Anistia Internacional destaca crise da segurança pública no Brasil

Imprimir
24 de fevereiro de 2015 Segurança pública
Atila Roque, diretor executivo da Anistia Internacional Brasil, em debate sobre segurança pública no lançamento do relatório anual. | ©Mídia Ninja

O ano de 2014 foi marcado pelo agravamento da crise da segurança pública no Brasil. Esta é a principal questão levantada no capítulo brasileiro do Relatório 2014/15– O Estado dos Direitos Humanos no Mundo, lançado na quarta-feira (25) pela Anistia Internacional em todo o mundo. A curva ascendente dos homicídios no país; a alta letalidade nas operações policiais, em especial nas realizadas em favelas e territórios de periferia; o uso excessivo da força no policiamento dos protestos que antecederam a Copa do Mundo; as rebeliões com mortes violentas em presídios superlotados, e casos de tortura mostram que a segurança pública no país precisa de atenção especial por parte das autoridades brasileiras.

“O Brasil é um dos países onde mais se mata no mundo”, destaca Atila Roque, diretor executivo da Anistia Internacional no Brasil. “Cultivamos a ideia de um país pacífico, mas convivemos com números de homicídios que superam, inclusive, situações onde existem conflitos armados e guerras. É inadmissível que haja cerca de 56 mil vítimas de homicídios por ano, a maior parte composta de jovens, e este não seja o principal tema de debate na agenda pública nacional”, conclui.

O capítulo brasileiro no relatório traz uma retrospectiva sobre os principais acontecimentos de 2014 e alguns destaques de 2013, a começar pelos protestos que antecederam a Copa do Mundo. Milhares de manifestantes saíram às ruas e muitos deles foram cercados e detidos arbitrariamente. Jornalistas também foram agredidos. Os episódios demonstraram que as polícias não estão preparadas para assegurar direitos fundamentais da democracia: a liberdade de expressão e de manifestação pacífica.

A militarização da segurança pública – com uso excessivo da força e a lógica do confronto com o inimigo, em especial nos territórios periféricos e favelas – tem contribuído para a manutenção do alto índice de violência letal no país. O relatório final da Comissão Nacional da Verdade tem importante papel em estabelecer como o legado da ditadura impacta na violência policial de hoje e em propor reformas para assegurar uma segurança pública baseada na defesa dos direitos humanos.

“Enquanto prevalecer o discurso de violência e uma espécie de Estado de exceção, que corrobore a percepção de que a vida de uns vale mais do que a de outros, viveremos a barbárie. ‘Bandido bom é bandido morto’ é uma filosofia em que todos saem perdendo. Perde o Estado que coloca a vida de seus agentes de segurança em risco e abre mão de enfrentar o crime com inteligência; e perde a sociedade, brutalizada e acuada pelo medo da violência”, analisa Atila Roque.

A falta de priorização do tema da segurança pública no país tem vitimado tanto agentes de segurança quanto a população – destacando-se uma parcela jovem, negra, pobre e radicada nas periferias. Casos como o do pedreiro Amarildo de Souza, torturado até a morte pela polícia do Rio de Janeiro e a chacina que deixou 10 pessoas mortas em Belém do Pará foram alguns exemplos desta realidade.

Recomendações

Diante do cenário apresentado pelo relatório anual, a Anistia Internacional pede que:

- Seja elaborado um plano nacional de metas para a redução imediata dos homicídios, em articulação entre o governo federal e governos estaduais;

- A desmilitarização e a reforma da polícia, estabelecendo mecanismos efetivos de controle externo da atividade policial, promovendo a valorização dos agentes, aprimorando sua formação e condições de trabalho, assim como as técnicas de inteligência para investigação.

- A implementação plena de um programa de defensores de direitos humanos, que proteja lideranças nos campos e nas cidades e promova ampla discussão sobre a origem das violações que os afetam;

A Anistia Internacional trabalha com o tema da segurança pública no Brasil há muitos anos, em parceria com atores da sociedade civil e de instâncias do governo. Um exemplo foi o lançamento da campanha Jovem Negro Vivo em novembro de 2014, que tem como objetivo desnaturalizar os números da violência no Brasil e promover a reflexão sobre o que pode ser feito para muda-los.

