Anistia Internacional: Massacre em presídio no Pará reflete sistema carcerário superlotado e modelo de segurança pública esgotado

Imprimir
29 de julho de 2019 Segurança pública Sistema prisional
nota-publica-ai1

Diante do massacre ocorrido nesta segunda-feira, 29 de julho, em Altamira, no Pará, onde 57 pessoas foram assassinadas a Anistia Internacional diz:

Vemos mais este massacre como reflexo de políticas de segurança pública que não geram resultados eficientes em termos da garantia da proteção da vida dos cidadãos e cidadãs, e resultam num sistema carcerário superlotado, cuja maior parte da população é formada por jovens negros e pobres. Em nossa perspectiva, tal situação é agravada pelas recentes mudanças no Mecanismo Nacional de Prevenção e Combate à Tortura, responsável por acompanhar as condições de vida nos presídios e sistema socioeducativo no Brasil, e que teve suas funções esvaziadas após alterações promovidas por decreto presidencial.
A Anistia Internacional vem alertando para a ampliação da população carcerária e suas condições nos últimos anos, e este ano Brasil chegou a 812 mil pessoas presas, a terceira maior população carcerária do mundo, sem que nada seja feito para mudar este quadro, sendo recorrentes casos de massacres no sistema carcerário brasileiro, como este terrível caso ocorrido hoje em Altamira, no Pará, com 57 mortos em situação de privação de liberdade. Estas pessoas, que estavam sob a tutela do Estado brasileiro para serem reeducadas e terem novas oportunidades na sociedade, deveriam ter suas vidas preservadas.

29 de julho de 2019 Segurança pública Sistema prisional

Mais Notícias

26 de novembro de 2019 | Segurança pública Defensores de direitos humanos Indivíduos em risco

Anistia Interacional recebe com preocupação notícia de prisão de brigadistas em Alter do Chão (PA)

Prisões acontecem no mesmo dia em que organização lança relatório que mostra a relação entre as queimadas na floresta e a pecuária

26 de novembro de 2019 | Defensores de direitos humanos Conflitos Terra Indígenas e populações tradicionais

Bolsonaro se nega a receber a Anistia Internacional e lideranças indígenas que exigem a proteção da Amazônia e dos povos tradicionais

Ato em protesto foi realizado na frente do Palácio do Planalto e contou com o lançamento de um relatório inédito sobre desmatamento da Amazônia e pecuária ilegal

14 de novembro de 2019

Vaga: Coordenador(a) de Recursos Humanos e Administração

A Anistia Internacional está buscando uma nova pessoa para integrar a equipe de operações como Coordenador(a) de Recursos Humanos e Administração.
Carregar mais notícias