Burkina Faso: Fim da pena de morte é uma vitória duramente conquistada

Imprimir
4 de junho de 2018 Política internacional Pena de morte
death panlty burkina fasso

O diretor da Anistia Internacional de Burkina Faso, Yves Traoré, comentou a decisão do parlamento do país em adotar um novo código penal que extingue a pena de morte.

“A adoção de um novo código penal elimina de vez a pena de morte da lista de possíveis punições em Burkina Faso. Embora o país já não tenha mais essa prática há muitos anos, a decisão parlamentar é uma medida bem-vinda. Ao entrar o novo código penal em vigor, Burkina Faso se juntará ao grupo de nações que deram fim a esta cruel punição”.

“A Anistia Internacional se opõe à pena de morte em todos os casos, sem exceção, independentemente da natureza do crime. Não há evidências de que a pena de morte detenha o crime e a Anistia Internacional pede que outros países sigam os passos de Burkina Faso e proíbam essa punição imediatamente”.

.

Contexto

A última execução conhecida em Burkina Faso aconteceu em 1988. Ao longo dos últimos vinte anos, Benin, Costa do Marfim, Guiné, Senegal e Togo, na África Ocidental, juntamente com a República do Congo, Burundi, Gabão, Ruanda e Madagáscar aboliram a pena de morte para todos os crimes.

.

A pena de morte viola o direito à vida como proclamado na Declaração Universal dos Direitos Humanos; é uma punição cruel, desumana e degradante. Não há evidências de que a pena de morte tenha um efeito dissuasor maior do que a de prisão, como já demonstraram estudos das Nações Unidas em diferentes países e regiões.

.

Saiba mais

Como reuni as pessoas e pedi à Guiné para abolir a pena de morte

Pena de morte: a África Subsaariana “sinaliza esperanças” com queda no número de execuções e sentenças

4 de junho de 2018 Política internacional Pena de morte

Mais Notícias

20 de março de 2019 | Política internacional Defensores de direitos humanos Conflitos

Venezuela: relatório da ONU sobre crise em direitos humanos é o primeiro passo para a verdade

Anistia Internacional apoia as vítimas da crise de direitos humanos na Venezuela e recebe com satisfação o compromisso do escritório de direitos humanos da ONU.

20 de março de 2019 | Política internacional Defensores de direitos humanos Liberdade de expressão

Turquia: defensores de direitos humanos devem ser absolvidos imediatamente

Delegação da Anistia Internacional acompanha o julgamento de Taner Kiliç e de Instambul 10

13 de março de 2019 | ___

Vaga: Assistente de Ativismo e Mobilização

A Anistia Internacional Brasil está com uma vaga aberta para integrar o time Ativismo e Mobilização como assistente.
Carregar mais notícias