‘Aruanas’: série apresenta trabalho de defensoras dos direitos humanos

Imprimir
3 de julho de 2019 Defensores de direitos humanos Mulheres
Elenco de 'Aruanas', série que aborda a temática das defensoras de direitos humanos/ Divulgação TV Globo

A Anistia Internacional é uma das organizações parceiras do Instituto Alana, da Maria Farinha Filmes e da TV Globo na série “Aruanas”, que tem estreia de seu primeiro episódio na TV aberta, hoje, 3 de julho, e depois estará disponível na plataforma GloboPlay para assinantes. Os apoiadores da Anistia Internacional poderão assistir à atração online gratuitamente. A série retrata o ativismo socioambiental no Brasil, através da história de quatro mulheres. Na trama, Luiza, Natalie, Verônica e Clara, vividas por Leandra Leal, Debora Falabella, Taís Araújo e Thainá Duarte, respectivamente, trabalham em uma organização não-governamental e dedicam suas vidas a defender a Amazônia, a biodiversidade e as populações indígenas.

Torne-se um defensor da liberdade: apoie a Anistia Internacional

Atue agora: peça às autoridades que suspendam as acusações contra o defensor de direitos humanos Scott Warren

Para a diretora executiva da Anistia Internacional, Jurema Werneck, a série reúne elementos importantes para a compreensão de quem são as defensoras de direitos humanos no Brasil e suas lutas.  “Em nossa visão, é importante que todo tipo de atuação em defesa dos direitos humanos seja compreendida, respeitada e protegida. O Brasil é um dos países com o maior número de assassinatos de defensores e defensoras, especialmente com relação aos conflitos no campo, por terras indígenas e territórios quilombolas. Com este trabalho, as vidas de pessoas que se dedicam a atuar pelo bem comum poderá ganhar um maior reconhecimento e, com essa visibilidade, esperamos que melhores políticas de proteção sejam implementadas e mantidas, como o programa de proteção às pessoas ameaçadas”.

Engaje-se: ajude-nos a contar a história de uma defensora dos direitos humanos

Em maio de 2019, a Anistia Internacional divulgou relatório que chamava atenção para os riscos de conflitos iminentes em terras indígenas na Amazônia, devido ao aumento do número de loteamento de terras e extração ilegal de madeira por invasores armados. Os líderes indígenas informaram à organização que haviam recebido ameaças de morte por defender suas terras tradicionais. Eles também alertaram para o possível crescimento das invasões na época da seca (sem chuvas – maio/junho até outubro/novembro), quando o acesso físico mais fácil às florestas viabiliza a queima e o desmatamento.

“Defender os direitos humanos é uma atividade de extremo risco no Brasil. Isso precisa mudar imediatamente e esta mudança passa pela realização de um amplo debate na sociedade sobre a importância das pessoas que buscam fazer a diferença e atuam por uma causa em que acreditam. ‘Aruanas’ vem contribuir com a desmistificação sobre os defensores e as defensoras de direitos no país”.

Jurema lembra ainda de Marielle Franco, vereadora no Rio de Janeiro assassinada junto a seu motorista quando retornava para casa de uma atividade no Centro da cidade. Assim como as protagonistas de “Aruanas”, Marielle foi uma mulher que dedicou a vida à defesa dos direitos humanos.

“Não podemos esquecer que já se passaram 15 meses desde o cruel assassinato de Marielle Franco, e ainda seguimos perguntando: quem mandou matar Marielle, e por que?”, ressalta Werneck.

Assine a petição e nos ajude a pressionar as autoridades, cobrando resposta: “Quem mandou matar Marielle Franco? E por que?

3 de julho de 2019 Defensores de direitos humanos Mulheres

Mais Notícias

25 de janeiro de 2020

O rompimento da barragem de Brumadinho (MG) completa um ano de violações de direitos humanos.

Há um ano atrás, a cidade de Brumadinho (MG) foi marcada por um desastre que matou 270 pessoas (11 ainda estão desaparecidas).

26 de novembro de 2019 | Segurança pública Defensores de direitos humanos Indivíduos em risco

Anistia Interacional recebe com preocupação notícia de prisão de brigadistas em Alter do Chão (PA)

Prisões acontecem no mesmo dia em que organização lança relatório que mostra a relação entre as queimadas na floresta e a pecuária

26 de novembro de 2019 | Defensores de direitos humanos Conflitos Terra Indígenas e populações tradicionais

Bolsonaro se nega a receber a Anistia Internacional e lideranças indígenas que exigem a proteção da Amazônia e dos povos tradicionais

Ato em protesto foi realizado na frente do Palácio do Planalto e contou com o lançamento de um relatório inédito sobre desmatamento da Amazônia e pecuária ilegal
Carregar mais notícias