Anistia Internacional estreia mostra multimídia sobre segurança pública e violência contra a juventude em São Paulo

Imprimir
16 de setembro de 2015 Segurança pública Discriminação
LZP75009 780

O espaço Matilha Cultural em São Paulo será a segunda casa da Anistia Internacional no Brasil durante os meses de setembro e outubro. A organização, que tem sede no Rio de Janeiro, ocupará a Matilha Cultural, no centro da capital paulista, com a mostra “Setembro Verde: Jovem Negro Vivo” a partir do dia 22. Com exposição visual, ciclo de debates e programação de cinema, a iniciativa gratuita vai promover a campanha na maior cidade do país para romper com a indiferença da sociedade a respeito dos altos índices de homicídios, em especial entre os jovens negros.

De acordo com o Mapa da Violência 2012, dos 56 mil assassinatos registrados no país, 30 mil são de jovens entre 15 e 29 anos. Destes, 77% são negros. Para aprofundar o debate, a Anistia Internacional lançou no início de agosto uma pesquisa sobre a homicídios cometidos pela Polícia Militar, em especial no Rio de Janeiro. Nos últimos cinco anos, homicídios decorrentes de intervenção policial corresponderam em média a 16% do total de assassinatos na capital fluminense.

A mobilização pela campanha Jovem Negro Vivo em São Paulo acontece em meio às investigações sobre o envolvimento de policiais militares na chacina que vitimou 19 pessoas em Osasco no mês passado, e em um contexto de aumento das mortes praticadas por policiais no Estado. De acordo com dados da Secretaria da Segurança Pública de São Paulo, o número de pessoas mortas por policiais em serviço no estado aumentou 105% entre 2013 e 2014, saltando de 346 para 708 óbitos. Somente no primeiro semestre de 2015, foram 358 pessoas mortas pela polícia, um aumento de 9,8% comparado ao mesmo período de 2014.

“A crença de que vivemos uma ‘guerra às drogas’ e que matar ‘traficantes’ faz parte desse combate tem sido usada como justificativa para uma polícia que faz uso excessivo, desnecessário e arbitrário da força, com frequência inaceitável da força letal. Nessa dinâmica, o grupo social mais atingido é o de jovens negros moradores de favelas e periferias”, alerta Atila Roque, Diretor Executivo da Anistia Internacional. “A política de segurança pública não deve ser incompatível com o respeito à vida”.

Entre os parceiros da ocupação Jovem Negro Vivo na Matilha Cultural estão organizações e movimentos que atuam na agenda de segurança pública e juventude como Mães de Maio, Ação Educativa, Conectas, Instituto Sou da Paz e Justiça Global.

Programação:

22 de setembro – Abertura
16h – Visita guiada exclusiva para jornalistas. Bate-papo com Renata Neder, assessora de direitos humanos da Anistia Internacional, sobre a campanha Jovem Negro Vivo e o relatório “Você Matou Meu Filho: Homicídios cometidos pela Polícia Militar na cidade do Rio de Janeiro”.
17 a 19h – Sessões do filme “Sabotage”.
19h30 – Bate-papo sobre a Campanha Jovem Negro Vivo, da Anistia Internacional com Renata Neder e o rapper GOG
21h – Lançamento do videoclipe e vinil “Heroínas e Heróis”- Projetonave e GOG.

23 de setembro
19h – Happy Hour Matilha com DJ King.

24 de setembro
19h -Happy Hour Matilha Notas reais
19h – Exibição do filme “Sem pena”
21h – Exibição do Filme “O Estopim”

25 de Setembro
19h – Exibição do filme “Sem pena”
21h – Exibição do Filme “O Estopim”

26 de setembro
16h – Exibição do filme “Sem pena”
20h – Exibição do Filme “O Estopim”

27 de Setembro
20h – Exibição do Filme “O Estopim”

29 de Setembro
19h30 -22h: Debate: Homicídios Decorrentes de Intervenção Policial no Brasil
Coordenação: Anistia Internacional
Convidados: Atila Roque, Anistia Internacional; Debora Maria, Movimento Mães de Maio; Daniela Skromov de Albuquerque, Defensoria Pública de São Paulo.

