Anistia critica ação policial no Complexo da Maré que resultou em dez mortos

Imprimir
27 de junho de 2013 Segurança pública Violência policial
Moradores da Maré pedem o fim da violência após operação policial que deixou 10 mortos.
©Elisângela Leite/Redes da Maré

Na última segunda feira (24/06), o Complexo da Maré viveu momentos de terror com a entrada do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope), que terminou com a morte de dez pessoas, incluindo um sargento do Bope. A operação teve início após um arrastão que ocorreu durante manifestação no bairro Bonsucesso e os responsáveis fugiram para a Maré.

O Bope permaneceu na Maré durante toda a noite de segunda e praticamente todo o dia de terça feira. Preocupada com o agravamento da situação, a Anistia Internacional Brasil entrou em contato com o comando da operação, com o gabinete do Secretário de Segurança e com o gabinete do Governador solicitando que não houvesse mais violência. Na terça-feira (25), dezenas de pessoas fizeram um ato na comunidade de Nova Holanda, na Maré, pedindo a saída do Bope e uma política de segurança pública que respeite os direitos dos moradores.

“Uma operação policial com dez mortos não pode ser considerada bem sucedida. A polícia não pode tratar a favela como se ali fosse um território de exceção, é preciso romper a lógica da guerra. As pessoas que vivem na favela precisam ter seus direitos reconhecidos, os criminosos são uma minoria. Uma atuação mais cuidadosa da polícia certamente evitaria a morte de muitos inocentes”, afirma Atila Roque, diretor executivo da Anistia Internacional Brasil.

Nesta quarta-feira (26), foi realizada uma reunião entre a Polícia Militar, organizações não governamentais que atuam na área e representantes das associações de moradores das comunidades que compõem o Complexo da Maré. Ficou estabelecida uma estratégia de diálogo maior com a comunidade, que contribua para romper a lógica de que a favela é um território de exceção. “Esperamos que a polícia passe a atuar respeitando os direitos dos moradores das favelas, porque somente assim sua ação terá legitimidade. É preciso reconstruir a confiança perdida para que seja possível chegar a uma política de segurança pública que atenda a todos os cidadãos e cidadãs da cidade, da mesma maneira”, defende Atila Roque.

No final do ano passado, uma parceria da Anistia Internacional, Observatório de Favelas e Redes de Desenvolvimento da Maré resultou na campanha “Somos da Maré e Temos Direitos”, cujo objetivo era informar os moradores sobre os seus direitos e preparar a comunidade para a chegada da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP).

27 de junho de 2013 Segurança pública Violência policial

Mais Notícias

26 de novembro de 2019 | Segurança pública Defensores de direitos humanos Indivíduos em risco

Anistia Interacional recebe com preocupação notícia de prisão de brigadistas em Alter do Chão (PA)

Prisões acontecem no mesmo dia em que organização lança relatório que mostra a relação entre as queimadas na floresta e a pecuária

26 de novembro de 2019 | Defensores de direitos humanos Conflitos Terra Indígenas e populações tradicionais

Bolsonaro se nega a receber a Anistia Internacional e lideranças indígenas que exigem a proteção da Amazônia e dos povos tradicionais

Ato em protesto foi realizado na frente do Palácio do Planalto e contou com o lançamento de um relatório inédito sobre desmatamento da Amazônia e pecuária ilegal

14 de novembro de 2019

Vaga: Coordenador(a) de Recursos Humanos e Administração

A Anistia Internacional está buscando uma nova pessoa para integrar a equipe de operações como Coordenador(a) de Recursos Humanos e Administração.
Carregar mais notícias