Chile: É hora de pôr fim à penalização total do aborto

Imprimir
5 de fevereiro de 2015 Direitos sexuais e reprodutivos Mulheres
©Rodrigo Garcia/NurPhoto

A proposta do governo para despenalizar o aborto no Chile em determinadas circunstâncias constitui um ponto de partida importante para avançar na proteção dos direitos sexuais e reprodutivos de mulheres e meninas, disse hoje a Anistia Internacional.

O projeto de lei enviado pelo governo ao Congresso Nacional no último sábado (31) propõe despenalizar a interrupção voluntária da gravidez em caso de risco de vida para a mulher, quando a gravidez resulta de um aborto, e quando o feto é inviável.

“Ainda que as mulheres não devessem ser penalizadas por praticar o aborto em nenhuma circunstância, este projeto de lei constitui um passo na direção certa de proteção de direitos”, disse Erika Guevara, Diretora para as Américas da Anistia Internacional.

A discussão fica agora nas mãos do Congresso Nacional, que tem a oportunidade de assegurar que a legislação chilena em matéria de aborto proteja as mulheres e meninas, e se ajuste às normas internacionais de direitos humanos.

De acordo com elas, o Estado tem a obrigação de revogar as leis que criminalizem as mulheres e meninas que buscam e obtém um aborto e aos profissionais que os praticam em todas as circunstâncias; garantir que qualquer mulher ou menina que sofra complicações derivadas de um aborto tenham acesso aos serviços médicos sem temor de ser denunciada, e garantir o acesso a serviços seguros e acessíveis de aborto, a qualquer mulher ou menina que fique grávida em consequência de um estupro ou incesto, ou se a gravidez coloca em risco sua vida ou sua saúde física ou mental, e nos casos de anormalidades fetal graves, no mínimo.

A Anistia Internacional espera que a futura discussão sobre a causa da violência reconheça a situação de vulnerabilidade que enfrentam as mulheres e as meninas que foram vítimas de violência sexual e as dificuldades que podem enfrentar para ascender ao aborto se os prazos ou procedimentos forem restritivos. Por sua parte, o projeto apresentado pelo governo não contém o risco à saúde da mulher ou menina grávida como causa de exceção, como requer as obrigações internacionais.

“Agora que o executivo colocou esta proposta sobre a mesa, fazemos um apelo para que, em discussão no Congresso, os parlamentares levem adiante um debate inclusivo que demonstre que o respeito dos direitos humanos das mulheres e meninas é uma prioridade para o país”, concluiu Ana Piquer, Diretora-executiva da Anistia Internacional Chile.

Informações complementares

O Chile é um dos poucos países do mundo e da região que mantém uma proibição legal absoluta do aborto, junto com El Salvador, Nicarágua, Honduras, Haiti e Suriname.

Em dezembro de 2014, a República Dominicana modificou seu código penal, que também continha proibição absoluta do aborto, para despenalizar os casos em que a gravidez representa um risco para a vida da mulher, de inviabilidade fetal, e nos casos que a gravidez é consequência de estupro ou incesto.

Saiba mais

Conheça a campanha Meu Corpo, Meus Direitos da Anistia Internacional

5 de fevereiro de 2015 Direitos sexuais e reprodutivos Mulheres

Mais Notícias

14 de dezembro de 2018 | Política internacional Migrantes

Construção de um muro na fronteira dos Estados Unidos coloca milhares de vidas em risco

Esta não foi a primeira morte no sul da fronteira e, infelizmente, não será a última.

13 de dezembro de 2018 | Política internacional Liberdade de expressão

Nicarágua: ataque ao CENIDH é um golpe aos direitos humanos

É extremamente alarmante que organizações com a trajetória e legitimidade do CENIDH estejam sendo perseguidas.

11 de dezembro de 2018 | Política internacional Conflitos Migrantes

EUA: políticas catastróficas de imigração resultam em violação generalizada dos direitos humanos

Relatório expõe violações de direitos humanos cometidas pelo governo dos EUA contra pessoas que buscam asilo na fronteira
Carregar mais notícias