Atleta e ativista Colin Kaepernick é homenageado com prêmio da Anistia Internacional

Imprimir
21 de abril de 2018 Política internacional Defensores de direitos humanos Liberdade de expressão

O atleta e ativista Colin Kaepernick foi homenageado com o Prêmio Embaixador da Consciência da Anistia Internacional em 2018.

.

O prêmio foi oficialmente apresentado em uma cerimônia em Amsterdã, Holanda, no dia 21 de abril de 2018, mesmo dia em que a seção nacional da Anistia Internacional no país completa seu 50º aniversário.

.

“O prêmio Embaixador da Consciência celebra o espírito de ativismo e coragem excepcional, como encarnado por Colin Kaepernick. Ele é um atleta que agora é amplamente reconhecido por seu ativismo que se recusa ignorar ou aceitar a discriminação racial ”, disse Salil Shetty, Secretário Geral da Anistia Internacional.

“Assim como os Embaixadores da Consciência antes dele, Colin Kaepernick escolhe falar e inspirar os outros mesmo frente aos riscos profissionais e pessoais. Quando pessoas de alto influência decidem se posicionar pelos direitos humanos, encoraja também muitas pessoas em suas lutas contra a injustiça. O compromisso de Colin Kaepernick é ainda mais notável por causa dos níveis alarmantes de hostilidade que atraiu daqueles que estão no poder.”

.

Durante a pré-temporada de 2016 da American National Football League, Colin Kaepernick ajoelhou-se ao longo do hino nacional dos EUA como uma maneira respeitosa de pedir ao país que proteja e defenda os direitos de todo o seu povo. O movimento ousado foi uma resposta ao número desproporcional de pessoas negras sendo mortas pela polícia. A ação desencadeou um movimento que segue já uma longa tradição de protestos não violentos que fizeram história no país.

.

Enquanto a resposta polarizada ao protesto “take-a-knee” (ajoelhe-se, em tradução literal) acendeu um debate sobre o direito de protestar e de liberdade de expressão, Colin Kaepernick permaneceu focado em destacar as injustiças que o motivaram a agir. A sua instituição de caridade, a Fundação Colin Kaepernick, trabalha para combater a opressão em todo o mundo através da educação e do ativismo social, incluindo através das atividades da campanha “Conheça os Seus Direitos” que educam e capacitam jovens.

.

“Gostaria de agradecer à Anistia Internacional pelo Prêmio Embaixador da Consciência. Mas, na verdade, este é um prêmio que compartilho com todas as inúmeras pessoas em todo o mundo que combatem as violações dos direitos humanos feitas por policiais e o uso de força opressora e excessiva. Para citar Malcolm X, quando ele disse que ele ‘se juntará a qualquer um – não me importa a cor que você tenha – contanto que você queira mudar essa condição miserável que existe nesta terra’, eu estou aqui para me juntar com todos vocês nesta batalha contra a violência policial ”, disse Colin Kaepernick.

“Embora ajoelhar seja uma exibição física que desafia os méritos de quem é excluído da noção de liberdade e justiça para todos, o protesto também está enraizado em uma convergência de minhas crenças e de meu amor pelo povo. “

.

Eric Reid, jogador profissional de futebol americano e ex-companheiro de equipe de Colin Kaepernick, continuou a demonstrar seu apoio, apresentando Colin Kaepernick com o prêmio Embaixador de Consciência.

.

© Michael Zagaris/San Francisco 49ers/Getty Images

Colin Kaepernick e Eric Reid, do San Francisco 49ers, se ajoelham em protesto durante o hino nacional antes do jogo da NFL no Levi’s Stadium em 12 de setembro de 2016 em Santa Clara, Califórnia. (Foto de Thearon W. Henderson / Getty Images)

.

O Prêmio Embaixador da Consciência é a maior honra da Anistia Internacional e reconhece indivíduos que promoveram e aprimoraram a causa dos direitos humanos através de suas vidas e lutas.

21 de abril de 2018 Política internacional Defensores de direitos humanos Liberdade de expressão

Mais Notícias

16 de março de 2020 | Desenvolvimento

Anistia Internacional Brasil adota medidas de prevenção à Covid-19

Equipe atuará no país em esquema de trabalho remoto, para evitar que funcionários e funcionárias transitem pelo Rio de Janeiro, expondo-se a riscos

9 de março de 2020

Marielle, mulher como inúmeras brasileiras!

Dona de um carisma único, a filha, irmã, mãe, ativista e vereadora viveu em sua vida pública com a mesma coerência da cidadã, moradora e cria da Maré.

27 de fevereiro de 2020 | Direitos sexuais e reprodutivos Política internacional Defensores de direitos humanos Liberdade de expressão Mulheres LGBTI Conflitos Discriminação Terra Indígenas e populações tradicionais Remoções forçadas Violência policial Migrantes

Da retórica à prática: 2019 foi um ano marcado por retrocessos para os direitos humanos no Brasil, mostra relatório

Documento traz também análise sobre a situação na região das Américas e aponta preocupações com direito ao protesto e direitos de migrantes, refugiados e candidatos a asilo
Carregar mais notícias