Veja mais sobre os temas abordados no capítulo brasileiro:

• Violações de direitos em situações de protestos: respostas do governo e das polícias para as manifestações pré-Copa do Mundo, com uso excessivo da força e prisões arbitrárias, agressões a jornalistas e a condenação de Rafael Braga Vieira, único jovem preso e condenado a cinco anos de prisão por portar material de limpeza.

• Condições Prisionais: Envolvimento da Comissão Interamericana de Direitos Humanos para intervenção nas condições prisionais do país, com destaque para a rebelião no Presídio de Pedrinhas (MA). Condenação de 75 policiais pela morte de 111 presos durante a rebelião na penitenciária do Carandiru em 1992.

• Tortura e Outros Maus-Tratos: Denúncias de tortura quando em custódia da polícia e o caso do trabalhador de construção civil Amarildo de Souza. Destaque para a instituição do Sistema Nacional de Prevenção e Combate à Tortura.

• Impunidade: O trabalho da Comissão Nacional da Verdade e seu relatório final.

• Defensores de Direitos Humanos: dificuldades enfrentadas pelo Programa Nacional de Defensores de Direitos Humanos e os casos acompanhados pela Anistia Internacional.

• Disputa por Terras – Direitos de Povos Indígenas: Conflitos que envolvem populações tradicionais, como a comunidade indígena Guarani-Kaiowá de Apika’y, no Mato Grosso do Sul e comunidades quilombolas no Maranhão, assim como os perigos de retrocesso nas legislações que envolvem a demarcação de terras.

• Direitos de lésbicas, gays, bissexuais, transexuais e intersexuais: Avanços na legislação, apesar das manifestações homofóbicas de lideranças políticas e religiosas e a violência contra a população LGBT.

• Direitos Sexuais e Reprodutivos: A pressão de grupos religiosos pela criminalização do aborto e os casos de duas mulheres que morreram ao fazer abortos em clínicas clandestinas.

• Comércio de Armas: Embora o Brasil tenha assinado o Tratado Internacional de Armas, o documento ainda ainda não foi ratificada pelo congresso.

Outros países

A versão internacional do Relatório 2014/15 – O Estado dos Direitos Humanos no Mundo apresenta um resumo sobre a situação dos direitos humanos em 160 países. O principal destaque é a espiral de violência criada pelos conflitos entre grupos armados não-estatais, como o Estado Islâmico e o Boko Haram, e respostas brutais dos governos. Este cenário desencadeou grandes crises humanitárias, que estão na origem de escândalos sobre tortura, o crescimento do extremismo religioso, as migrações e o aumento do número de refugiados.

Saiba mais

Leia o relatório 2014/2015 – O Estado dos Direitos Humanos no Mundo.

Resposta global a atrocidades cometidas por Estados e grupos armados é ‘vergonhosa e ineficaz’

Américas: aumento dos protestos e redes criminosas agem impunemente

Conquistas dos direitos humanos em 2014

24 de fevereiro de 2015 Segurança pública

Mais Notícias

21 de setembro de 2017 | Política internacional Conflitos Migrantes

Myanmar: Aung San Suu Kyi se omite em relação aos horrores em Rakhine

“Há fortes evidências de que as forças de segurança estão envolvidas em uma campanha de limpeza étnica", diz o Diretor Regional da Anistia Internacional p/ o Sudeste da Ásia e o Pacífico, James Gomez.

21 de setembro de 2017 | Política internacional

Brasil: Políticas incoerentes perpetuam violações dos direitos humanos

Governo brasileiro mostra duas caras: uma nas Nações Unidas apoiando muitas das recomendações que acata de outros Estados, e outra bem distinta dentro do próprio país.

18 de setembro de 2017 | Política internacional Conflitos Migrantes

ONU: Êxodo do povo Rohingya de Myanmar expõe falha dos líderes mundiais em resolver a crise de pessoas refugiadas

Forças de segurança de Myanmar estão queimando aldeias Rohingya inteiras e atirando enquanto as pessoas tentam fugir. Em menos de 3 semanas, quase 400 mil pessoas refugiadas fugiram para Bangladesh.
Carregar mais notícias