiros são desconhecidos no México.

Esta investigação analisa casos de desaparecimentos forçados incluindo o dos 43 estudantes da Escola de Ayotzinapa, no estado de Guerrero, desaparecidos desde setembro de 2014, assim como a onda de desaparecimentos em Ciudad Cuauhtémoc, no estado de Chihuahua, entre 2009 e 2014.

A Anistia Internacional elencou como recomendações às autoridades mexicanas a autonomização do crime de desaparecimento forçado na legislação nacional e o reconhecimento por parte do Estado da obrigação de levar a cabo investigações completas e zelosas sobre o paradeiro daqueles que estão dados como desaparecidos.

Ásia – Paquistão e Laos

Passou-se já mais de um ano desde que Zeenat Shahzadi, de 24 anos, foi a primeira jornalista do sexo feminino a “desaparecer” no Paquistão e nada se sabe do seu paradeiro desde 19 de agosto de 2015. Familiares testemunharam que a jornalista foi detida por agentes das forças de segurança pouco antes de ter sido dada como desaparecida. O caso de Zeenat Shahzadi arrasta-se sem quaisquer progressos na Comissão de Inquérito sobre os Desaparecimentos Forçados do país.

No Laos, a pergunta que se impõe é: “Onde está Sombath Somphone?”. Este ativista foi detido pela polícia em dezembro de 2012 e o seu destino é desconhecido. Três anos após a sua detenção, a Anistia Internacional reiterou ao Governo do país a necessidade de ser criada uma comissão independente para apurar a verdade, demonstrando que o inquérito feito pelas autoridades até à data foi desadequado, além de continuarem a não ser prestadas as devidas informações sobre o progresso das investigações aos familiares de Sombath Somphone.

Europa – Turquia

As recentes operações de segurança no sudeste da Turquia estão sendo feitas com um alcance muito aquém do que é consagrado pela lei e violando as proteções legais conferidas aos cidadãos. O político curdo Hurşit Külter, conhecido defensor da autonomia dos curdos turcos, desapareceu há quase três meses, em 27 de maio, e nada se sabe dele desde então. As autoridades locais e as forças de segurança turcas negam estar envolvidas no desaparecimento, mas Hurşit Külter chegou a contactar o pai pouco antes de desaparecer informando que a polícia entrara em sua casa. A Anistia Internacional expressa total consternação frente ao aparente fracasso das autoridades em abrirem uma investigação imediata, independente e eficaz ao alegado desaparecimento forçado do proeminente político turco.

África – Camarões, Quênia e Zimbabwe

As tentativas das forças de segurança em Camarões no combate ao grupo armado islamita Boko Haram têm conduzido a uma onda de detenções arbitrárias, desaparecimentos forçados e execuções extrajudiciais. Pelo menos 130 pessoas permanecem com paradeiro desconhecido após terem sido detidas em 27 de dezembro de 2014 no extremo norte do país – estes desaparecidos estão entre os mais de 200 rapazes e homens que foram detidos naquele dia pelas forças de segurança durante um raide contra suspeitos guerrilheiros do Boko Haram. Neste Dia Internacional das Vítimas de Desaparecimentos Forçados, a Anistia Internacional lança uma nova campanha – Protect our rights – em que se instam as autoridades de Camarões a clarificarem as informações sobre o paradeiro de todos aqueles que continuam desaparecidos.

No Quênia, os desaparecimentos forçados são uma angustiante prática comum. E apesar das provas contundentes, as autoridades quenianas continuam a negar que este é um problema sistêmico no país. O Tribunal Supremo no Quênia conclui há semana apenas que o advogado de direitos humanos Willie Kimani, o seu cliente Josphat Mwendwa e o condutor de táxi que os transportava, Joseph Muiruri – cujos corpos foram encontrados num rio em julho passado – foram vítimas de desaparecimento forçado e depois executados por agentes da polícia. A Anistia Internacional exige que seja formada no Quênia uma comissão judicial de inquérito para investigar todos os casos de desaparecimento forçado no país, assim como a criação de um sistema abrangente de responsabilização consistente e concordante com os padrões internacionais de direitos humanos.

Também no Zimbabwe, o desaparecimento forçado de críticos do Governo se tornou uma prática comum. Um ano passado desde que interpelou o Presidente do país, Robert Mugabe, sobre o desaparecimento do jornalista e ativista Itai Dzamara, a Anistia Internacional reitera o apelo ao Governo do Zimbabwe para que seja criada uma Comissão de Inquérito para este caso. Itai Dzamara está desaparecido desde 9 de março de 2015 e até à data nenhuma resposta foi dada pelo Governo.

Saiba mais

Camarões: passados quase dois anos, 130 pessoas ainda estão desaparecidas

Investigação sobre desaparecimento de ativista pró-democracia está paralisada

México: o julgamento de marinheiros acusados por desaparecimento forçado pode ser uma esperança de justiça para milhares de famílias

Brasil: Polícia Civil conclui inquérito sobre desaparecimento forçado de Davi Fiuza indiciando 23 policiais

30 de agosto de 2016 Liberdade de expressão Indivíduos em risco

Mais Notícias

11 de dezembro de 2018 | Política internacional Conflitos Migrantes

EUA: políticas catastróficas de imigração resultam em violação generalizada dos direitos humanos

Relatório expõe violações de direitos humanos cometidas pelo governo dos EUA contra pessoas que buscam asilo na fronteira

10 de dezembro de 2018 | Direitos sexuais e reprodutivos Política internacional Defensores de direitos humanos Mulheres

Políticas opressivas e sexistas provocaram uma luta corajosa pelos direitos das mulheres em 2018

Anistia Internacional publica resumo da situação dos direitos humanos em 2018. A luta das mulheres têm destaque.

30 de novembro de 2018 | Segurança pública Política internacional

Filipinas: Primeira condenação de policiais mostra a realidade cruel da “guerra às drogas”

Todas as vítimas merecem justiça e a impunidade na administração de Duterte devem terminar imediatamente.
Carregar mais notícias