Anistia Internacional saúda retirada de todas as acusações contra Rafael Marques de Morais em Angola

Imprimir
21 de maio de 2015 Liberdade de expressão
Rafael Marques, 2015 |©Alex Bener

A Anistia Internacional saúda como uma vitória para a liberdade de expressão o desfecho do caso judicial contra Rafael Marques de Morais que aconteceu hoje (21), com a retirada de todas as acusações contra o jornalista e defensor de direitos humanos angolano, em um tribunal de Luanda. Destaca positivamente também outra conclusão da sessão, de reafirmação da monitorização da situação de direitos humanos em Angola,que será feita em colaboração com todas as entidades envolvidas neste processo judicial.

A Anistia Internacional apela ao governo angolano que pare de fazer dele um alvo por exercer seu trabalho jornalístico.

“A retirada das acusações contra Rafael Marques é uma demonstração explícita de que não houve nenhum caso contra ele, como vínhamos dizendo desde o início. Como jornalista, seu único crime era documentar violações dos direitos humanos no país, acreditamos que ele sempre foi inocente”, disse Deprose Muchena, diretor da Anistia Internacional para a região da África.

Rafael Marques estava enfrentando 24 acusações de difamação pela publicação do livro “Diamantes de Sangue, Corrupção e Tortura em Angola”, em Portugal em 2011, com destaque para a corrupção e violações dos direitos humanos alegadamente cometidos pelos generais do exército angolano e empresas que atuam em comunidades de diamantes do país.

A Anistia Internacional sempre defendeu que acusações contra ele eram uma paródia da liberdade de expressão e que tinham de ser retiradas incondicionalmente. No Brasil, somamos forças à Anistia Portugal, que manteve uma campanha ativa desde o início do processo judicial contra Rafael Marques de Morais, e assim mais de 10 mil pessoas entraram em ação pelliberdade de Rafael Marques.

Saiba mais

Angola: Julgamento de jornalista ridiculariza o direito à liberdade de expressão

21 de maio de 2015 Liberdade de expressão

Mais Notícias

25 de janeiro de 2020

O rompimento da barragem de Brumadinho (MG) completa um ano de violações de direitos humanos.

Há um ano atrás, a cidade de Brumadinho (MG) foi marcada por um desastre que matou 270 pessoas (11 ainda estão desaparecidas).

26 de novembro de 2019 | Segurança pública Defensores de direitos humanos Indivíduos em risco

Anistia Interacional recebe com preocupação notícia de prisão de brigadistas em Alter do Chão (PA)

Prisões acontecem no mesmo dia em que organização lança relatório que mostra a relação entre as queimadas na floresta e a pecuária

26 de novembro de 2019 | Defensores de direitos humanos Conflitos Terra Indígenas e populações tradicionais

Bolsonaro se nega a receber a Anistia Internacional e lideranças indígenas que exigem a proteção da Amazônia e dos povos tradicionais

Ato em protesto foi realizado na frente do Palácio do Planalto e contou com o lançamento de um relatório inédito sobre desmatamento da Amazônia e pecuária ilegal
Carregar mais notícias