Brasil precisa adotar políticas de segurança pública que protejam população negra, afirma Anistia Internacional

Imprimir
28 de agosto de 2020 Segurança pública Discriminação Violência policial

São alarmantes os dados revelados pelo Atlas da Violência divulgado, em 27 de agosto, referentes às vítimas de homicídios no Brasil durante o ano de 2018. É urgente que as autoridades públicas brasileiras unam esforços para adotar políticas de segurança que garantam o direito à vida de crianças, jovens, homens e mulheres negros que são a maioria da população brasileira.

O tema da segurança pública tem sido sistemática e historicamente trabalhado pela Anistia Internacional. Já na campanha Jovem Negro Vivo lançada em 2014, a Anistia Internacional denunciou que as mortes da população negra brasileira eram invisíveis para as autoridades brasileiras. A recente pesquisa do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada) e do Fórum Brasileiro de Segurança Pública confirma o que a Anistia Internacional já apontava: os negros são os alvos prioritários da violência e da morte no Brasil.

Em 2014, denunciamos que a cada 23 minutos um jovem negro é assassinado no Brasil. A pesquisa do Atlas da Violência, recém lançada, aponta que 75,7% das vítimas de homicídio no Brasil são negras.  Além disso, revela que em 10 anos (entre 2008 e 2018) houve aumento de 11,5% de mortes violentas cujas vítimas eram pessoas Negras ao passo que no mesmo período, houve uma queda de 12,9% de homicídios em que as vítimas eram não negros.

De maneira também alarmante, os dados dessa pesquisa demonstram o aumento, nesses 10 anos das mortes violentas de mulheres. A pesquisa dá conta de que a cada 2 horas uma mulher é assassinada no Brasil. 68% dessas mulheres são negras e enquanto as taxas de homicídios de mulheres Negras subiram 12,4%, as de mulheres não negras tiveram uma redução de 11,7%.

Ainda segundo o Atlas da Violência, 71,1% dos assassinatos no Brasil foram cometidos com armas de fogo.  Isso reforça a importância do controle de armas no Brasil.  Nesse sentido, recordamos que em maio de 2019, numa carta enviada ao Presidente Jair Bolsonaro, a Anistia Internacional afirmou que a flexibilização da posse e do porte de armas atenta contra as garantias do direito à vida e poderá provocar o aumento ainda maior no número de homicídios no Brasil.

 

28 de agosto de 2020 Segurança pública Discriminação Violência policial

Mais Notícias

17 de setembro de 2020 | Segurança pública Mulheres Conflitos

Moçambique: Vídeo mostra assassinato de mulher nua e prova mais uma vez violações de direitos humanos pelas forças armadas estatais

A Anistia Internacional exige que as autoridades em Moçambique devem de imediato abrir uma investigação independente e imparcial à execução extrajudicial de uma mulher

14 de setembro de 2020 | Segurança pública Conflitos Indivíduos em risco Tortura Violência policial

Colômbia: Anistia Internacional condena atos de tortura e o uso de força excessiva pela polícia

Anistia Internacional acompanha situação da Colômbia, onde o advogado Javier Ordoñez foi morto após violenta e desproporcional abordagem por parte da Polícia Nacional

14 de setembro de 2020 | Liberdade de expressão

Trabalhe Conosco: Estágio em Comunicação

A Anistia Internacional Brasil está em busca um estagiário ou estagiária para a equipe de Comunicação.
Tem interesse em fazer parte da nossa equipe?
Carregar mais notícias