30 de setembro
19h – Happy Hour Matilha com DJ KL Jay

1 de outubro
20h – Exibição do Filme “O Estopim”

2 de outubro
20h – Exibição do filme “À queima roupa”

3 de outubro
16h Exibição do filme “O Estopim”
18h Exibição do filme “Sem Pena”
20h Exibição do filme “A Queima Roupa”

4 de outubro
20h Exibição do filme “A Queima Roupa”

6 de outubro
19h30-22h – Debate: Política de Drogas e Criminalização da Juventude
Coordenação: Conectas (convidados a confirmar)

7 de outubro
19h- – Happy Hour Matilha com DJ King

8 de outubro
19h – Happy Hour Matilha Notas reais

10 de outubro
16h – Exibição do filme “Sem Pena”
18h – Exibição do filme “À Queima Roupa”

11 de outubro
20h – Exibição do filme “O Estopim”

13 de outubro
19h30-22h: Debate: Controle de Armas e Violência
Coordenação: Instituto Sou da Paz (convidados a confirmar)

14 de outubro
19h – Happy Hour Matilha DJ KL Jay

20 de outubro
19h30-22h: Debate : Desmilitarização da Segurança Pública
Coordenação: Justiça Global (convidados a confirmar)

21 de outubro
19h – Happy Hour Matilha Dj King

22 de outubro
19h – Happy Hour Matilha Notas reais

 

Ficha técnica da programação de cinema:

• O Estopim / 84’ / Diretor: Rodrigo Mac Niven/ Tipo: documentário

O pedreiro Amarildo de Souza desapareceu na Rocinha, Zona Sul do Rio de Janeiro, no dia 14 de julho de 2013. Segundo inquérito, o homem morreu depois de passar por uma sessão de tortura. A coragem da família e de amigos de Amarildo se transformou em símbolo de resistência e luta da sociedade civil contra a violência do Estado. Misturando cenas com atores e depoimentos reais, o filme não quer só investigar o que aconteceu, mas sim debater a conduta policial nas favelas e a questão da segurança pública do país.

• À Queima Roupa / 90’/ Diretora: Theresa Jeussouroun / Tipo: documentário. Não recomendado para menores de 16 anos.

Partindo da Chacina de Vigário Geral de 1993, o documentário investiga a violência e a corrupção policial praticadas no Rio de Janeiro nos últimos 20 anos. Uma dura apresentação dos fatos brutais mais marcantes por meio de entrevistas com vítimas e familiares, imagens de arquivo e cenas ficcionais reconstruindo a memória dos sobreviventes.

• Sem Pena/ 87’ / Diretor: Eugenio Puppo / Tipo: documentário. Não recomendado para menores de 12 anos.

Documentário sobre o sistema jurídico e prisional brasileiro. A precária vida nas prisões do país e os medos, preconceitos e equívocos que assombram o tema. A população carcerária brasileira é uma das maiores do mundo e só aumenta.

Sobre o videoclipe e vinil Heroínas e Heróis – Projetonave

“Da união dos escritos de GOG e Nelson Maca e com roupagem musical do Projetonave nasce “Heroínas e Heróis”. A música compõe o novo disco do Poeta do Rap Nacional e também faz parte do coletânea “7” Nasbase ” do Projetonave. No dia 22 de setembro, será lançado o vinil e o videoclipe da música dentro da mostra Jovem Negro Vivo na Matilha Cultural. A captação visual – vídeo clip – dessas emoções, retratando a ebulição na Diáspora Africana transforma escritos em manuscritos e roupagem em tecido humano. Sim! Estamos vivos, rebelados. O chamamento é público”- texto: GOG

ATUE AGORA

As execuções extrajudiciais em operações da Polícia Militar ainda são frequentes. Os casos raramente são investigados. Assine a petição pelo fim deste ciclo de violência.

Assine o manifesto: Queremos ver os jovens vivos!

Saiba mais

Campanha Jovem Negro Vivo

16 de setembro de 2015 Segurança pública Discriminação

Mais Notícias

26 de novembro de 2019 | Segurança pública Defensores de direitos humanos Indivíduos em risco

Anistia Interacional recebe com preocupação notícia de prisão de brigadistas em Alter do Chão (PA)

Prisões acontecem no mesmo dia em que organização lança relatório que mostra a relação entre as queimadas na floresta e a pecuária

26 de novembro de 2019 | Defensores de direitos humanos Conflitos Terra Indígenas e populações tradicionais

Bolsonaro se nega a receber a Anistia Internacional e lideranças indígenas que exigem a proteção da Amazônia e dos povos tradicionais

Ato em protesto foi realizado na frente do Palácio do Planalto e contou com o lançamento de um relatório inédito sobre desmatamento da Amazônia e pecuária ilegal

14 de novembro de 2019

Vaga: Coordenador(a) de Recursos Humanos e Administração

A Anistia Internacional está buscando uma nova pessoa para integrar a equipe de operações como Coordenador(a) de Recursos Humanos e Administração.
Carregar mais notícias