Américas: Sistema Interamericano é uma garantia fundamental para a vigência dos direitos humanos na região

Imprimir
25 de abril de 2019 Política internacional Defensores de direitos humanos
Foto: Corte IDH

O Sistema Interamericano é uma peça fundamental para o cumprimento dos direitos humanos nas Américas que deve ser protegido, afirma a Anistia Internacional em resposta a uma recente declaração assinada por governos de cinco países da América do Sul.

“A declaração assinada pela Argentina, Brasil, Colômbia, Paraguai e Chile é um golpe para as vítimas de violações de direitos humanos no nosso continente, porque procura minar a independência e autonomia dos órgãos do Sistema Interamericano”, disse Erika Guevara Rosas, diretora da Anistia Internacional Américas.

“Ao invés de cumprir com suas resoluções de boa-fé, os governos da Argentina, Brasil, Colômbia, Paraguai e Chile estão promovendo uma nova e flagrante tentativa de enfraquecer e limitar o Sistema Interamericano.”

>>  Apoie a Anistia Internacional, seja um Defensor da Liberdade

Nos comunicados de imprensa emitidos pelo Ministério das Relações Exteriores do Chile, em 23 de abril, e do Ministério das Relações Exteriores do Paraguai no dia seguinte, os governos da Argentina, Brasil, Colômbia, Paraguai e Chile afirmam que entregaram ao Secretário Executivo da Comissão Interamericana Direitos Humanos (CIDH) uma declaração sobre o Sistema Interamericano.

A declaração assinala que a atuação do Sistema Interamericano deve considerar: a importância fundamental do princípio da subsidiariedade; a margem de autonomia de que gozam os Estados “para decidir quais as são as formas mais adequada para assegurar direitos e garantias como uma maneira de dar efeito aos seus processos democráticos”; a aplicação rigorosa das fontes do direito na resolução de casos sujeitos ao seu conhecimento; e consideração de “realidades políticas, económicas e sociais dos Estados por parte do sistema de direitos humanos interamericano”.

A Anistia Internacional ressalta que a CIDH e a Corte Interamericana de Direitos Humanos (Corte IDH) têm desempenhado um papel de liderança na garantia do exercício dos direitos humanos e do combate à impunidade em tempos de forte repressão estatal e conflitos armados internos, e casos individuais de violações de direitos humanos. Isso tem garantido que, quando os Estados não investigam as violações de direitos humanos cometidas em seus territórios, as vítimas têm um mecanismo de proteção independente, capaz de garantir verdade, justiça, reparação e medidas de não repetição.

A validade e garantia dos direitos humanos nas Américas também significa ter um Sistema Interamericano forte, independente e autônomo para dar respostas para aqueles que têm enfrentado violações de direitos humanos no continente. Portanto, os Estados não devem condicionar a atuação do mecanismo para interesses próprios que podem colocar direitos das vítimas em risco.

25 de abril de 2019 Política internacional Defensores de direitos humanos

Mais Notícias

16 de março de 2020 | Desenvolvimento

Anistia Internacional Brasil adota medidas de prevenção à Covid-19

Equipe atuará no país em esquema de trabalho remoto, para evitar que funcionários e funcionárias transitem pelo Rio de Janeiro, expondo-se a riscos

9 de março de 2020

Marielle, mulher como inúmeras brasileiras!

Dona de um carisma único, a filha, irmã, mãe, ativista e vereadora viveu em sua vida pública com a mesma coerência da cidadã, moradora e cria da Maré.

27 de fevereiro de 2020 | Direitos sexuais e reprodutivos Política internacional Defensores de direitos humanos Liberdade de expressão Mulheres LGBTI Conflitos Discriminação Terra Indígenas e populações tradicionais Remoções forçadas Violência policial Migrantes

Da retórica à prática: 2019 foi um ano marcado por retrocessos para os direitos humanos no Brasil, mostra relatório

Documento traz também análise sobre a situação na região das Américas e aponta preocupações com direito ao protesto e direitos de migrantes, refugiados e candidatos a asilo
Carregar mais notícias