Caso do menino Eduardo de Jesus deve ser responsabilizado

Imprimir
29 de novembro de 2016 Segurança pública Violência policial
Terezinha e Eduardo

Uma audiência realizada pela 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro na tarde de hoje (29/11) resultou no arquivamento do caso do assassinato de Eduardo de Jesus Ferreira (10 anos), morto por policiais militares no Complexo no Alemão em abril de 2015. Ainda cabe recurso do Ministério Público.

A Anistia Internacional acaba de lançar neste link uma ação de e-mail para pressionar o Ministério Público e o Ministério da Justiça para que garantam que o caso seja levado à justiça e os policiais responsáveis pela morte de Eduardo sejam responsabilizados.

“O assassinato de um menino de 10 anos, desarmado, na porta de casa, quando não havia um tiroteio, não pode ficar sem responsabilização. Se a sociedade brasileira aceitar que a morte de Eduardo foi em legítima defesa, estará abrindo um perigoso precedente dando licença para a polícia matar em qualquer circunstância e nos levando para a barbárie.” critica Renata Neder, assessora de direitos humanos da Anistia Internacional.

A Anistia Internacional acompanha o caso desde abril de 2015. Mais informações estão disponíveis no “Você Matou meu Filho – Homicídios Cometidos pela Polícia Militar no Rio de Janeiro”, de agosto de 2015.

Saiba mais

Justiça para Eduardo

Nota pública: Conclusão do inquérito sobre o assassinato do menino Eduardo de Jesus é uma aberração, diz Anistia Internacional

29 de novembro de 2016 Segurança pública Violência policial

Mais Notícias

14 de novembro de 2018 | Defensores de direitos humanos

Após oito meses, investigação sobre o assassinato de Marielle Franco parece um labirinto de caminhos inexplorados

Organização denuncia a falta de respostas razoáveis por parte das autoridades públicas frente à gravidade do caso e das informações já divulgadas relacionadas ao assassinato

13 de novembro de 2018 | Política internacional Defensores de direitos humanos

Aung San Suu Kyi perde a mais alta premiação da Anistia Internacional

Aung San Suu Kyi foi nomeada Embaixadora de Consciência da Anistia Internacional em 2009, em reconhecimento à sua luta pacífica e não violenta pela democracia e pelos direitos humanos.

12 de novembro de 2018 | Defensores de direitos humanos Mulheres

Teodora Vásquez, de El Salvador, ganha prêmio internacional em direitos humanos

"O que me motiva é libertar outras mulheres presas. O Per Anger Prize é um símbolo da luta pelos direitos das mulheres", disse Teodora
Carregar mais notícias