Brasil: Autoridades devem dar uma resposta sobre quem matou Marielle Franco

Imprimir
13 de abril de 2018 Segurança pública Defensores de direitos humanos Mulheres LGBTI
Marielle Franco denunciava violações de direitos humanos, em especial contra jovens negros, mulheres e pessoas LGBT. Foto: ASCOM

As autoridades brasileiras devem priorizar a resolução do assassinato da defensora de direitos humanos Marielle Franco e do motorista, Anderson Gomes, e levar todos os responsáveis à justiça, disse a Anistia Internacional hoje quando completa um mês do assassinato.

.

“A sociedade precisa saber quem matou Marielle e por quê. A cada dia que passa e este caso permanece sem respostas, o risco e ameaças em torno dos defensores e defensoras de direitos humanos aumentam”, disse Jurema Werneck, diretora-executiva da Anistia Internacional Brasil.

“O Estado deve garantir que o caso seja devidamente investigado e que tanto aqueles que efetuaram os disparos quanto aqueles que foram os autores intelectuais deste homicídio sejam identificados. Caso contrário envia uma mensagem de que defensores de direitos humanos podem ser mortos e que esses crimes ficam impunes. ”

.

Eleita vereadora do Rio de Janeiro em 2016, Marielle era conhecida por defender os direitos das mulheres, com um foco particular na luta das mulheres negras, bem como pelos direitos LGBTI, e por denunciar abusos da polícia e execuções extrajudiciais, principalmente nas favelas. Dias antes de seu assassinato, ela foi nomeada relatora da comissão criada para monitorar a intervenção federal na segurança pública do Rio de Janeiro.

.

Marielle e seu motorista, Anderson Gomes, foram mortos a tiros no bairro da Estácio, no Rio de Janeiro, após ela participar de um debate público na noite de 14 de março. Pelo menos 13 tiros foram disparados, quatro deles atingiram Marielle na cabeça. As características dos disparos e o envolvimento entre os dois veículos indicam que foi um assassinato cuidadosamente planejado, realizado por pessoas com treinamento.

.

A Anistia Internacional exige das autoridades brasileiras que conduzam uma investigação imediata, completa, imparcial e independente que não apenas identifique os atiradores, mas também os autores intelectuais do crime.

.

A falta de identificação de todos os responsáveis pelo assassinato de Marielle Franco coloca defensores e defensoras de direitos humanos em risco. O Brasil é um dos países onde mais se mata defensores de direitos humanos. Só em 2017, foram pelo menos 58 defensores assassinados. Tais crimes desencorajam a mobilização, alimentam o medo e o silêncio na sociedade.

.

“O assassinato de uma vereadora, defensora de direitos humanos, ativista dos movimentos LGBTI e das favelas, negra e lésbica, tem, claramente, a intenção de silenciar sua voz e de gerar medo e insegurança. Mas vamos continuar levantando nossas vozes. Desde que Marielle foi morta, as pessoas no Brasil e em todo o mundo, se mobilizaram e não descansarão até que a verdade seja conhecida e a justiça seja feita. Eles tentaram nos calar, mas nós mostramos que não estamos com medo”, conclui Jurema Werneck.

,

Saiba mais

Assine por Justiça para Marielle!

Cinco ações que você pode fazer por Marielle e Anderson

Relatório: Países em todo o mundo não impedem mortes e desaparecimentos de defensores dos direitos humanos

13 de abril de 2018 Segurança pública Defensores de direitos humanos Mulheres LGBTI

Mais Notícias

18 de outubro de 2018 | Liberdade de expressão

Nicarágua: autoridades intensificam estratégia de repressão

Novo relatório aponta graves violações aos direitos humanos durante “operação limpeza" do governo nicaraguense.

17 de outubro de 2018 | Liberdade de expressão

Nota pública: eleições sem violência

Casos de violência no contexto eleitoral devem ser investigados considerando a possibilidade de serem crimes de ódio.

10 de outubro de 2018 | Pena de morte

Governos devem pôr fim à crueldade da pena de morte e tomar medidas para a abolição total

Organização lança nova campanha para pressionar cinco países para acabar com as condições desumanas de detenção dos prisioneiros condenados à morte
Carregar mais notícias